domingo, 30 de setembro de 2012

Um filme de terror e o Norman

Com zombies, esqueletos andantes e membros ossudos, personagens aos gritinhos, histéricas, personagens feias e escuras, em locais macabros e assustadores, com bruxas e maldições, relâmpagos e trovões, um gordo com uma máscara do Hannibal Lecter, um anormal incompreendido e mal aceite, um vândalo nojento e asqueroso, uma loira pseudo-burra bling-bling, um panasca musculado cego que nem uma mula e uma bruxinha linda que nunca fez mal a ninguém. Para primeiro filme de terror, e ainda por cima infantil, não está nada mau!

SOPA

A receita ideal para alimentar a sua equipa e cultura

(vamos ver o que sai daqui, dum livro que não é de receitas de sopa)

sábado, 29 de setembro de 2012

Uma vergonha!


Sou oriunda do distrito de Aveiro, a minha cidade-natal não dista mais do que 25 Kms da capital de distrito e em 40 anos de existência nunca andei num moliceiro. Não é por falta de insistência do petiz, é mesmo porque "Aveiro é tão perto, fica para outro dia". E esta razão tem sido válida para tantas outras coisas na minha vida, um adiar constante de situações relativamente simples de concretizar...

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Há uma linha que separa

(ler o título a pensar no anúncio da ZON, se faz favor)


...a nádega direita da nádega esquerda.....é o rego do cu!

(coisas que o meu miúdo aprende com colegas e que, enquanto repete em casa, quase que se mija todo)

Enfim...putos!

Roubei um post quase inteirinho à Raquel de Guimarães

Se o roubo é consentido, não é considerado roubo, certo? 
Não sei se são de sua autoria ou se são uma selecção pessoal, mas que algumas me fizeram pensar em situações e pessoas concretas, fizeram!

Forgive once, sometimes forgive twice. Think before forgiving a third time. Three is always a crowd. 

Fight for what you want but be realistic. 

Don't allow yourself to get disappointed with something you could have avoided. 

Never stop dreaming though. Mainly awake. Dreams are the material our lives are made of. 

Aim always more. Why be happy for less?

Never forget to say thank you. These should be the words you use the most during your life.

Never forget to say I'm sorry. Even when you struggle not to. 

Never forget to say I love you. Not all the time, not to everyone. Say when you mean it for sure.

Always respect your parents even if you had troubles in the past. They are the only ones you' ll have. 

Try to stay close to your siblings. They are the closest link you have to your past and to your future.

Spoil your nephews but be tough with your kids. A mother should not be a best friend.

Ignore the previous line; they are your kids, just do what your heart tells you.

Allow yourself to cry from someone that doesn't deserve. 

Believe that everything in life comes to an end.

Write down in a paper what you are feeling when you're happy, it will be useful when you're down. 

Try new things but be loyal to the ones you always liked. 

It's ok to look yourself in the mirror and feel depressed.

It's ok to envy girls you see on magazines.

It's even ok to envy your best friend. Envy is never about them, it's always about you. 

Sing corny songs while driving your car. Singing is one of the most powerful ways of feeling free. 

Dance, at least once, barefoot in the grass under the rain. 

Get to know someone just because of the beauty. Fall for someone for the brains. 

Never explain yourself too much. No one will ever understand what you really mean. 

Be your best friend, love yourself above all and never forget each life has an owner and you own yours.

Never trust anyone too much. Trust them, but always keep the best for you. 

Be careful without being rude because you never know what's going to happen next.

Avoid looking at pictures or listening to music that will make you sad.

Time to time, you are going to need them.

Kiss someone just because, don't be shy and say what you think at least once. You can be surprised. 

Never stop learning. Knowledge is the strongest weapon you have in life. 

Don't be too worried in discovering the world too fast. Enjoy every minute of your travels.

You should always do what you desire with your free time.

Save time to yourself, to be alone, to be in silence.

Never forget your friends and be as a good friend as you wish they could be to you.

Don't complain too much but never stop fighting for your rights.

Allow yourself some guilty pleasures but try to watch a film a day and read a book a week. 

Hate dogma.

Love freedom.

Learn by experience.

Believe in yourself.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Martírio maternal

O meu filho faz-me sofrer e sofrer muito!
Desde que aprendeu a apertar os atacadores, nunca mais os soube apertar em condições, se é que me faço entender. De manhã sai de casa com eles apertados, umas vezes por ele, outras vezes por mim, o que é logo garantia que durarão bem apertados durante as primeiras horas da manhã. Quando o apanho ao fim do dia, é raro eles estarem apertados. No percurso até casa, normalmente feito de carro, chamo-o à atenção para o facto de eu lhe ter ensinado como é que ele podia evitar tal situação: é que dizer-lhe "(nome dele), aperta os atacadores!" e "(nome dele)", aperta-os como eu te ensinei!" mais do que cinco vezes em cinco minutos, porque efectivamente eles estão lassos e rapidamente deslizam entre os nós (mal dados), é mentalmente saturante. E o que também me chateia é que ele gosta de andar assim, desleixado! Um destes dias cai, dá com as trombas nos degraus duma escada e nem assim vai aprender!

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Primeiro desgosto musical assumido

Recentemente, os LMFAO deram por terminada a sua parceria e o nosso petiz ficou algo abananado. "coitadinhos..." foi um dos termos usados. Mal sabe ele que não perde grande coisa.

Eu ainda não vi a Gabriela

E tu?
Mas já a ouvi, pois os vizinhos fazem questão de dar a conhecer ao prédio o som do genérico.

Passar horas sem pensar em horas

Não necessariamente de férias
Sem preocupações diárias
Mente a divagar sem pressas
Olhos a perscrutarem o campo de visão
Membros laterais superiores e inferiores
Movimentando-se ao ritmo duma brisa
Ouvidos alertas para o que rodeia
Olfacto sensível aos aromas e cheiros do local
Corpo totalmente relaxado
Não necessariamente deitado
Óculos de sol a disfarçar olhares indiscretos
Céu azul e limpo por cima
...

 É uma imagem bonita, sim senhora!

domingo, 23 de setembro de 2012

Ainda não foi desta que visitámos a nossa garagem

Em compensação, visitámos a Citânia de Briteiros, um aglomerado rochoso da época da Idade do Ferro, situado entre Braga e Guimarães, que aparece citado em todos os manuais de H.G.P. de 5ºano e onde os romanos deixaram provas das suas passagens por estas terras.
A ideia inicial era fazermos uma caminhada de cerca de 8,5 Km na zona, um percurso pedestre assinalado nas cartas e mapas da região. Contudo, eu estava com pouquíssima (leia-se, nenhuma) vontade de o fazer, o mais-que-tudo apercebeu-se da minha disposição para tal e o puto deu-nos a volta num instantinho. 
A tarde algo nublada e nada quente ajudou a que percorrêssemos todos os cantos do recinto, fazendo-me concluir várias coisas:
  • eu não gosto de fazer caminhadas em terrenos aos altos e baixos, com solo de pedras de tamanho e posição irregulares, onde facilmente se coloca mal um pé, o que poderá dar direito a entorse do dito cujo;
  • foi-me difícil imaginar a rotina daquelas pessoas, que só se entretinham com faladura, cultivo de terrenos, construção de casas minúsculas e redondas, aperfeiçoamento de armas em ferro e ....pouco mais, digo eu;
  • os mosquitos e moscas adoram a minha pele transpirada e colante; deve-lhes saber a mel; eu gosto menos deles do que eles de mim;
  • os balneários não eram nada práticos: banhos de vapor e banhos de água fria não fazem muito o meu género;
  •  a paisagem em redor da Citânia é absolutamente estonteante; como é que foi possível hordas e magotes de pessoal andarem a calcorrear aquelas terras, por entre vales, colinas, planaltos, rios, riachos e ribeiras, há tantos séculos, sem um único veículo motorizado?
  • Decididamente, eu estou a viver no século correcto.
No fim desta visita, os machos da família ainda tiveram ânimo e coragem para fazerem parte do PR2, o tal percurso de 8,5 Km, durante o qual puderam observar um esquilo e uma cascata de água límpida.
Já eu deixei-me ficar no carro, a descansar, para ser abruptamente desperta pelo telemóvel a tocar "sweet child of mine".

Confesso que já tinha saudades

E como a casa ainda está quente, ainda dá para andar com o pezinho ao léu, pernoca à mostra e roupa levezinha.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Tenho inveja do puto, a sério que tenho

O nosso descendente herdou, como é natural e expectável, características do pai e da mãe. Algumas das que ele não herdou da mãe e são marcantes da sua personalidade são a sua constante boa disposição, o seu bom humor, a sua capacidade de acordar quase sempre bem disposto e o entusiasmo que revela quando gosta de algo, mesmo que não seja prolongado no tempo. Gostava de ser assim, a sério que gostava.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Factos cá da casa que não interessam nem ao menino jesus

  • Há 2 quadros / puzzles expostos feitos, cada um deles, com 3000 peças pequeninas. Por obra e paciência do mais-que-tudo.
  • A cozinha branca está salpicada de amarelo, verde e azul.
  • O escritório, sempre desarrumado e com mobília de há que séculos, raramente é usado para efeitos de trabalho.
  • Fuma-se na varanda mais distante da sala-de-estar, que também tem varanda.
  • As casas de banho, ambas com loiça e azulejos brancos, são decoradas com toalhas brancas e azuis e brancas e rosa, a condizer com as cortinas de banho branca e azul e branca e rosa.
  • Em 14 anos que aqui vivemos, ainda não nos demos ao trabalho de comprar candeeiros em condições para os tectos. Há coisas mais importantes na vida.
  • Muitos panos de cozinha foram bordados por mim quando eu ainda via bem, sem óculos e sem lentes. 
  • O quarto de dormir dos fundos é mais quarto de roupas desarrumadas e caixotes e o que mais aparecer.
  • Há uma peça de estanho, presente de casamento de um casal de idade, ainda arrumado na caixa original, que por sua vez, está muito bem arrumada num dos armários de parede. Nunca foi mostrada a ninguém.
  • Perdemos as chaves de acesso ao piso "-1" e à nossa garagem.
  • Há 5 anos, quando lá estivemos da última vez, a garagem tinha lenha, uma botija de gás, muito pó e teias de aranha.
  • Um canto da parede da sala-de-estar está decorado com casinhas que fomos comprando nas lojas de souvenirs alentejanas e algarvias. Adoro este cantinho!
  • ...

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A tartaruga também viaja amiúde

Depois de dois meses de quase total liberdade, ao ar livre, sujeita às disposições meteorológicas, ao calor, ao vento, ao frio, ao escuro, ao amanhecer dum verão quente e seco, a um solo mais fofo, verde e relvado, a água salpicado ao sabor da rega automática das 7:30 da manhã, a tartaruga finalmente regressou a casa. Não posso dizer que regressar a uma tartarugueira com água, onde lhe é servida comida variada diariamente, seja melhor que o cenário acima descrito. Mas é o que se arranja nas circunstâncias familiares actuais.

domingo, 16 de setembro de 2012

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Ai o Cara******!

Hoje não fomos dar a caminhada nem andar de bicla ao final da tarde, por motivos profissionais meus e escolares do petiz, que chegou tarde e a más horas a casa! Além de me sentir irritadiça e cansada, também me sinto culpada por não ter cumprido com o hábito. Ora isto sim, é novidade para mim!

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Dói-me o rabo

Os selins das bicicletas deviam ser almofadados e passíveis de serem personalizados, no que toca a cores e materiais que suportam o bumbum. É que mesmo que só se dê uma volta aos campos da Rodovia, aquele assento deve ficar bem marcado nas nádegas duma pessoa. Como não consigo ver-me, limito-me a sentir um ligeiro mal-estar, que rapidamente é ultrapassado quando me afasto, a arfar, da dita cuja do petiz. A sério, Ness e Vera, e mais recentemente, Riquinho, eu não sei como é que aguentam tantas horas em cima daquilo! É coisa para deixar uma mulher com vontade de ser massajada localmente!
(Tou p'ra ver quem vai mandar a primeira piadinha de 2 rodas!)

Irritações - XIV

Aquelas assinaturas ou rubricas que ultrapassam, em altura, o sítio que lhes é destinado, invadindo descaradamente o sítio do assinante de cima e/ou de baixo. Que mania!

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Às segundas e às sextas

Calhou-me a sorte grande!
E mais não digo, pois ainda acho bom demais e também acho que alguém se enganou e que mais cedo ou mais tarde, darão pelo engano. Vou calar o bico e deixar andar e ver até quando dura, se por um mês, se até Julho de 2013!

O que nunca pensei vir a escrever, quanto mais a desejar

Desde terça-feira passada, dia 4, que temos ido fazer umas caminhadas ao final da tarde. Aconselharam-me a começar com uns passeios levezinhos, de 15 minutos, ao qual eu respondi que para isso não saía de casa. Entre caminhadas, exercícios e paragens para ver as vistas nos campos da Rodovia, paragem nos parques de manutenção para alongar pernas e braços e tonificar músculos de ambos e conversas pelo meio, a coisa tem corrido bem e nunca demorámos menos de hora e meia a chegar a casa.
Ontem de manhã, antes das 9, lá tocou a alvorada, o mesmo é dizer que eu, sim, eu (!), lá puxei o pessoal para sairmos e dar uma voltinha a pé. Conseguimos sair pouco depois das 9:30, parámos para tomar o café da praxe e regressámos por volta das 12:10, com uma vontade enorme de devorar um leão!
Nos entretantos, o que fizemos nós? Andámos, muito, suámos, muito, houve quem corresse à volta dos campos e eu montei a bicla do puto para fazer o mesmo e deu-me vontade de ter a minha própria cá em Braga. (Na próxima ida à aldeola, trago a minha!) Demos a volta ao Continente e regressámos a casa, não antes de, finalmente, termos parado na fonte construída em 1773, para beberricar uns goles de água fresquinha, que tão bem soube. 
As pernas chegaram a casa feitas num oito, eu não consegui não dar uma cochilada a meio da tarde, mas posso afirmar que tem-me sabido bem.
Hoje, começou uma fase nova, em termos escolares e profissionais. Veremos se, pelo menos esta semana, ainda dará para continuar com este ritmo e esta vontade. Eu gostava.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Acho que tanto o título como o texto têm mais de 140 caracteres, e como são longos, tanto texto como título não são interessantes nem agradáveis de dar uma vista de olhos para um leitor mais incauto que caia aqui de paraquedas

Um destes dias, o meu fornecedor de links interessantes, aka Riquinho para quem é da casa, mandou-me um com um texto acerca das redes sociais, do facebook e twitter em particular. Eu tenho conta no facebook, nunca tive no twitter e espero continuar mentalmente sã para nunca abrir uma. 140 caracteres não chegam nem para escrever alguns dos meus títulos, quanto mais o que me apetece! Quanto ao facebook, abri conta por influência duma pessoa que nunca vi à minha frente nem conto ver antes de morrer, mas nunca se sabe. De qualquer modo, é algo que raramente uso. Não lhe acho piada nem utilidade. Aliás, chateia-me ainda receber algumas notificações sobre assuntos que não procuro. Da última vez que fiz anos, fui bombardeada pelos meus contactos de lá. Claro que gostei, mas questionei-me se, caso não tivessem sido digitalmente avisados, se teriam recordado do meu dia. Duvido muito. E ainda não lhes agradeci via facebook nem conto fazê-lo. Sou anti-social, que hei-de fazer? E eu que há uns anos era frequentadora de salas de conversação online e vibrava com as novas amizades que por lá se faziam! Inclusive cheguei a ir a um jantar de chatters, no Porto, pessoal que nunca mais vi mais gordo.
Mas voltando às redes sociais...
Na perspectiva do autor do tal texto, estas servem basicamente para que as empresas por detrás das páginas sondem os gostos do pessoal que por lá anda, para coscuvilharem com o intuito final de conseguir comercializar algum produto que nem sequer era necessário ou atraente, mas de repente passou a ser para milhões de pessoas. É possível que esta ideia seja uma verdade acerca destas redes. Eu continuo a gostar de tocar, cheirar, olhar de perto o produto que quero comprar. Até já desisti de fazer compras na Vertbaudet! (Já são poucas as roupas de lá que servem ao meu petiz, de qualquer modo). O senhor afirma ainda que nas redes sociais não se criam amizades, fazem-se "allies", aliados. E eu acho que ele tem uma certa razão: convive-se com pessoas através duma máquina, conhecem-se os gostos uns dos outros, os ódios, as preferências e sei lá que mais. Mas a quantas pessoas das redes sociais recorreríamos para nos ajudar a resolver um problema grave, de saúde ou dinheiro, que precisasse de resposta imediata? Sei que o Carlos Martins e família receberam imenso apoio depois de terem partilhado o que se passava com o filho. Mas será que se pode chamar "amigo/a" a cada uma das pessoas que se solidarizaram com a situação? São amigos, sim, mas a um nível diferente dum amigo que se conheça há anos e de cujo cheiro ou sorriso ou hálito matinal horroroso nos recordemos. São amizades artificiais, com origem numa situação urgente, esporádica e, espera-se, única na vida duma pessoa.
É mais ou menos como esta cena dos blogues. Criamos afinidades com este e com aquele, lemos os blogues uns dos outros, comentamos, discordamos, brincamos, odiamos, formamos a nossa rede social de leitores / escritores, mas quantas destas pessoas são realmente nossas amigas? Quantas destas pessoas estaríamos nós dispostos a ajudar sem ser apenas com palavras escritas? Quantas destas pessoas se aperceberiam que tínhamos estado num hospital, inesperadamente, a não ser que viéssemos aqui escrever sobre tal?
Claro que me dá prazer estar aqui a escrever para ser lida e ler os outros. Não só gosto da atenção que aqui recebo, como a minha costela de cusca delira com as novidades que alguns e algumas bloggers deixam sair cá para fora. Gosto de saber que as pessoas andam bem e felizes. Também gosto dos seus textos mais lacónicos, azedos e sem papas na língua. Mas ainda não me considero amiga deles e delas todos, não na minha acepção de amizade. Falta-me ver os sorrisos e as lágrimas, tocar-lhes na pele, apanhar-lhes os tiques que não revelam na escrita, ouvir-lhes o tom de voz e concluir do seu humor do momento. Se é possível apreender tudo isto dum texto? Possível é, mas não é a mesma coisa.
Resumindo, as redes sociais, dos quais os blogues são apenas um raminho pequeno, são também uma ilusão de amizade alimentada por nós todos, dão trabalho a muita gente, lucro a mais alguns, dissabores a uns, alegrias a outros e entretenimento a milhões. Por isso é que eu ainda aqui ando.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

13 anos

Há 13 anos o meu cunhado fez 30 anos. Data deveras assinalável! Calhou a um sábado e a noite acabou com uma tempestade de verão, curta, mas suficientemente molhada para arrefecer os ânimos. 
A juntar aos 9 anteriores, façam as contas. É mesmo muito ano, mais de metade da minha idade!

Camilla Läckberg e A Princesa De Gelo


Sueca de nome e origem, é quem tem estado na mesinha de cabeceira, à espera de ser devorada com todas as letras! Estes policiais suecos dão cabo das minhas noites!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

As sardinhas ou do fascínio delas - para o Riquinho

Brilhantes, frescas e bem assadas,
Salgadinhas e esturricadas,
Batem aos pontos as ostras,
Não interessam as amostras.

Comidas e degustadas à mão
Ou de faca e garfo, como eu faço,
São iguaria para um lambão
E prelúdio de um grande abraço.

Da cabeça ao rabo,
Depeladas com cuidado,
Para os lombos não estragar 
E a cabeça bem chuchar.

Batatinhas e pimentos
Servem de acompanhamento.
Em noites quentes de verão
Não há melhor para o coração.

sábado, 1 de setembro de 2012

A ignorância é uma benção.

O pior é quando se descobre que algo nos falta e não fazemos ideia onde poderá estar tal coisa nem como ou onde desapareceu.
Os documentos do carro não estão no carro. Se não tiverem ficado no local onde este foi lavado, ontem, após o regresso de férias, significa que andámos descansadamente sem eles cerca de 5 ou 6 semanas, pelo menos. Santa ignorância que vai atrasar a minha vida por um dia, pois assim só poderei regressar à base na segunda de manhã!