quinta-feira, 30 de março de 2017

Penúltima audição de piano


Talvez a melhor de todas, apesar da inexistente prática domiciliária.
O pós-audição é sempre um momento de alívio, bem reflectido na sua postura física e expressão facial.
É pena eu saber o que vai acontecer em Setembro e gostava muito de estar errada, quanto a esta sua decisão!

terça-feira, 28 de março de 2017

Eu também tenho muitos telhados de vidro...

...mas há situações que acho ridículas e nada abonatórias da e na parentalidade. E tenho olhos na cara e cabeça para pensar.
Pergunto se há necessidade de modificar um carrinho de bebé e anexar um suporte de tablet / telemóvel (como aqueles que se colocam no tablier dum carro) para que a criança, que não tinha mais de ano e meio, pudesse visionar no ecrã o que quer que seja, enquanto passeia empurrada pelos pais?
A sério!

sexta-feira, 24 de março de 2017

Má, às vezes, e mandona

Confirma-se tudinho! Sou!
E mesmo assim, ainda nos rimos juntos e aprendemos juntos e trabalhamos juntos e eu gosto muito deles e delas, apesar de muitos deles e delas não darem uma p'rá caixa na área que lhes tento ensinar. Pronto. Acabou-se a lamechice por hoje.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Update da minha saúde

Tenho uma tendinite na parte superior - ombro do lado direito. E umas coisas esquisitas na mama direita. E na axila. Mas não digo o nome porque não é grave. Para já. E sofro de "efeito de bata branca", pelos vistos.
Menos mal, podia ser pior...

A viúva negra

Acabei há 3 dias de ler o livro que previa o que aconteceu ontem em Londres. O medo impera e não é fácil de superar.
Ando agarradinha ao autor, salvo seja!

terça-feira, 14 de março de 2017

Manter o T

O título foi o que o rapaz de 15 anos cá de casa disse ontem, a rir-se, a propósito de algo que não referirei para já.
Mais alguém conhece esta expressão? E se não conhecerem, conseguem adivinhar o seu significado? Cheguem-se à frente e especulem, sim?

quarta-feira, 8 de março de 2017

Pura teimosia e desnecessidade

Sim, não existe tal coisa (ERRATA: AFINAL EXISTE!), mas se outros inventam inverdades e factos alternativos, eu também posso dar azo à minha verborreia.

São as únicas razões que me levam a não trocar de telemóvel pré-histórico para um semi-inútil smartphone. Enquanto isso não acontece, contento-me em alterar a música avisadora de mensagens para a seguinte bomba e esperar que o dito cujo aparelho não toque em momentos inapropriados:


sexta-feira, 3 de março de 2017

Resumo do dia

  • Foi um péssimo dia, devido às condições meteorológicas.
  • A Casa da Música, por dentro, não me impressionou nem um pouco. Talvez me faça falta assistir a um concerto na Sala Suggia que me faça mudar esta primeira impressão.
  • Os miúdos portaram-se bem em contextos que fogem da sua rotina diária. A M. não parou um minuto de falar durante a viagem toda. Não se cansou de tal, mas sentiu muita sede. Não, não estou a exagerar quando digo que falou a viagem toda sem interrupções.
  • Gostei de andar de barco e pensar que a bola de canhão foi expelida precisamente no momento em que eu toquei na água. Coincidência do caraças.
  • E lá continuamos com um Inverno frio e chuvoso.