segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Post em directo da santa terrinha

A verdade é que tenho vindo cá, este ano, menos frequentemente do que em anos anteriores. Olho para novas caras que não conheço, mas possivelmente têm pais que ainda conheço de outros tempos. Vejo edifícios modernos a serem construídos e lembro-me de pensar que gostaria de ter uma casa para habitação ali, precisamente ali. Constatamos que o nosso filhote, com 15 anos, é cliente do mesmo barbeiro (ou é cabeleireiro?) há 14 anos. A minha escola secundária não é já a minha escola, de tão diferente que está com a sua cara lavada. O sabor das couves daqui continua diferente, para melhor, das couves lá de cima. A casa da minha recentemente falecida Avó será brevemente vendida, após uma refeição de confraternização, a realizar lá, entre os restantes elementos da família. O horário de trabalho começa às 8 da manhã enquanto que lá em cima o rodopio de trânsito acontece em função das 9 horas.
E eu continuo emocionalmente dividida, sem saber muito bem se pertenço cá ou lá.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Almoço bem acompanhado

Na mesa ao lado onde estava sentado o sósia deste jogador, que também é jogador:
Com a diferença que o cabelo era mais claro e os olhos eram verdes. Um verdadeiro prazer só de olhar!
E sim, fui descarada o suficiente para lhe perguntar se era o próprio, ao que ele declarou "Quem me dera!".
Corei que nem um tomate!





segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Em 21 anos de profissão, nunca tal me tinha acontecido

Sem mais detalhes: um aluno pediu-me desculpa, por e-mail, por ter copiado no último teste, por um colega. E acrescentou que, se eu tivesse que castigar alguém, que o castigasse a ele, pois o colega não tem culpa nenhuma. Não há alunos assim!

E poderia escrever muito mais sobre esta situação, que merece de minha parte uma resposta educada, e o aluno vai tê-la. Aqui, é que não quero nem devo partilhar mais nada.

A não ser que a situação vai ficar para a História, a minha história.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

O meu acompanhante

Acompanhou-me durante 24 horas consecutivas, bem contadinhas. Bem juntinho do meu corpo, da minha pele, do meu coração. Abraçou-me, enlaçou-me e avisou-me. Não me abandonou enquanto dormia, não fez birras, não se desligou de mim. E contudo, eu achei-o um grande incómodo! Amanhã devolvo-o a quem de direito!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

E então, que contam vocês?

Eu cá estou à espera que chova. Diz-se por aí que será um ano de seca e não convém nada, por variadas razões.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Régua

Aquilo começou muito mal, de lado a lado. Foram 30 minutos entediantes, sem que ninguém, nosso ou deles, tivesse um laivo de inspiração. Eles caíam imenso e devem ter gasto o stock de gelo da terreola; os nossos pareciam umas lesmas sem pontaria. Lá se lembraram de pôr o pé ao pedal 15 minutos antes do fim e a coisa lá se compôs a nosso contento.
Valeu pelo passeio e pelo convívio, pois nem o cabrito assado correspondeu à fortuna paga.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Insólito

Desapareceu um dos meus guarda-chuvas que tinha sido colocado por mim à porta de casa, do lado de fora da porta, quando cheguei. O que é estranho é que vivo num 2º andar, ao qual se acede pelo elevador do prédio ou pelas escadas do prédio. Para aceder à área comum do 2º andar pelas escadas, é preciso abrir a porta que existe entre estas e esse átrio.
Mas quem raio é que vem cá acima e faz desaparecer um objecto que não lhe pertence? Mistério...
Estou chateada, pois claro que estou!

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

E férias de verão, que tal? Com esta chuvinha, sabia mesmo bem

Ocorreu-me agora mesmo que este ano, lá p'rAgosto, quero ir de férias para a praia. Para a praia a sul onde habitualmente arrendamos uma casa para sete pessoas, algo que já não é feito há uns quatro anos. Os miúdos cresceram, logo os berros das mães e os amuos e maus feitios dos descendentes deverão ser em número menor. Digo eu, que me engano todos os dias, sei lá...