quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

O dia de amanhã

Até tremo só de pensar no que poderá sair daqueles envelopezinhos. Se dependesse só de mim, a minha médica de família não teria trabalhinho nenhum!

Ventos de mudança

Ando a pintar as unhas de 2 em 2 semanas e só o faço com esta frequência porque me farto da cor e não porque a pintura se estraga. Lavar a loiça, usar esfregão de aço, lavar as mãos, fazer trabalhos manuais...nada disso tem afectado o verniz, que é de facto milagroso para quem, até há 3 ou 4 meses atrás, acharia impensável a adopção deste hábito de beleza feminino. Um destes dias até apareço com as unhas pintadas de azul ou verde, vão ver!

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Django e o meu pai

O meu pai informou-me, há poucas horas, de que tem o filme numa pen (sim, ele usou este termo) à espera de ser visionado no próximo fim-de-semana. Ele tem 72 anos. É estranho saber que ele, por intermédia pessoa, conseguiu o que eu ainda não tinha conseguido.

Go Figure

Nunca fiz questão de acompanhar "Os Idolos". E agora ando "apanhadinha" pelo "The Voice". O que é que este tem que o outro não tinha? Alguém que me explique, se faz favor, porque o "bad boy" Adam Levine não é justificação suficiente.

O meu filho é melhor do que a mãe dele

Porque, impulsiva e inesperadamente, oferece, com alguma frequência, a sua ajuda a estranhos por quem passa na rua, mesmo tendo que deixar a meio a conversa que vinha a ter com a mãe dele, que por sua vez, fica a falar sozinha e estupefacta quando se apercebe do porquê.

O jardineiro

Ou porque é que a Coca-Cola faz bem à saúde.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Razão parental versus emoção maternal

Venceu a primeira, após conversas com terceiros. Eu era uma das vozes que puxava para trás, no meio de tantas mais que puxavam para a frente. É daquelas decisões que só a longo prazo saberemos se foi a adequada.

Apetecia.me

...
(Há segredos que se devem manter assim.)

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Irritações - XIX

A loja Primark, tão popular aqui em Braga e suponho que por esse país fora.
Os preços são atraentes, por todas as razões e mais algumas e ainda mais na conjuntura nacional actual. A variedade é imensa, de peças, de cores, de tamanhos, logo é mais um factor a favor.
Mas irrita-me a pequenez dum espaço tão amplo, pois para caberem tantos produtos, rouba-se ao espaço de circulação dos potenciais clientes - e isto é algo que sempre me irritou numa loja, pois detesto andar aos encontrões às pessoas ou passar o tempo a ter que afastar peças para poder ver outras.

domingo, 27 de janeiro de 2013

Sala preta

É preciso perceber que eu fui ao Hotel Meliá de Braga em trabalho, a um sábado de manhã, quando o que me apetecia mesmo era estar na cama. Não houve visitas guiadas aos quartos, comandadas nem pelo director geral do sítio nem ninguém bem apessoado, if you know what I mean. Portanto, as breves incursões que fiz pelos espaços a que acedi foram por minha iniciativa, sempre receando ser advertida por alguém de serviço. Nunca aconteceu.
As escadarias de mármore branco que dão acesso ao piso imediatamente superior, onde se situava a tal sala negra, quase cegam uma pessoa e vi-me subir degrau a degrau sempre a olhar para baixo, para não tropeçar e fazer figurinha ridícula em tal ambiente de luxo e impecavelmente limpo, sinal de que eu seria mais uma saloia naquele sítio a que não pertenço. Ora, uma pessoa deve andar com uma postura segura, confiante, mas não foi o meu caso naqueles 20 ou 30 degraus. 
Nos diversos espaços por onde passei havia amostras de natureza diversa: jóias, relógios, vestidos de noiva, lembranças de casamentos e baptizados, roupas de bebé...tudo esplendoroso e, acredito, a darem algum rendimento extra, pelo aluguer do espaço, ao hotel. Nada contra, afinal estamos em crise e qualquer ideia é bem-vinda. Numa sala deste primeiro andar estavam a organizar um evento que me pareceu ser um futuro desfile de vestidos de noiva, a julgar pelos expositores, holofotes e a passerelle presentes na sala, bastante ampla, com um pé direito bastante alto e bastante iluminada, naturalmente iluminada, devido às grandes vidraças daquela ala.
Ora, nem era bem ali que eu deveria estar, por isso dirigi-me em sentido contrário e apresentei-me a quem de direito que, simpatica mas erroneamente, me informou que já tinha contactado com a minha superior na escola. Mentira, nem tinha ainda nem acertou no nome da pessoa. Tive que o corrigir, o que, para um representante duma empresa que quer vender algo, não fica lá muito bem. Mas errar é humano e perdoei-lhe a gaffe. E não, ele não era uma pessoa bem apessoada.
Ora, esta pessoa mal apessoada conduziu-me à sala negra. Contrastava com tudo o que tinha visto até agora: paredes pretas, carpete preta com motivos verdes, iluminação pendente artificial, nenhuma janela para o exterior ou interior e nenhuma decoração. Presentes estavam um projector, um ecrá branco, cadeiras cinzentas e 5 mulheres que, pensei eu, iriam apresentar o produto em questão. Errado! Apenas uma falou, durante cerca de hora e meia, de parte dum projecto que ainda só está alinhavado e ainda não tem nome. E durante quase hora e meia eu questionei-me quando é que as outras senhoras - todas devidamente apresentadas ao público presente - iriam pôr a boca no trombone. Para meu alívio, o final da apresentação chegou e estas senhoras não falaram. 
E ainda bem, pois quando saí do hotel, à hora prevista, estava um sol esplendoroso e um céu azul lindo do morrer, a reflectir na piscina exterior que hei-de visitar um destes dias.

(Googlem imagens do hotel e já terão uma ideia do sítio por onde andei.)

sábado, 26 de janeiro de 2013

(A) Meliá

Pois hoje fui visitar o edifício que se vê do meu 9ºandar, que, visto a esta altura impressiona e mais impressionou por altura do Natal, quando tinha um laçarote vermelho e azul a "embrulhá-lo". 
Do que mais gostei, além da decoração sóbria, a preto, branco e verde, e algo luxuriante para aquilo a que eu estou habituada, foi a área exterior, que não se vê da variante do Fojo - é preciso sair do carro para reparar no jardim extenso e nas piscinas existentes em frente ao hotel, abaixo do nível da estrada.
Um destes dias faremos a vontade ao petiz e pernoitaremos a 500 metros de casa. Lá terei que arranjar um daqueles vestidos todos pipis e quiçá dar uso ao meu par de saltos altos.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Prognósticos para o fim-de-semana

Entrar em casa por volta das 14:30 da tarde de sábado e voltar a sair apenas na segunda por volta das 8:20 da madrugada. Nos entretantos, mandriar muito no quentinho :)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Sua Burridade

Regresso aos mercados, dívida externa, spreadings, PIBs, taxas de juros, credores, confiança, bolsa de investidores, dívida pública, emissão de dívida, obrigações do tesouro, ratings, mercados sustentados, resgate, venda de dívida....

Foda-se lá para os comentadores e peritos em finanças e economia dos telejornais...não é possível explicar a coisa dum modo mais simples, de modo a que qualquer português entenda? É que eu não percebo patavina do que aqueles engravatados querem dizer.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Mais um daqueles devaneios e este é quase pornográfico

Então hoje lá fui fazer aqueles exames médicos chatos que as mulheres devem fazer a partir dos 40 anos, até antes, em certos casos. Ora eu, como é sabido, detesto tudo o que envolva visitas a médicos, sejam dentistas, dermatologistas, otorrinolaringologistas, ginecologistas (a minha, contudo, é um doce de médica!) ou outro especialista qualquer. A questão que me ocorreu hoje, enquanto tinha uma sonda enfiada no meu pipi foi a seguinte, que exporei, após dizer que estava deitada numa maca, totalmente nua, de barriga para cima, coberta com uns farrapos azuis e brancos, de braços por cima da cabeça, mamas ao léu e cheias de gel: será que, se me apetecesse mandar uma bufa naquele preciso momento, eu seria capaz de controlar o ânus, de modo a evitar passar vergonhas perante uma especialista que vê, ouve, cheira e sente coisas estranhíssimas todos os dias?

O meu pipi

Detesto quando pessoas alheias ao serviço mexericam nele, mesmo que por razões médicas.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Devaneios idiotas

Enquanto estava pendurada ao telefone, com o bocal assente entre o ouvido esquerdo e o ombro esquerdo, a ouvir uma voz masculina bastante jovem e agradável a pedir-me desculpa de minuto em minuto por ainda não ter sido possível atender o meu pedido, ocorreram-me as seguintes questões: qual a posição de trabalho das e dos profissionais de sexo por telefone? onde é que o colocam (sim, eu sei que não é entre as pernas)? têm algum guião decorado por onde lêem o que proferem?

Alguém sabe responder? E não, não estou a gozar com nada.

O meu estado actual: pendurada

Chamada iniciada às 10:15.
Terminada às...

"Ainda não nos foi possível atender a sua chamada. Por favor, aguarde."

Adenda: Eu desliguei às 11:06, após ter descoberto o galho. Erro meu! GRAVE!

domingo, 20 de janeiro de 2013

Irritações - XVIII

Centros comerciais apinhados de gente com imensas sacas, saquinhas e saconas, que devem pensar que os outros são invisíveis e por isso decidem abalroá-los. A sério, fico mesmo com cara de poucos amigos, resmungona (ainda mais) e de mãos a abanar. E quem atura o meu mau feitio neste contexto, quem? Pois...Nada como uma manhã à semana para visitar antros de consumo. Só para quem pode, claro.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Foi mesmo assim, entre ontem e hoje

Nunca pensei que alguém conseguisse dormir 17 horas seguidas. E acordar com uma fome do caneco! Quando o normal é apenas beber uma chávena de leite, de madrugada (entre as 7:10 e 7:30), apenas porque se sabe que o corpo precisa.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Irritações - XVII

Os espanhóis têm o condão de me irritar quando logo de manhã, em plena aula e em voz suficientemente alta, começam a discutir um derby de futebol, que ainda não aconteceu, entre espanhóis e marroquinos
Mas que raio é que eu, adepta benfiquista assumida, tenho a ver com esta malta minhota? E por muito que lhes diga "Nem quero saber", não há meio de aprenderem!

Posso dizer? Posso, posso?

Para os meus 41 anos, em Agosto, gostaria de ter uma mochila. Pronto. Podem bater-me! Escusado dizer que já dei entrada do pedido a quem de direito.

To ease the mind


terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Foi-se

40 anos de vida, curtos.
Aspecto de cachopa.
Mente jovem.
Sofrimento precoce.
Meninges com metástases.
Nada mais a fazer.
Nada a dizer.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Detalhes cá da casa - III

E esta é mais uma obra-prima, desta vez do mais-que-tudo, que é o único que tem paciência para construir puzzles com 3000 peças. Há vícios piores.

Detalhes cá da casa - II

Uma das minhas obras-primas de quando eu ainda via alguma coisa sem acessórios de silicone ou lentas duplas.

Detalhes cá da casa - I

Isto é uma das portas. Adoro o optimismo subjacente que contradiz o meu pessimismo actual.

sábado, 12 de janeiro de 2013

Olha, é possível, caso eu autorize, que a minha fronha apareça por aí

 (Cópia dum e-mail que chegou ontem)

"Caras colegas, caros colegas
Dada a qualidade dos trabalhos apresentados pelos formandos aquando da ação de formação realizados no âmbito do do Programa XXXXXXXXXX, decidimos que a sua divulgação teria a maior pertinência para apoiar outros XXXXXXXXXX nestas matérias, contribuindo assim para o sucesso escolar e educativo dos XXXXXXXXXX.
Nesse sentido, pretendemos a sua autorização para integrar num e-book o trabalho que elaborou, dada a sua qualidade e excelência reconhecida pelo formador(a) e pela Comissão Pedagógica deste Centro.
Agradecíamos desde já a celeridade da sua resposta para este endereço eletrónico e, caso esta seja afirmativa, se nos envia uma fotografia tipo-passe para que o e-book seja realizado de uma  forma mais personalizada, de acordo com o nosso Registo Editorial que temos vindo a apresentar e que, com toda a certeza, é do vosso conhecimento.
Gratos pela disponibilidade e atenção.
Com os votos de um Bom Ano."
 

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Não sei quem corou mais, se eu, se ele

Ontem fui chamada para esclarecer uma dúvida, durante uma aula. A minha reacção foi olhar para o rapaz e proferir "Sim, 'mor, diz". Tarde demais quando me apercebi do que tinha dito e sinceramente não sei quem ficou mais encavacado. É daqueles momentos que não queremos que se repitam numa carreira que durará eventualmente até aos meus 67 anos (Até dói pensar em mim com esta idade!).

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Dilemas, só dilemas!

Não sei se escreva sobre o facto de, hoje, o Sporting ter ganho e perdido em simultâneo, se descreva o ambiente explosivo que se sentiu e viveu no meu local de trabalho, à conta dumas sugestões externas de quem paga as minhas contas mensais.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

É só o meu ou...

... o vosso monitor também está enfeitado com post-its de cor amarela, azul, rosa e verde, bem alinhados na vertical, do lado direito? Poupa-se um bocado em papel realmente...

domingo, 6 de janeiro de 2013

Irritações - XVI

Posts com gifs animados. A sério!

O que me apraz dizer sobre o The Hobbit

  • Contém muito mais humor do que a Trilogia anterior-posterior.
  • Em alguns momentos, notam-se bem os cenários artificialmente criados pelos efeitos epeciais.
  • A Nova Zelândia continua apetecível de visitar e dar umas longas caminhadas por aquelas montanhas.
  • A ligação entre o aniversário de Bilbo e este filme está bem conseguida, recordando-nos da festa que entretanto decorrerá 60 anos depois.
  • O actor que personifica Gandalf está mais velho hoje do que 60 anos antes dos outros três filmes.
  • A dupla personalidade do Smeagol varia entre o maléfico e o hilariantemente infantil.
  • Os trolls são tão estúpidos que nos fazem rir bastante, ao contrários dos Orcs que continuam a ser seres nojentos e assustadores.
  • Os 13 anões mostraram-se frequentemente corajosos, apesar de submissos, à altura do seu rei algo arrogante e presunçoso, que finalmente é capaz de reconhecer o valor dum ser supostamente medricas e menor.
  • Gandalf mostrou sempre ser um mago ardiloso e com algo escondido na manga, sempre irrealisticamente resolvedor de situações que pareciam irreversivelmente perdidas.
  • O feiticeiro castanho foi o percursor dos viciados em cogumelos psicadélicos.
  • O final deixa-nos a desejar pela continuação. Um ano à espera do que aí vem é capaz de ser demais.
  • Saruman já mostrava ser intrinsecamente mau e céptico, nesta altura.
  • Notou-se uma ligeira tensão sexual entre o velho Gandalf e a sempre nova Lady Galadriel.
  • Tolkien nunca deixará de ser um dos escritores reveladores duma soberba imaginação e um domínio lexical fora do comum.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Detesto usar óculos - à excepção dos de sol

Felizmente hoje à noite estará tudo às escuras e estaremos todos no mesmo barco. E tudo para fazer a vontade ao mais-que-tudo, que não consegue esperar mais uma semana. 

(E depois as mulheres é que são impacientes e querem tudo para aquele minuto...)

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

P.S.: I Love You

Acabadinho de ver e eu lavada em lágrimas, baba e ranho, destrona completamente o Notting Hill do seu primeiro lugar da minha lista de filmes lamechas. É que os outros já nem sequer têm hipóteses. Então a cena final, de regresso à Irlanda, acabou comigo. Totally!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Bom Ano Novo!

Dito 30 000 vezes aos colegas de trabalho, cada vez que se passava por alguém que ainda não se tinha visto após o Ano Novo, não faz com que o sentimento de desalento e pessimismo desapareça. Bem pelo contrário, é algo hipócrita!

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Pronto, só para abrir hostilidades, aqui vai uma algo brejeira

Ao aproximar-se do balcão da recepção de um hotel, um homem, ao virar-se, esbarra o cotovelo no seio de uma linda mulher. Meio sem graça, meio envergonhado, ele diz:
            - Mil desculpas. Se o seu coração for tão macio como o seu seio é, tenho a certeza de que me perdoará.
Responde a mulher:
            - E se o seu pénis for tão duro como o seu cotovelo, o meu quarto é o 1221.

           
Isto sim, é saber perdoar!