sábado, 29 de setembro de 2012

Uma vergonha!


Sou oriunda do distrito de Aveiro, a minha cidade-natal não dista mais do que 25 Kms da capital de distrito e em 40 anos de existência nunca andei num moliceiro. Não é por falta de insistência do petiz, é mesmo porque "Aveiro é tão perto, fica para outro dia". E esta razão tem sido válida para tantas outras coisas na minha vida, um adiar constante de situações relativamente simples de concretizar...

10 comentários:

  1. "Santos da porta não fazem milagres"... esta é velhinha e bem verdadeira.

    Beijocas ^^

    ResponderEliminar
  2. Aquariana, é o caso, no meu caso. :)

    ResponderEliminar
  3. E então? Foi hoje que andaste de moliceiro? Ou fizeste alguma das outras coisas que tens adiado?

    ResponderEliminar
  4. Não, nem hoje nem ontem! Mas ontem fiz uma coisa que nunca tinha feito e já tinha ido àquele sítio centenas de vezes, desde que abriu :)

    ResponderEliminar
  5. "já tinha ido àquele sítio centenas de vezes, desde que abriu" parece-me algo extremamente positivo e nada que eu não tenha já feito também :-P

    ResponderEliminar
  6. Foi bonito :) E aposto que estamos a falar de sítios diferentes :)

    ResponderEliminar
  7. Quando visito a tua cidade almoço num restaurante japonês na avenida principal (junto à rotunda da ria)... e que bem que se come !

    ResponderEliminar
  8. JOTA, Aveiro não é a minha cidade; a minha é mais ao lado. Mas sei a que restaurante te referes, apesar de nunca lá ter posto os calcantes. De qualquer modo, comida japonesa não faz o meu género. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de sushi e de todos aqueles rolinhos de arroz com recheios inomináveis. E de brincar com os pauzinhos :-)

      Nota-se que hoje não me apetece fazer nada?

      Eliminar
  9. Eu não gosto de sushi, mas gosto de brincar com os pauzinhos. :)
    Nahh, nada diferente do que é habitual em ti :P

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.