segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

É sincero

Sem conseguir fugir ao cliché, desejo a todos os que aqui caem de paraquedas e aos outros um excelente ano de 2008.
Vou ali enfardar marisco de Moçambique e volto para o ano...'téjá.

sábado, 22 de dezembro de 2007

domingo, 16 de dezembro de 2007

Sabem o que aconteceu no ano em que nasceram?

Eu agora já me lembro de tudo! Até de ter nascido a uma segunda-feira.

Substituam "1972" pelo vosso ano de nascimento e aculturem-se :P

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Imperdoável, pah!

Esqueceste-te de me avisar que o meu blog faz HOJE precisamente dois anos de existência. Onde é que andas com a cabeça? :P

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Ora bem...

...parece-me que vamos ter um novo elemento na "família". Vamos ver quanto tempo por cá fica. Amanhã já saberei. A confirmar-se, não auguro temporadas nada calmas!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Sou uma sortuda

Há uns dias atrás, era diariamente informada, várias vezes ao dia, via e-mail, de que tinha ganho a lotaria do UK (Reino Unido). Esta semana sou a feliz contemplada da lotaria irlandesa. Haverá aqui alguma mensagem subliminar, do tipo (linguagem dos adolescentes de hoje), tens que emigrar para terras de Sua Majestade?


Maldita praga! Com tanta gente idiota que anda aí à solta e não há ninguém capaz de acabar com o spam. Arre!

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Chover no molhado

Aviso pré-post: este vai ser um post presunçoso que poderá eventualmente reflectir - pensarão vocês - alguma pseudo-superioridade de minha parte. E perguntarão: "Afinal, quem é esta fulana que vem para aqui armar-se em senhora doutora professora?"
Que fique bem claro que me estou a marimbar para o que pensam ou já pensaram ou ainda irão pensar de mim. Não quero saber! Publico o que me apetecer, quando me apetecer.
O conteúdo seguinte anda a matraquear-me o cérebro já há algum tempo e acho que está na hora de dar uma liçãozinha a algumas das pessoas que por aqui já passaram e até vão deixando comentários, e as que ainda irão passar, pouquíssimas actualmente. Não citarei nomes, primeiro, porque nem sequer me vou dar ao trabalho de voltar "atrás" e ver quem escreveu o quê e onde; segundo, porque aqui somos todos anónimos (pensava eu) e apesar disso, a carapuça há-de, com certeza, servir a alguns. A mim servirá quando, depois deste post, me apontarem o dedo e me disserem: "Olha ela, a defensora da Língua Portuguesa errou". E erro, com mais frequência do que a desejada, principalmente no que toca ao uso de acentos em verbos num determinado tempo verbal. E fico sempre na dúvida se leva ou não leva...e não leva!
Um dia destes, numa conversa qualquer de Msn, eu escrevi "cuzinha", em vez de "cozinha". Bem...se tivesse visto a minha cara ao espelho, dava-me o tilt! "Como é que é possível?!", pensei eu. Mas foi possível, e aconteceu, por isso em mim bato...também!


Então aqui vai disto...
  • Há - forma do verbo "haver", com o significado de existir. Se algo existe, é porque "há". Pode (e deve) ser usada na expressão temporal que indica há quanto tempo algo acontece, existe, se passa, etc e tal.
  • À - resultado da contracção da preposição a com o artigo definido a, ou melhor, é a letra "a" com um traço oblíquo inclinado para a esquerda, vulgarmente conhecido por "acento grave".
  • á - parelha gráfica totalmente inexistente na Língua Portuguesa. Se usam isto, usam erradamente. Logo, não usem, senão dá-me um treco da próxima vez que vir isto escrito, seja num papel, seja online. Não há!
Exemplos:
1) "Há milhões de blogs criados por portugueses." ou "Há quase 6 anos pari o meu filho."

2) "Hoje dei uma prenda à Lara", ou "Vou à Junta de Freguesia".

Simples, não é? Basta pôr uma coisa nessas cabecinhas: só há "há" e "à". O resto é asneira.

Tenho dito.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Dependência

A sensação que tenho quando comunico via msn com colegas de trabalho que vejo, senão diariamente, pelo menos dia-sim dia-não, é estranhíssima. Além disso, fica provado o quão dependente estou da Internet. Já nem me lembro se, antes de eu começar a usá-la, era capaz de cumprir prazos de entrega de documentos escolares.

Lá que dá jeito, dá...

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Lembrei-me...

A quantidade de cabelos brancos que surgem do nada, com tendência a aumentar diariamente, é proporcional à idade que tenho, mas não sinto.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Não fez PUUUMMMM, mas esteve bem perto disso...

Vossas excelências sabiam que há exactamente 402 anos atrás o parlamento inglês quase que ia pelos ares? Tal não aconteceu porque - e cito um aluno meu - "alguém se chibou" e os conspiradores acabaram por ser apanhados antes das 11 da noite, hora marcada para o suposto início da festa explosiva. E a propósito de algo que não chegou a acontecer, levou-se a cabo algo que de facto aconteceu - e até pode ser alugado - e acerca do qual escrevi umas palavritas há uns tempos atrás.

(Aprendam que eu não duro sempre)

domingo, 28 de outubro de 2007

Serões de domingo nos idos anos 70/80


... a preto e branco, claro. Hoje, estou rodeada de ecrãns a cores e com saudades dele.

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Pensamento acompanhado por um sorriso

É tão bom não viver na capital portuguesa...

Adivinha

O que é que Bragança e uma panela de três pernas de ferro fundido que pesa alguns quilitos têm em comum? Pois isto é o que eu vou descobrir este fim-de-semana. Se por lá andarem, digam qualquer coisa :)



Have fun, beautiful people.

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

E nós caímos que nem uns patinhos...

Politicians are the same all over. they promise to build a bridge even where there is no river.

Dúvida existencial

Sabem aquelas pessoas que, mais por razões profissionais do que por gosto, vestem fatinho completo, gravata, carteira e acessórios tudo na moda e a condizer? Parecem exteriormente quase perfeitas? Conduzem carros de alta gama, têm descendentes em colégios privados e tal? Dizem-se apologistas da moral e bons costumes? Já alguma vez pensaram como é que estas pessoas se comportam no seu lar? Vestem-se do mesmo modo ou são mais javardolas, assim como eu? Rebolam pelos corredores e jogam à bola com os pequenos ou passam horas sentadas com um jornal à frente e a ver a Sic Notícias ou...sei lá, a BBC? A sério que me faz impressão quando chego de manhã à escola do meu rapazola e vejo tanta gentinha tal como descrevi acima...ponho-me logo a imaginar como é que eles brincarão com os catraios em casa, ou se até contratam terceiros para passar tempo com eles. O que é que acham?

domingo, 14 de outubro de 2007

Tourém

Diz-vos alguma coisa? A mim nada me dizia, até sexta-feira à noite, quando o mais-que-tudo chegou a casa com a ideia fixa de irmos dar uma rapidinha ao Alto Minho, ainda sem destino fixo. Blah blah blah conjugal para aqui, pesquisa na net para acolá, tira apontamentos de contactos telefónicos, toca a telefonar para dois sítios (um deles fechado devido ao falecimento do dono - azar da catano!) e à terceira lá acertamos com o alojamento, no concelho de Montalegre, mais precisamente onde o título indica: uma aldeia onde predomina a pedra, muita bosta de vaca, muitas moscas em todo o lado e a toda a hora, muita simpatia e hospitalidade...uma atmosfera bastante bucólica, para quem deseja afastar-se do "sururu" urbano infernal em que Braga se está a tornar ultimamente.
Não é fácil chegar ao nosso destino final e quem enjoe por estradas secundárias "curvilíneas" não tem a vida facilitada por terras do Gerês, mas se se conduzir devagarinho, de modo a poder apreciar a magnífica paisagem montanhosa, evita-se esse contratempo. Quem parte de Braga, tem obrigatoriamente que fazer um desvio por Pitões das Júnias, - senão é quase como aquele cliché de Roma e do Pápa - e fazer pelo menos uma de duas caminhadas: a descida até ao Mosteiro (ou o que resta dele) de N. Srª. das Júnias ou a da cascata, esta mais longa e por carreiros mais irregulares.
Ao longo do percurso fomos encontrando vacas, muitas vacas, cabras, cavalos selvagens, pastores, cães aparentemente vadios e muita água fresquinha que nos soube muito bem, especialmente quando regressámos ao carro, após metros e metros infindáveis a trepar por entre arbustos e pedras a rebolar debaixo dos nossos pés. E não é que o reguila se portou muito bem ao longo deste percurso pedonal, sem demonstrar o cansaço que de facto sentia? Falta-lhe ainda a vontade de observar e ouvir e cheirar detalhadamente, mas com o tempo espero que aperfeiçoe tal.
Ora, Pitões das Júnias fica pertíssimo de Tourém, que por sua vez está a cerca de 3 quilómetros da fronteira com "nuestros hermanos". Se não tivesse visto o antigo posto fronteiriço, nem diria que estava em Espanha, tal as semelhanças entre a paisagem e as expressões faciais das pessoas por quem passávamos.
Mas voltemos a Tourém e ao local onde pernoitámos. Tal como referi no início, foi a nossa terceira escolha, quase ao acaso, após termos visto alguns sites na net: ruas estreitas de pedra, ladeadas por casas de pedra, "enfeitadas" com aroma de vaca, inevitável mal saímos do carro. À porta do local escolhido fomos ofertados com nozes acabadinhas de apanhar, por um menino que viémos a saber era filho dos donos deste paraíso rural: uma casa de turismo de habitação, cuja descrição podem ler na "homepage", e onde encontrámos uma "segunda família", uma atmosfera deveras acolhedora, com pessoas (donos e os outros hóspedes) que nos fizeram sentir em casa desde o primeiro minuto. Deram-nos à escolha vários quartos, mas não há paixão como a primeira...e foi mesmo uma belíssima escolha.
Optámos por jantar em Espanha, num restaurante recomendado pela dona da Casa dos Braganças. Não se comeu nada mal, talvez pela proximidade geográfica, nem a conta foi exorbitante: uns pimentinhos recheados, uma tarte de legumes, posta barrosã, costeleta de vitela, dois "solos"...ficámos bem.
Quando regressámos a "Casa" pudemos então usufruir de um serão à lareira (sim, estavam 5 graus no sábado à noite) com os donos, a respectiva família alargada, os restantes hóspedes e a criançada toda, todos sentados à mesma mesa (e que farta que ela estava) e numa algazarra que não me parece ser habitual nestes locais turísticos, mas que não nos incomodou nadinha, bem pelo contrário. Permitiu-nos descobrir um pouco da história da casa e ficar a saber acerca daquelas pessoas e porque é que um casal ainda tão jovem, na casa dos 30, com dois filhos, decidiu viver e trabalhar longe do barulho e do fumo e das caras antipáticas citadinas.
A noite foi bem dormida (à excepção de uma dor de barriga aguda do miúdo), mas a alvorada tocou à hora habitual: antes das oito, o que para mim, ao fim-de-semana, é um duplo suplício. Claro que ninguém saiu do quarto antes das 10, até porque nem valia a pena tomarmos o pequeno-almoço antes, já que a carrinha do pão, ao domingo, só chega à aldeia por volta das 9:30...hábitos de aldeia, já há muito perdidos na minha. O pequeno almoço, ou melhor, o banquete matinal, à semelhança do que tinha acontecido com o jantar da véspera, foi partilhado com todos naquela mesa gigantesca: variados doces e compotas, tudo fabrico caseiro, acompanhado por conversas agradáveis e por pessoas calorosas, sem sorrisos falsos, genuinamente simpáticas. Mesmo a despedida foi especial: senti um carinho tão grande que nem vontade dava de regressar a casa.

Por todas as razões e mais alguma, pareceu-nos que o tempo, ali, passava a um ritmo diferente...um sítio a regressar e que recomendo a quem gosta de escapadinhas rurais.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Ninguém me encomendou nada, ...

...mas é também por esta razão que não consigo deixar a blogosfera. Não é que o rapaz voltou de lá inspirado?

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

E a saga continua...

Fui para lá de espírito aberto, plenamente consciente do que tinha que ser feito, e descontraída. As minhas desconfianças confirmaram-se: ele tinha que sair fora! E saiu mesmo - após 15 a 20 minutos de pura tortura. Fui anestesiada em três sítios diferentes, levei com a broca, ele serrou o que restava em dois, a seguir puxou, puxou e puxou, eu gemi alto e bom som, eu estrebuchei, eu levantei as pernas e as mãos, e ele continuou a puxar, com força, porque o maldito dente não queria abandonar os seus companheiros. Pediu-me desculpa diversas vezes, mas qual quê? A dor foi intensa. E isso notava-se bem na minha cara! Não tenho memória de, enquanto adulta, ter sujeitado a minha boca a um martírio destes. Agora tenho aqui uma cratera gigantesca, inflamada, sinto a língua gorda e dormente, o sabor a sangue ainda perdura, parece-me que falo de uma maneira esquisita, com a boca "à banda", como se diz para os meus lados...e tenho medo. Rais' partam!

Desculpem o desabafo.

quarta-feira, 12 de setembro de 2007

Eu que até gostava da coisa...

...é só de mim e da minha mente badalhoca ou qualquer uma das versões daqueles anúncios ao atum Bom petisco revela um tremendo mau gosto nas situações expostas?

Chauvinistas dum raio!

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Esta agora...

Tinha eu dado a minha primeira trinca num Ritter Sport (Leche Extrafino), no ensejo de saborear um chocolatinho após longas semanas sem lhe sentir o sabor adocicado e pecaminoso, quando sinto algo duro entre os meus dentes. Vou a ver, e o que era? O dente, o tal que já se tinha partido em bocadinhos minúsculos há uns anitos atrás, que entretanto foi reconstruido e inclusivé aparafusado, e que agora se apresentava, em dois grandes bocados que deixavam visível o tal parafuso cinzento que, na altura, me fez sentir tal e qual um robot.
Que lição devo tirar disto tudo, pergunto-me eu? pergunto-vos eu, aliás...

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Ódios de estimação

Num destes dias fiz 35 anos. Já não sou trintinha, mas ainda não sou trintona. Vou passar os próximos trezentos e tal dias num limbo etário. Nesse dia, recebi os habituais telefonemas de parabéns e de um bom dia e coiso e tal e ouvi aquelas piadinhas sem graça nenhuma que toda a gente conta nestes dias supostamente especiais...aquelas coisas que ficam sempre bem e sabem sempre bem receber. Tudo dentro da normalidade.
Mas o que me deixa mesmo fula são as SMSs, seja no meu dia de anos, seja noutro dia qualquer do ano. Não gosto, raramente mando, acho impessoal. Mesmo as que recebo, faço um frete para ler aquelas abreviaturas todas. Até colegas de trabalho já me enviaram mensagens abreviadas, o que acho um absurdo e uma grande falta de brio. Se eu quero parabenizar alguém, saber o que se passa com a pessoa, ligo-lhe para ouvir a sua voz, saber de coscuvilhices e afins e passar minutos longos na treta.

E pronto, era isto; regressei de férias e já estou a refilar, como é característica minha...tenho ou não tenho razão?

sábado, 21 de julho de 2007

Sem stress

Tanto alarido, histeria e marketing à volta do último da colecção do Harry Potter...e hoje de manhã, na maior das calmas e sem atropelos, comprei o meu exemplar no supermercado aqui da terreola. Ainda ficaram muitos nos escaparates, por isso se já tiver esgotado por aí, passem por cá :P

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Yooo Portugal tá-se bemmmm!

Estão a imaginar-me a repetir isto, ao ritmo de rap, como refrão do que o meu reguila ia inventando, a propósito de as cortinas / os sofas / os brinquedos / os Dvds / os livros / (inserir qualquer outra peça de mobília ou decoração)....não estarem podres? Tudo devidamente acompanhado pelos gestos horrorosos próprios deste estilo musical? Não estão a ver, pois não? Mas aconteceu ontem cá em casa, enquanto o "big boy" roncava no sofá da sala. Sinceramente, não sei qual dos três conseguia fazer mais barulho. Que cenas, que cenas!!

quinta-feira, 12 de julho de 2007

Roque:

Sem internet disponível, não há cá graçolas de minha parte. A culpa é toda do teu "ex-patrão". Fala com "ele" para arranjar a avaria, sim? :P

quarta-feira, 11 de julho de 2007

"Há-des morrerr!!"

...dizia o meu avô, alfaiate perneta e brasileiro de nascença, aos catraiaos que passavam por ele e lhe diziam insolências ou o provocavam, quando se sentava, ao final do dia, à soleira da porta de casa. Como estava fisicamente impossibilitado de correr atrás deles, agitava a sua muleta bem alto, enquanto bramia alto tal sentença inevitável para todos ! Bem, vocês até podem achar que a imagem seguinte não tem qualquer ligação com esta pequena introdução familiar. Mas foi exactamente o que me ocorreu quando olhei para este paciente ser à espera que lhe acontecesse o milagre prometido, depois de ter cumprido com a sua obrigação internaútica: a de ter partilhado com os demais aqueles e-mails em cadeia que prometem mundos e fundos ou a desgraça imediata relativamente às suas performances sexuais.



Vocês pertencem a esta categoria ou à dos "apagadores", como eu?

segunda-feira, 9 de julho de 2007

A definição de "definitiva" é muito relativa

Quando comecei nesta aventura depilatória a laser supostamente definitiva, estava à espera de ver grandes resultados imediatos. O que até aconteceu...durante três semanitas. A verdade é que os pêlos teimavam em renascer, para mal dos meus pecados; daí eu duvidar que eles desaparecessem para todo o sempre.
Tenho-me submetido a sessões de pura tortura de três em três meses (fazer uma tatuagem não é nada comparado com isto) e finalmente já se notam algumas falhas capilares nos sovacos. Sim, porque ainda só me atrevo a fazer destas coisas nessa zona. O resto a seu tempo, se é que alguma vez verá laser...para já, duvido muito.
É que estas picadinhas dolorosas estão a sair-me muito caras mesmo! Tudo para que a longo prazo eu me sinta mais ...digamos, levezinha. Daqui a um par de anos, conto como foi.
Hasta!

segunda-feira, 2 de julho de 2007

Agora fiquei na dúvida...

Quem é mais velho? Eu ou o sempre excelente The Dark Side of the Moon? Passei parte da tarde a ouvi-lo repetidamente em CD. Mas tenho o vinyl bem guardadinho! Roam-se de inveja! :P

P.S.: Raios! Eu sou mais velha, mas não chega sequer a um ano!

quinta-feira, 28 de junho de 2007

Pronto, pronto, pronto....


A Vida de Um Gajo Esta deve ser a vidinha dos gajos de gabinetes, dos gajos que têm tempo para fazer um logótipo do género. Que gira! E um das gajas? Não há?

quinta-feira, 21 de junho de 2007

2 da matina e ...

... eu a comer tremoços. Mas que rica vida!
Quem primeiro, amanhã de manhã, me disser que pareço um zombie leva um murro nas trombas!

domingo, 17 de junho de 2007

Concerteza

Há uns 2 ou 3 anos atrás conheci este senhor na internet através dum programa de música que permitia sacar e partilhar (pronto, ok, é um eufemismo para "piratear") ficheiros audio-visuais. É um Senhor da música com S grande: sentia-me tão inculta "ao lado" dele no que toca a novidades e velharias musicais, que estava sempre disposta a ouvi-lo e a aceitar as suas sugestões musicais. Nunca foi bem sucedido na tarefa de me fazer idolatrar o seu idolo - David Bowie - mas dessa época ficaram-me memórias de conversas que, entre outros apelidos, foram interessantes, elucidativas, de circunstância, de "corta-na-casaca", etc, etc etc.
Ora, uma das que ainda retenho foi a nossa eterna discussão acerca da ortografia do vocábulo "concerteza". Eu cá defendia e ainda defendo que tal não existe, que é erro comum no uso da Língua Portuguesa, e que o correcto seria usarmos "com certeza". O Senhor Joe defendia com unhas e dentes precisamente o contrário. Sendo ele quem é e fazendo o que faz- e que não mencionarei aqui por respeito à sua privacidade profissional -, ainda mais convincente o gajo poderia soar.
Hoje é comum ler a dita cuja escrita da maneira que ele sugeria (o que não quer dizer que seja a correcta), mas a verdade é que desde essa conversa, cada vez que tenho que a escrever, me lembro desta nossa questiúncula e penso sempre duas vezes se ele não teria razão. Acabo sempre por a escrever ao meu modo: "com certeza". Até porque o meu dicionário da Porto Editora não mente...ou mente? Eu cá acho que não!
Se alguém quiser esclarecer-nos sobre esta simples questão, faça favor, sim?

quarta-feira, 13 de junho de 2007

Imaginem-se numa festa de arromba; já beberam uns copitos a mais e estão bastante eufóricos; de repente dá-vos aquela vontade inadiável de ir dar uma mija; sentem-se mesmo apertadinhos, com vontade ou de pôr as mãos entre as pernas ou de fazerem já ali; a casa de banho até está perto; vocês correm, abrem a porta, entram, dão dois passos e de repente...


O que acham que vos aconteceria? Como se sentiriam?

sábado, 9 de junho de 2007

sexta-feira, 8 de junho de 2007

Estes gajos devem pensar que sou otária, não?!

No outro dia recebi correspondência do BPI. Ora, eu só recebo cartinhas do BPI quando estes me apresentam a conta do meu cartão Visa Universo, o tal que dá descontos quando vou às compras. É que dá mesmo: de três em três meses, mais coisas menos coisa, lá recebo um chequezito deles a ser descontado na próxima ida ao...hmmm...Modelo. Fora isto, já é a segunda vez que recebo boas novidades por parte desta cambada. E o que me queriam dizer desta vez: "Com o aproximar do verão...blah blah blah...viva ao máximo o verão...blah blah blah... para facilitar a aquisição de tudo aquilo...blah blah blah...aumento do limite de crédito blah blah blah...para o valor de 3.000 euros."

Ora, esta gente é tola ou caga a andar: eles sabem perfeitamente que o meu vencimento não chega aos 1.300 euros, aumentam-me o crédito para mais do dobro e estão à espera de quê? Que caia na esparrela ou que lhes faça "um toma" (imaginar-me com cara de má a levantar o dedo do meio da mão direita, se faz favor)?

E querem que o país saia da cepa torta: convidam-nos descaradamente para o consumo desenfreado, mas também querem que o pessoal tenha juízo. Olhem, vão apanhar ali num sítio que eu não digo, sim?! Palermas!

terça-feira, 5 de junho de 2007

Mas que prático


Sim, podem mandar piadinhas. Amanhã há mais do género :P

sexta-feira, 1 de junho de 2007

Já ganhei o dia!

O David Fonseca enviou-me um Hi5 request. Isto de se ser VIP (eu, não ele) tem que servir para alguma coisa!

Bom fim-de-semana equestre

Interpretem como quiserem.

terça-feira, 29 de maio de 2007

Só Gajos que me atormentam...

Vamos lá ver se pomos as coisas em pratos limpos, sim?
Isto porque o joão, ali na caixa de comentários dum post qualquer em baixo, faz a seguinte pergunta, importantíssima para a existência deste blog - "afinal qual de Nossas Brochelências é O Gajo." - , enquanto socializava animadamente na blogosfera com O Gajo, que por sua vez também se revelou bastante amistoso para com este meu leitor / comentador. Toda a gente, menos tu, pelos vistos, sabe quem é O Gajo! Senão, pergunta aí ao pessoal, ver o que eles dizem....
Para quem já me vem acompanhando há tanto tempo, este teu desconhecimento desilude-me imenso. Também não sou eu que te vou esclarecer sobre tal questão virtual. Podes, contudo, continuar a acompanhar-me, aqui e onde mais te aprouver, e quando descobrires a resposta à tua dúvida, vem cá dizer-me e aO Gajo, se faz favor.

E agora vou dormir, que amanhã é dia de festa ali p'rós lados do Gerês e desconfio que vou apanhar uma molha descomunal. Benditas botas, que finalmente vão ser usadas!

E isto, já agora?

quinta-feira, 24 de maio de 2007

O Poliglota

É verdade matemática
Que ninguém podi negá
Que essa história de gramática
Só serve pra atrapaiá
Inda vem língua estrangera
Ajudá a compricá
Meió nóis cabá cum isso
Pra todos podê falá

Na Ingraterra ouví dizê
Que um pé de sapato é xu
Desde logo já se vê
Dois pé de sapato é xuxu
Xuxu pra nois é legume
É verdade e não boato
O ingrês que lá se arrume
Mas nóis num come sapato

Ná Itália ouví dizê
Eu não sei por que razão
Que manteiga lá é burro
Lá se passa burro no pão
Desse jeito pra mim chega
Sarve o povo do sertão
Onde manteiga é manteiga
Nóis num come burro não

Na Argentina aprendi
Que lá saco é paletó
Lá se o gringo toma chuva
Tem que pô o saco no só
E se acaso o dito encóie
A muié diz o pió:
Teu saco é muito pequeno
Vê se arranja um saco maió

Na América corpo é bódi
Veja que bódi vai dá
Conhecí uma americana
Doida pro bódi entregá
Fiquei meio atrapaiado
E disse pra me escapá
Óia moça eu não sou cabra
Chega seu bódi pra lá

No Chile cueca é dança
Pra se dançá e bailá
Lá se dança e baila cueca
Até a noite acabá
Mas se um dia um chileno
Vié pro Basil dançá
Tente mostrá a cueca
Pra vê onde vai pará

Uma gravata esquisita
Um certo francês me deu
Perguntei onde se bota
Acho que num entendeu
Me danei com a resposta
Isso é coisa que eu não faço
Seu francês mal educado
Mete a gravata no seu.

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Nada como dar às crianças todas as informações úteis sobre a proveniência e propriedades do leite - parte II

Ora, então depois de eu própria seguir o meu conselho anterior, finalmente consigo partilhar convosco esta pérola fabulosa, tão rica em imaginação e também informação comprovada. Escreveu assim o miúdo:

Composição

O leite

O leite é muito bom para a saúde. Eu gosto muito de leite.
As vacas dão leite e as cabras também. O meu pai diz que à cabras de duas pernas à noite no parque Eduardo cétimo de Lisboa, mas não dão leite dão outra coiza que ele disse mas eu não percebi.
As ovelhas também dão leite e mais outros animais que tem mamas.
O senhor prior cá da aldeia também dá leite aos pobres mas é em pó

O aluno
Jusé Seara Matias
Feira 27 de Marco de 2003

sexta-feira, 11 de maio de 2007

Nada como dar às crianças todas as informações úteis sobre a proveniência e propriedades do leite

(aumenta a coisa)

Vá, bebam muito dele que vos faz muito bem.

P.S.: Que progenitor é que não se sentiria orgulhoso dum filho assim, não é Zezito? (obrigada)

quarta-feira, 9 de maio de 2007

Lá vai o primeiro

Tenho um filho desdentado. Lá terei que alargar os cordões à bolsa durante a noite. Tudo porque hoje à tarde andou "a jogar à porrada" (palavras dele) e mordeu um colega.

terça-feira, 8 de maio de 2007

Ainda bem que há alguém que o faz...

Um destes dias, o sr_antonio informou-me que me tinha agraciado com um daqueles prémios que de vez em quando invadem a blogosfera. Prémio esse que destaca blogs que façam pensar quem os lê. Ora, no meu caso, a primeira coisa que me ocorreu foi: "sr_antonio, o meu blog fá-lo pensar exactamente em quê?" É que eu própria nunca me considerei uma grande pensadora, uma daquelas pessoas cuja mente está sempre a divagar sobre algo, a tentar encontrar os porquês para as grandes dúvidas existenciais que assolam a humanidade. Não sendo eu filósofa nem "discursora" por aí além, nunca tendo tido em mente fazer pensar quem quer que seja, tendo um blog apenas para alimentar o meu ego narcisista e não um daqueles blogs de política e crítica a tudo e mais alguma coisa onde também se opina por tudo e por nada, este prémio, que encaro como um acto de cortesia e apreço pelas horas passadas a seu lado (isto não é para ler literalmente) aquando das suas constipações invernais, é aceite e aqui partilhado convosco.

Supostamente, eu teria que nomear mais cinco blogs que me fizessem usar a minha massa encefálica. Mas como poderão saber, sou pouco dada a etiquetas, faço o que me dá na real gana, até porque o blog é para ME agradar. Vai daí não há cá nomeações para ninguém, até porque agradam-me pouco estas coisas em cadeia, sejam e-mails sejam posts. Não é que não haja blogs do género, são é mais do que cinco, por isso teria bastante dificuldade em escolher os meus eleitos
(mentira, eu sei bem que escolheria :P).

E pronto: depois de mais uma amostra de que só olho para o meu próprio umbigo, e que sou extremamente simpática, aqui está o dito cujo prémio.


sr_antónio, muito obrigada. Agradecia que respondesse à pergunta que lhe dirijo :)


segunda-feira, 7 de maio de 2007

Fomos à bola

...algo que nunca tínhamos feito juntos, os três, isto é. Já fui à bola com o mais-que-tudo algumas vezes, inclusivé já vi um Braga-Benfica ao vivo, do qual guardo recordações como um resultado final de 2-1 para os da casa e de ter ficado com o cu gelado por ter passado 2 horas sentada nas bancadas de pedra, de noite e em pleno Inverno. Lembro-me também de na altura me questionar para que raio é que as outras pessoas traziam uma espécie de almofada. Agora já sei...mas isto já lá vão uns anitos, ainda nem sequer se falava do Euro 2004 e da Pedreira que entretanto construiram ali na zona de Real, ainda nem era casada e ficava na vadiagem até às tantas. Bons tempos! Adiante...

Bem , como disse, ontem fomos à bola. Fomos ver o derby local lá da terrinha, cuja equipa foi promovida de Divisão há 2 semanas atrás. Portanto, este jogo foi somente para cumprir calendário.

O que me apraz partilhar convosco?
Ver um jogo ao vivo não tem nada a ver com os da TV. Fiquei fula que nem uma barata por não ter estado atenta ao primeiro golo da minha equipa. E claro, repetição...nem pensar...duhh. Depois, desconsolou-me ver o nosso treinador - que por acaso é bom cumó milho - fora do banco, visto estar castigado por ter chamado um nome ao árbitro há cerca de um mês atrás. Digam lá, acham "palhaço" um termo assim tão ofensivo? Eu cá não acho que é motivo para tanto, mas ele - "o palhaço" - é que sabe. O campo era de terra batida, então era poeira por todo o lado, a juntar ao calorzinho agradável de ontem...que sucedeu? fiquei pegajosa e asquerosa em tudo quanto era lado. Um excelente motivo para tomar uma banhoca revigorante de seguida.

Falemos de linguagem. Um jogo destes é um excelente incentivo à prática do nosso linguajar, tão rico em vernáculo futebolístico. Ouvem-se pérolas de muitas bocas, como ****-** e ******* e ainda *** ***** da ****. Ora, o nosso catraio estava mesmo ali ao nosso lado. Por acaso, mas só por acaso, é que não repetiu uma destas. Porque se repetisse, acho que me vinha logo embora, de trombas e chateada com ele que afinal não tinha culpa nenhuma. Lá ficaria com a tarde estragada e sem ter apreciado devidamente os 22 pares de pernas que teimavam em bailaricar ali mesmo à minha frente. Quem ficou a ganhar foi ele, o miúdo, que pediu um cachecol da equipa e sem qualquer hesitação lá demos uma nota de 10 euritos por um trapo de enrolar ao pescoço. Enfim...coisas de pais.

Estes jogos da terrinha são um bom motivo para re-vermos pessoas que já não víamos há anos: vizinhos, amigos dos pais, antigos namoricos, paixonetas platónicas do passado...estavam lá todos. Umas mais velhas, outras mais barrigudas, eles bem mais pançudos...um verdadeiro retorno às origens e também uma fogueira das vaidades rural. Inclusivé dei duas de treta com um rapazito com quem andei engalfinhada quando tinha 15 ou 16 anos. Que cega que eu era na altura, irra! E que mau gosto!!

Bem, foi uma tarde diferente, de facto, passada a socializar. Resultado final: 2-1 para os da casa e um jantar, ao qual já não assisti, que sei que consistiu em leitão assado e respectivo acompanhamento. E para aqueles que ainda não sabiam, as minhas origens são na Bairrada, mas não ligo nenhuma ao porco. Babo-me sim por um Arroz à Malandro do Restaurante Pompeu. Uma vez por mês lá estamos nós a marcar o ponto.

E pronto, foi isto...logo ainda tenho que agradecer a uma pessoa; pode ser que ainda disparate mais por aqui.

beijinhos, beijocas.

sexta-feira, 4 de maio de 2007

E a Linda de Suza que não me sai da cabeça

Pois é, hoje já dei duas, logo à tarde vou dar três e agora vou ali aviar as malas que tenho mais que fazer e aonde ir. Domingo à noite há mais, se não for antes.

Hasta la vista, babies!

domingo, 29 de abril de 2007

Robots

É a nova coqueluche cá de casa, enquanto o puto está de castigo, o que já dura há uns dias. Não há cá prendas nem prendinhas nem moedinhas de 1euro para ninguém!

Mas não foi isto que me cá trouxe...

Não sei se convosco, pais, tios/as, familiares e etc, acontece o mesmo, mas dou por mim a pensar, quando compro um Dvd infantil - sim, porque cá em casa não entra muita pirataria, só alguma, vá... - que o puto vai achar um piadão ao dito cujo. A verdade é que no início nem acha muita piada. Eu e o puto grande achamos mais, normalmente. É que aquelas referências cinéfilas e as músicas escolhidas não são para "puto perceber". É ver-nos todos malucos a rir-mo-nos à mesa e a comentar isto, aquilo e aqueloutro enquanto o puto pequeno está vidrado no ecrã. Já viram o Shrek 2, certamente. Acham mesmo que aquilo é exclusivamente para a pequenada? Pos, eu também não! E como este, o tal do título...que nem foi comprado, chegou-nos a casa como brinde duma pizzaria qualquer que não publicitarei. O tal que tem sido visto repetidamente, religiosamente e diariamente e com o qual o puto já dá umas gargalhadas valentes. Mas coitado...ainda é muito novo para perceber um "Singing in the rain" robótico. Deixá-lo crescer...

Ah, como é bom ser criança!!

sexta-feira, 27 de abril de 2007

Quinhentos vocábulos a multiplicar por quinhentas palavras que se expôem desavergonhadamente por quinhentos posts visitados por quinhentos visitantes mais os restantes quinhentos que aqui caem de paraquedas a quererem bisbilhotar os quinhentos meandros do meu cérebro em busca de quinhentas palavras e pensamentos partilhados que reflectem os meus quinhentos estados de espírito ao longo de mais de quinhentos dias comentados por quinhentos e tantos outros que me acompanham...Foda-se, sou uma blogger babada!

quinta-feira, 26 de abril de 2007

Sabem...

...o que me apetecia mesmo, mesmo, mesmo? Não sabem, pois não? Pois também não vos digo :P

(É verdade: só falta mais um para os 500. Alguma sugestão?)

terça-feira, 24 de abril de 2007

Desde já muito obrigada pelos vossos esclarecimentos e partilha de ideias sobre o assunto dos últimos dois posts. Ainda estou na fase de pesquisa de informação, mas está cá a parecer-me que o papagaio vai de vela...

Sendo assim, o que acham destas duas opções?
Este...

ou este?

Não, o cavalo não é opção, especialmente depois de ter enviado a alguns de vós um certo vídeo digamos que...sui generis.

O bicho

Pois então vou partilhar com o mundo, vossas excelências incluídas, o "porquê" do papagaio...talvez eu própria entenda o "para quê".

Nunca tive qualquer bichinho de estimação, daqueles aos quais nos afeiçoamos, com quem brincamos e não reparamos que o tempo voa, a quem tratamos como elemento da família - mas sei que gostaria de ter tido um, quando era catraia. Contudo, os meus pais não eram nada abonados e nem sequer tinham uma casa com condições para alojar o bicharoco. Eu apenas convivia com os bicharocos alheios, a quem achava imensa piada fazer umas festinhas de vez em quando. Lembro-me do Sultão, um pastor alemão ternurento com quem passava parte dos meus verões na Charneca da Caparica....lindo! Desapareceu...

Sempre que pensava neste assunto, imaginava-me como dona de um belíssimo São Bernardo, imponente e pachorrento ao mesmo tempo, peludo, de olhar meigo, com quem pudesse rebolar na Serra da Estrela. A verdade é que este bicho não fica nada barato e precisa de imenso espaço, coisa que nunca tive pelas terreolas e casas por onde fui passando ao longo da minha vida profissional.

Com mais vontade fiquei quando vim aqui para Braga, há cerca de 9 anos e reparei que a vizinha do 5ºandar tinha um destes bichinhos lindos. A verdade é que ter um destes "pitchou-pitchou" num T4 nunca me pareceu muito boa ideia, mesmo havendo duas varandas, mas ficou-me o bichinho na cabeça. Coçava-lhe sempre o pêlo quando saímos e nos cruzávamos na rua, lá em baixo, e na esplanada do Sr. Antunes. Nunca vi aquele cão a correr desenfreadamente nem a ladrar desalmadamente nem a mijar fora da relva...um dia desapareceu...

Passado uns tempos tive um filhote. Filhote esse que hoje adora cães e gatos e pombas e galinhas e coelhos e me-més e ..enfim...qualquer animal a que possa pôr a mão. Foi o delírio quando o levámos ao Zoo de Lisboa. Temos mesmo que lá voltar este ano.

E vai daí, pensei eu cá para mim:"eu vivo num T4, temos um filhote que anda doido para ter um irmão e um animal de estimação. Já que o irmão não está para chegar tão cedo, porque não arranjar-lhe uma companhia proporcional ao tamanho do alojamento?"

E pronto, foi mais ou menos assim que surgiu a ideia do papagaio: um bichinho pequeno, que possivelmente come pouco, ocupa pouco espaço (digo eu), engraçado, colorido, que até poderá falar, que poderia incutir algum sentido de responsabilidade no nosso pequenote ...

Problemas à vista: a sujidade, as férias de verão, idas inesperadas ao veterinário, as birras (como alguém já mencionou), o barulho que poderia incomodar os vizinhos. Conseguem pensar em mais algum? E não, não sou muito paciente, mas agradeço qualquer dica sobre o assunto.

domingo, 22 de abril de 2007

Animal de Estimação: não me sai da cabeça

Alguém tem experiência de vida em comum com um papagaio? E quanto custa? E quais os cuidados a ter com o bicho?
Agradecia-se qualquer tipo de informação, se faz favor.

sexta-feira, 20 de abril de 2007

Verdade à La Palisse

...ontem no banho...




-Mamã, os homens têm pilinha e as mulheres têm buraquinho. Mas se os homens tivessem buraquinho e as mulheres tivessem pilinha, os homens faziam xixi sentados e as mulheres faziam xixi de pé.




(Pensei eu: Ena, desta vez acertou com todos os tempos verbais!)


(foda-se, como é que se metem parágrafos nesta merda??!!)

quinta-feira, 19 de abril de 2007

Já vos disse...

...que embirro com blogs que divulguem videos? Qualquer tipo de vídeos? Ainda não tinha dito? Pois, acabei de fazê-lo. Se o vosso é deste género (eu sei, eu sei, Robina e "merceeiro" :P), não me apanham por lá muito tempo. É a vida: umas vezes para cima, outras para baixo. Hoje está para cima, pelo menos para mim.

Até os meus catraios sabem mais e escrevem melhor...


(Obrigada, Lúcia)

quarta-feira, 18 de abril de 2007

Ai que pedrada com que ela anda!

Ando anormalmente idiota, distraída e esquecida. Escusam de concordar, que eu já sei!

terça-feira, 17 de abril de 2007

Estes profs. não têm juízo nenhum!

Um professor de Matemática quis pregar uma partida aos seus alunos e disse-lhes:
-Meninos, aqui vai um problema:
"Um avião saiu de Amesterdão a uma velocidade de 800 km/h, à pressão de 1.004,5 milibares; a humidade relativa era de 66% e a temperatura 20,4 graus Centígrados. A tripulação era composta por 5 pessoas, a capacidade era de 45 assentos para passageiros, o WC estava ocupado e havia 5 hospedeiras (mas uma estava de folga)."
A pergunta é: quantos anos tenho eu?
Os alunos ficam assombrados. O silêncio é total.
Então o Joãozinho, lá do fundo da sala, sem levantar a mão e em tom de provocação, diz:
-44 anos, professor!
O professor, muito surpreso, olha-o e diz:
-Caramba. Está certo. Eu tenho 44 anos. Mas como é que tu adivinhaste?
Responde o Joãozinho:
-Bem, eu deduzi porque eu tenho um primo que é meio parvo e ele tem 22 anos...



domingo, 15 de abril de 2007

O segredo mais bem guardado da blogosfera

...bem melhor do que qualquer segredo de Fátima!






---
Os "novatos" não o conhecem e até houve quem o relacionasse com aquela coisa pirosa que atormenta as fêmeas mensalmente. Tsk Tsk...Vós nunca ides saber o que perderam por não terem andado por cá nos seus tempos áureos...hehehe.





---
Os "velhotes" apelidaram-no de: "o venenoso que passa a vida a desaparecer", "o gajo que rasteja", "Anão mal cheiroso "...enfim, uma panóplia de expressões, em número bastante inferior ao número de blogs que este gajo já possuíu (aposto que ele vai pegar nesta :P), para designar aquele que ainda ali está linkado como "Blog do Camaleão Anão", e cujo mais recente blog partilharei convosco daqui a nada. Os "velhotes", tal como eu, já se riram a bandeiras despregadas com este ser fungoso, que escreve maravilhosamente bem, que tem uma imaginação pródiga, que é dono de um humor refinadíssimo e duma ironia como poucos, que foi divinalmente criado para partilhar connosco a sua tendência para disparatar com elevada qualidade. Provavelmente não seria este tipo de apresentação que ele desejaria ler, mas o blog é meu e é assim que vejo este gajo que me dá cabo dos nervos quando desaparece sem dizer "água vai, água vem". Ele é um dos três responsáveis por estar a escrever neste blog neste preciso momento.







...
Aconselho aos "novatos" a lerem a sua "Burrblía", já partilhada por mim há imensos posts atrás e desejo que os "velhotes" se divirtam tanto quanto da sua primeira vez.







...
E agora, o tão desejado segredo...

sexta-feira, 13 de abril de 2007

A sair das cascas



Não é que o meu anjinho, que tem 5 anos (ai, como o tempo passa a correr!) pediu-me a chave de casa há 2 dias atrás? Isto depois de lhe ter explicado, quando regressávamos a casa e passávamos por uma das escolas aqui da cidade por volta das 18:30, porque é que os meninos grandes andavam na rua sozinhos, aliás, sem os pais. Vai ele: "Quando for grande e andar sozinho vou precisar da chave de casa" - "olham'este", pensei eu, "já a formiga tem catarro, não??"

quarta-feira, 11 de abril de 2007

Só p'ra dizer...(ler o título a cantar, pensando na Manuela dos Clã)

...que ele voltou. E quem me acompanha desde o início sabe bem a quem me refiro, pois sempre que tal acontece, faço uma festa, ponho foguetes e apanho as canas. Para quem não sabe de quem falo, aceitam-se subornos: um presuntito ou um iatezito não era nada mal pensado.

quinta-feira, 5 de abril de 2007

Valeu bem a pena

Vi neve, vi nevar e vi um boneco de neve...faltava-lhe a cenoura e o cachecol do Benfica. Mas não faltarão para a próxima!

quinta-feira, 29 de março de 2007

segunda-feira, 26 de março de 2007

E agora?

Imbróglio do caraças, para não dizer do cara***, o que seria certamente mais exacto.

AVISO: a dona deste blog passou-se de vez!


A nossa visão dos americanos


Quinquagésimo segundo estado?? Isso queriam eles; estão lá os irlandeses e escoceses e gauleses que nunca deixarão que tal aconteça!

sexta-feira, 23 de março de 2007

Bela Vista





Perante esta imagem, só me ocorrem dois pensamentos:
  • 1) Um concurso da mijadela mais longa
  • 2) Para quê as meias?

terça-feira, 20 de março de 2007

Minha Dona

...que eu tanto estimo:





onde andas tu? Abandonas-me descaradamente, deixas-me à mercê de pessoas estranhas que aqui chegam e não sabem o que comentar acerca da tua ausência. Tu sabes que eu preciso da tua atenção diária, do carinho que até há bem pouco tempo me dispensavas ao longo do dia, todos os dias. Só assim é que consigo mostrar ao mundo o meu esplendor, o meu vigor, o que há de melhor em mim. Mimavas-me com imagens engraçadas, cómicas, de duplo sentido, tal como alguns dos teus textos que deram azo a múltiplos comentários de terceiros e a partir dos quais me permitiste estabelecer relações virtuais extremamente estimulantes. Abriste os meus olhos para o mundo blogosférico e eu não quero outra coisa, e tu sabes bem disso. Preciso de ser constantemente adulado, actualizado e acalentado, por ti, por outros...só assim consigo sobreviver. E tu sabes bem disto! Eu sei que a Primavera está aí à porta, eu sei que há todo um mundo lá fora para ser descoberto por ti. Mas, Minha Dona, passas demasiado tempo por aí, algures, a fazer não sei bem o quê nem com quem, quando no passado conseguias perfeitamente equilibrar a tua vida e a minha. Quero que voltemos a ser como antigamente: um só, eu o espelho da tua alma, e tu a Minha Dona que eu tanto estimo.



Do teu,




BLOG.

quarta-feira, 14 de março de 2007

As 4 fases da vida

Eu ainda só tenho 34 anitos e confesso que sou uma viciada em coca-cola, para mal dos meus pecados, mas desconfio que nunca chegarei à terceira etapa. Substituam aquela coisa amarelada e com um gosto terrível por um bom tintol alentejano e a conversa já será outra! E vocês? Alguma vez vos aconteceu alcançarem a última?

terça-feira, 13 de março de 2007

"Um post paneleiro, nem parece teu, pfftt", disse o Tozé algures ali em baixo

Ora vamos lá a ver se nos entendemos, porque isto aqui não é o blog da sogra, não senhor.
Não tendo eu tendências lesbianas, nem sendo eu homem, nunca o ramo de malmequeres lá de baixo poderia ser "paneleiro". É sim uma ode à beleza humana, especificamente à masculina, tal como eu gosto, sem tirar nem pôr. Não denigre a beleza do meu sexo nem secundariza a beleza de outros espécimens masculinos. Apenas corresponde ao que alguém sabe dos meus gostos e está à vista para todos e todas apreciarem. Quem não gosta, olha menos, Senhor Tozé, ora, ora...
Se algum dia no teu estaminé partilhares connosco uma foto parecida com esta, isso sim, será um post paneleiro. Agora um gajo no meu blog? Nah! Tem juízo!

sexta-feira, 9 de março de 2007

Lá se foi a reforma da avózinha

A sério que fiquei curiosa acerca dos gostos musicais desta senhora e impressionada por, aparentemente, não ser uma infoexcluída - como agora se diz por cá.

quinta-feira, 8 de março de 2007

Sabem o que é isto?


Um ramo de malmequeres fresquinhos e frondosos, oferecido ali pela Senhora do Bosque. Ninguém lhe toca nem cheira!

Obrigada :)

quarta-feira, 7 de março de 2007

Reflictam,...

..., concordem, discordem (cordem), discutam, pensem, berrem, aprofundem, mas leiam isto e digam lá se não é assim que deve ser:
--









"Be courteous to all, but intimate with few, and let those few be well tried before you give them your confidence. True friendship is a plant of slow grow, and must undergo and withstand the shocks of adversity before it is entitled to the appellation. "


-



George Washington



--



(é verdade: isto foi tirado do boogle, que clicko constantemente cada vez que um PC se me atravessa à frente)

terça-feira, 6 de março de 2007

Acreditem ou não...

...isto é um relógio. Para que nunca se atrasem a publicar os vossos posts e/ou a comentarem-me.
(Gabo-vos a paciência :P)

sábado, 3 de março de 2007

Infantilidades linguísticas

Ele: Ó mae, o que é que os japoneses falam?
Ela: Falam japonês.
Ele: Então fala japonês.
Ela: Mas eu não sei falar japonês. Apenas sei uma palavra...é arigato.
Ele: Olha! Eu também sei falar japonês...ARICÃO!
Ela: (riu-se e pensou: ok, temos gente!)
Catarina, se leres isto perdoa-nos a ignorância ...hehehe

sexta-feira, 2 de março de 2007

Correio Sentimental

(De quem será?!)



  • Dear Abby:
My husband is a liar and a cheat. He has cheated on me from the beginning, and, when I confront him, he denies everything. What's worse, everyone knows that he cheats on me. It is so humiliating.
Also, since he lost his job five years ago, he hasn't even looked for a new one. All he does all day is smoke cigars, cruise around and shoot the bull with his buddies while I have to work to pay the bills. Since our daughter went away to college he doesn't even pretend to like me and hints that I may be a lesbian.
What should I do?
Signed,
Clueless
> >
  • Dear Clueless:
Grow up and dump him. Good grief, woman. You don't need him anymore. You're a United States Senator from New York. Act like one.




terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Ao menos nunca se chatearão durante 25 anos


Olá, olá e olá :)

Gostam de ler, não gostam? São sensíveis e inteligentes, não são? Surpreendem-se com o que os outros fazem (ou não fazem), não é?


Pois então, leiam esta notícia e digam-me honestamente se acham que isto seria possível por cá:

sábado, 24 de fevereiro de 2007

Espreitadela ao blog

Sabem aquela sensação que têm quando vagueiam pelos blogs e descobrem, com alguma surpresa, que o vosso blog está linkado num outro blog no qual nunca puseram a vista em cima? Vós, que vindes aqui silenciosamente, deixem ao menos um olá, para eu ficar a saber que existem :)

sábado, 17 de fevereiro de 2007

Aula de Português para estrangeiros - os aumentativos


Se eu rezasse, fá-lo-ia assim:

Querido Deus,
até agora o meu dia foi bom:
  • não disse mal de ninguém
  • não perdi a paciência
  • não fui gananciosa, sarcástica, rabugenta, chata nem irónica
  • controlei o meu stress
  • não reclamei, não gritei nem praguejei
  • não tive ataques de ciúmes
  • não comi bolos, chocolate nem rebuçados
  • também não fiz débitos no meu cartão de crédito (nem no do meu marido) e nem passei cheques pré-datados

Mas peço a tua protecção, senhor, pois vou levantar-me da cama a qualquer momento ...

BOM FIM-DE-SEMANA!

(obrigada, zézito)

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

Só p'ra dizer que...

...adquiri recentemente uns blogs, coisa pouca, que aparecem listados ali do lado direito. Vão espreitar, vão, que são coisa boa.

Sim ...porquê?? - 2

Que tipo de droga tomarão os anões da Branca de Neve para depois de 20 horas a bulir sairem a cantar da mina? Porque é que o Ministério do Trabalho não investiga este horário?

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Sim ...porquê?? - 1




Por que é que o Incrível Hulk, quando se começa a transformar, rebenta toda a roupa menos as cuecas? Serão estupidamente elásticas?

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

É hoje, é hoje!!

Tal como referi o ano passado, hoje é Dia da Queca, assinalado a vermelho, a rosa e com essas lamechices todas, às quais também me rendi, quando era "jove" (ai!), mas que agora só rendem carcanhol a muitos. Sim, porque o amor deve ser sentido diariamente, quando se lava a loiça ou se arrumam as peúgas mal-cheirosasa do/a outro/a. Como tal, e para assinalar este dia dum modo "sui generis", deixo aqui o meu contributo, um singelo cartão amoroso, desejando que tal nunca vos aconteça. E BOM DIA!
O postal diz o seguinte:
"Roses are red
Violets are blue
I have an STD
Now, so do you"
(STD = Sexually Transmitted Disease= doença sexualmente transmissível / transmitída)

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

Interregno na pausa anunciada

Li a curta reportagem sobre ela, li a entrevista no sábado de manhã, pasmei a olhar para a sua cara (acima de tudo impressionou-me o seu olhar triste, nada condizente com a maior parte dos textos que já li dela) e ouvi-a hoje de manhã, durante breves minutos na Antena3. É uma miúda, com voz de miúda, com risos de miúda e ainda com hábitos de miúda. Foi "puta" e não descarta a hipótese de voltar a sê-lo. Não se sente ofendida quando a chamam de tal, diz que é assim que se tratam naquele meio. É despudorada, frontal, nortenha, sem medo de mostrar o que foi e o que é. Gosta do que todos gostam e fez disso sua profissão durante 4 anos. Escreve, com muitos erros ortográficos, mas com muita emoção, com sentimento, com humor, com o coração nas mãos. É genuína, cabra para aquelas e aqueles de quem não gosta, humilde e com princípios, mesmo que a maioria das pessoas não lhes chame assim, é cruel na linguagem, choca, não renega as origens, não guarda rancor aos progenitores. Faz questão de, neste momento, não levar vida dupla, nem mesmo perante os seus pais. Assume totalmente o que é. Só por este motivo, é alguém admirável! Vários já a descreveram, eu própria falei anteriormente do seu blog, que leio diariamente, e depois de "a olhar bem nos olhos" apeteceu-me escrever novamente sobre ela, fazer-lhe publicidade.
Maria, se tiver sido injusta, desculpa e corrige-me.

Será no mínimo interessante observar de que modo é que a Andreia Soares vai lidar com esta exposição pública, anteriormente proporcionada quase só pelo blog e esta semana pelas entrevistas que tem dado, após o lançamento do seu "diário", que ainda não procurei, mas há-de entrar nesta casa um dia destes!

Para ti, querido...

...blog: desculpa, mas não tenho tido o tempo suficiente para te dedicar de corpo e alma. "Já" venho, é uma fase, brevemente passa.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007

Foram "descobertos" alguns manuscritos de Eça de Queiroz

Ainda há boas e interessantes notícias neste país!

--
De qualquer modo, e porque um dia também eu vou ser famosa - porquê, é que ainda não pensei no assunto - , deixo-vos aqui um manuscrito em primeira mão, bem à vista de todos! Gostava de saber o que é que os chineses pensarão disto, mas isso acho que nunca vou descobrir.

Que remédio! (Há perguntas que não deveriam ser feitas)

(Obrigada, Luís)

Assunto do dia

Sabem aqueles links de publicidade que o GMAIL apresenta do lado direito do nosso correio? Pois há bocado reparei num que dizia "temos soluções para depilação masculina definitiva". Ora, homens que me lêem, qual a vossa opinião sobre esse assunto?
Eu cá, acho muito mal! E até já me expandi sobre este assunto dos pêlos, aqui há atrasado. A minha opinião mantém-se inalterada: até aceito que a mulher se livre definitivamente dos seus pelitos, apesar de achar que um aqui e acolá nunca atrapalhou nem engasgou ninguém. Quanto aos machos, a história também se mantém: macho que é macho TEM que ter pêlo no corpo todo! Qual depilar o peito e as sobrancelhas, qual quê?!?! Fica feio! Não me dá prazer nenhum passar a mãozinha por uma pele masculina sem penugem. Não gosto de macacos, obviamente, mas acho agradável à vista e ao tacto um macho com pêlos nos sítios devidos. Porra, é uma questão de masculinidade, caraças! Tá bem que tá na moda ser metrossexual, cuidar do seu corpo com cremes, com mais exercício físico e uma alimentação cuidada, com colorações capilares e coiso e tal! Mas homem que é homem NUNCA, mas NUNCA se depila, quanto mais definitivamente!
É por esta razão que umas vezes gosto dos exemplares que a Robina mostra à gente, e outras vezes não gosto.
Conclusão: este tipo de publicidade só faz mal ao pessoal, especialmente aos homens. Mas isto é só a minha opinião, e vale o que vale, como agora também está na moda usar por tudo e por nada!

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

Aproveitem ainda hoje a dica

Com sorte, e porque hoje é quinta, amanhã também poderão prolongar ainda mais a hora do café.


quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Este também não é para todos, mas eu gosto!

Igualdades

Um gajo ficar tetraplégico ou calhar-lhe o Euromilhões, é exactamente a mesma coisa...

Seja de que maneira for, não faz mais nada o resto da vida.

Dúvida pessoal: será que errei a profissão?

Estou aqui de olhos em bico, algo saturada de ser "inseridora de dados pessoais" de terceiros, a fim de serem posteriormente tratados em termos estatísticos por quem de direito. Dados esses que nem sempre correspondem às opções que o formulário on-line oferece, e como tal, tenho que me desenmerdar da melhor maneira possível. E pensei eu, ingenuamente, há uns anitos atrás, que a minha profissão envolvia única e exclusivamente saber lidar cientificamente, pedagogica e socialmente com pessoas. Estou farta disto (da tarefa, não da profissão, apesar de tudo)!

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007

Há gente muito preguiçosa! Depois queixam-se que este país não anda p'rá frente. Pudera...

Bem, a preguiçosa do dia publicou o que a seguir vão ler, se é que já não leram lá. E eu, como me sinto preguiçosa, roubei-lhe o texto, que afinal até era meu, mas ela usou...e bem. E depois veio outro preguiçoso que há uns tempos também se aproveitou de não sei quantos bloggers e ....pimba...fez o mesmo :P E a ti, meu caro FiFi, sei bem onde te levava, mas como sou decente, não incomodarei os meus leitores de hoje com linguagem imprópria!


--
Os 4 avôzinhos


Este hábito vinha-lhes da sua juventude, da vontade que tinham de sentir como era ser mulher, de ser o alvo dos olhares promíscuos e maliciosos dos seres do seu género (masculino). E os 4 "jovens" galhofeiros lá da aldeia nunca deixavam o crédito por mãos alheias. Em anos transactos, e por decisão unânime do Ness Xpress, do Robino, do Legível e do Finúrias, tinham-se disfarçado todos de Super-Heroínas, de Donas de Casa Desesperadas, de Ninfomaníacas, de Freiras, de Loiras Burras e Mamalhudas...tantos foram os disfarces ao longo de todos estes anos e todos eles registados pela objectiva do Tozé. Sempre tão simpáticos e dispostos a partilhar o seu humor sem idade com os demais, este ano, os 4 galhofeiros decidiram montar nas suas Harley, Honda, Yamaha e Kawasaki e mostrar ao mundo os seus dotes de condutores inatos e excelentes compinchas. Assim, temos da esquerda para a direita o Robino, sempre de dedo em riste e permanente mau-humor e impaciência que faz questão de não esconder; ao lado, o seu grande amigo Ness Xpress, o mais atrevido deles todos, sempre disposto a dar uma perninha a quem necessite; de seguida, temos o mais recatado deles todos, o Legível, aparentemente tímido, como mostra o seu ar nesta foto, mas um verdadeiro vulcão quando usa as palavras como arma de tentação; e por fim, o Finúrias, um verdadeiro conhecedor de veículos de duas rodas, um dominador quando se trata de tomar as rédeas da condução!

--


  • Nota da autora: se os envolvidos se sentirem de algum modo ofendidos, temos guerra!





segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

DON'T ASK!


Este cromo não...


...vos faz lembrar de alguém, a modes que português?

Ai, nem sei o que diga, nem...

...o que faça. Não sei se o mime, se retribua a crítica, se comece a despedir-me dele mais convenientemente, se me converta ao FCP (nem morta!!!).
Eu cá estou inchadérrima, sem reacção (racional) e com um sorriso muito estúpido na cara. Sendo Leão de signo, adoro, como sabem, ser o centro das atenções e adulada e destacada e falada. Acho que eu dava uma óptima personagem do jet-set nacional. Que acham?
Pois o meu mais recente visitante assíduo fez-me isso tudo, e mais, aqui. Vão lá, vão, vão. Vão lá confirmar tudo aquilo que eu sou. Leiam-no repetidas vezes durante a manhã de hoje e venham cá elogiar-me ainda mais, sim? Ai, era mesmo disto que eu precisava numa segunda de manhã, depois de já ter estado a suar as estopinhas com 13 homens - já houve 2 baixas, desde que começou esta epopeia! Quem não sabe do que falo, que pense o que quiser :P
---
(Rai'smapartam! Então não é que o sitemeter foi de vela há 4 ou 5 dias atrás e hoje, depois dum elogio destes, nem sequer sei quem me visita e de onde vem? A falta que uma coisa destas realmente faz!

domingo, 4 de fevereiro de 2007

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Vamos ao que interessa

Eu voto "SIM". Ele vota "NÃO".
E tu votas? - pergunta fácil de responder, portanto não se ponham a inventar!

Ventosidade ruidosa e mal-cheirosa expelida pelo ânus

ou seja, "PEIDO".
---
Mas vamos ao início.
Um dia destes comprei mais um livro infantil que me pareceu interessante para o rapaz, de seu título "Respostas às perguntas das crianças: O Corpo Humano" (Editora Fleurus). Ultimamente anda muito intrigado com a questão da sementinha que o papá pôs na barrigota da mãe, há uns anitos atrás. Não sabe muito bem se foi colocada na boca, se noutro orifício qualquer - é daquelas dúvidas infantis que os miúdos vêem esclarecidas na prática cada vez mais novos. Que é que isto tem a ver com "PEIDOS", perguntam vocês. Nada! Apeteceu-me partilhar esta intimidade convosco.
intimidade convosco.
Continuando, ...a páginas tantas, e depois de muitas perguntas sobre isto e aquilo e mais aquilo, no capítulo d'"A Digestão e o Aparelho Digestivo", aparecem estas três questões:
---
  • Porque damos peidos?
  • Porque cheiram mal os peidos?
  • Como se chama um peido silencioso que cheira muito mal?
--..devidamente respondidas e de fácil compreensão.
--
Quer-se dizer: andam aqui uma mãe e um pai a tentar educar um filho da melhor forma, nos melhores moldes pedagogico-científicos, a ensinar-lhe que há "palavras feias", a dar-lhe sermão e missa cantada quando ele profere uma destas, e vem agora um livro infantil a usar para trás e para a frente a palavra "peido". Quer-se dizer, então para que usamos nós "pô", "traque", "gases", "flatulência" (esta é demasiado elaborada para a idade dele) com miúdos desta idade? Bolas, eu sei que ele vai aprendê-las todinhas e usá-las, mas ainda é um bocadito cedo, não? Respondam-me, pais, mães, tios e tias e outros que me lêem: vocês usam este termo com os vossos pequenos? Andarei eu a ficar linguisticamente púdica?
Desculpem-me o desabafo maternal, tá?
---
Já agora, alguém me sabe dizer qual a categoria onde a TLEBS insere (inserirá? inseriria?) "peido"?