quarta-feira, 30 de julho de 2014

Da minha leitura actual

Li algo, logo no início do livro, sobre os alemães, em comparação com os franceses, que achei tão mau, de tão mau gosto, tão insultuoso, que tive que me lembrar que o narrador não é o mesmo que o autor, mesmo que este tenha sempre a última palavra. Um exemplo: "Aos alemães conheci-os, e até trabalhei para eles: o mais baixo nível de humanidade concebível. Um alemão produz, em média, o dobro das fezes de um francês. Hiperactividade da função intestinal em prejuízo da cerebral, que demonstra a sua inferioridade fisiológica (...)".
E assim continua por quase mais duas páginas. Não é policial sueco nem de tal se aproxima. De autor italiano, cuja prosa densa não é minimamente atraente, não sei se eu terei coragem de o levar até ao fim.

Quem corre por gosto não cansa ou como AINDA tenho os cotovelos esfolados

Há uma semana, estava a brincar nos escorregas do Slide&Splash. Tenho dúvidas, se a esta hora, após a segunda descida de Torpedo e Twister, não tinha já esfolado os cotovelos. Os dois. Na altura, na boa, que a minha atenção estava virada para conseguir ganhar todas as idas às Brandas. Depois disso, uma merda. Eu leio na praia. De cotovelos assentes na toalha.

Ora, a minha ferida à direita está com um arzinho de quem vai precisar de um antibiótico ou de uma amputação...