quinta-feira, 30 de junho de 2011

Posts agendados

Nunca fiz tal coisa e espero nunca fazer. Mas como já disse hoje o GM, como outros o disseram antes, e como muitos mais o dirão nos seus cantinhos virtuais, cada um escreve quando, como e o que lhe aprouver.

E agora a composição...sobre um assunto que me vem à mente bastas vezes, pensado e aqui descrito de forma ligeira, mas pouco espontânea. Texto contraditório, portanto...

O meu blogue, anónimo para a maior parte de quem me lê, é o meu diário, onde escrevo o que me apetece, quando me apetece, como me apetece. É um blogue egocêntrico, tal como a dona. É, neste momento, um blogue espontâneo e impulsivo, tal como a dona em muitas situações reais. É intempestivo, mas já foi mais. É mais sério, tal como a dona o é no momento presente, contrastando com o tom jocoso que o e a caracterizava há alguns anos. Houve, de facto, uma razão de peso para tal mudança, que ainda hoje acho que foi exacerbada e muito mal entendida e aceite. Mas adiante...porque não é acerca disto que hoje quero devanear.

Apercebo-me que muitos bloggers que leio agendam textos. São escritos quando lhes dá mais jeito e automaticamente publicados a uma hora determinada. Acredito que uma das razões seja o desejo de quererem partilhar o muito que fervilha nas suas mentes, a uma ritmo certinho, e de modo a que poucos assuntos fiquem por discorrer. Reconheço que tal automatismo possa reflectir um certo grau de organização mental e de boa gestão de tempo. Qualidades que não possuo.

Talvez por eu me ver como uma pessoa algo desorganizada de ideias e com péssima capacidade de gestão de tempo livre, creio que nunca escreveria hoje o que só viria a ser publicado amanhã. A natureza impulsiva e espontânea dos meus textos perder-se-ia. O gozo que me dá pensar e brincar com o sentido das palavras num determinado momento de boa disposição desvanecer-se-ia. Deixaria de ser o meu blogue para ser uma lista de textos com hora marcada. Passaria a ser quase um dever, e não um prazer, que o é, de facto.