quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

A saga dos espelhos



Os espelhos são dos objectos mais amados e odiados pelas do meu género - digo eu! Gostamos de ter um sempre à mão, a fim de retocar maquilhagem (eu não, que não uso nada dessas porcarias), de dar um jeito ao cabelito, de ver se a puta da borbulha que rebentou na testa de manhã já terá desaparecido à tarde, de depilar as sobrancelhas com uma pinça no local de trabalho, de olhar para nós de alto abaixo, naquelas paredes espelhadas dos centros comerciais e apreciarmos o quão belas e elegantes e na moda estamos e confirmarmos que afinal aqueles pneuzinhos eram pura ilusão. Esta é a parte em que adoramos os ditos cujos.
O problema é quando o nosso próprio espelho, que tanto adoramos, que tanto adulamos, que tanto mimamos com atenção diária, nos presenteia com isto:









Digam lá que não apetece parti-lo todinho em milhares de vidrinhos!