terça-feira, 1 de novembro de 2011

Beijos e abraços e afectos e afins virtuais - este é para o Confuskos

Correndo o risco de nunca mais ser visitada e totalmente ignorada por alguns, a partir de hoje, aqui vai disto:
Há pessoas que lêem e comentam o que eu escrevo e muito simpaticamente, por vezes com criatividade, deixam beijos e abraços quando se despedem. Gosto de os ler, revelam empatia com aquilo que foi partilhado por mim. Mas eu sou uma agarrada do caraças, pois acho que os beijos e abraços e afins devem ser dados com sinceridade, com força, pessoalmente, com as peles a tocarem-se, nem que seja ao de leve - contudo, detesto aqueles apertos de mão demasiado leves, esses são um frete, não um aperto de mão a sério, com vitalidade e garra.
Dizia eu que, apesar de os acolher bem, não é meu hábito dá-los frequentemente, pois mesmo que o remetente os sinta genuinamente, eu continuo a achá-los artificiais, apesar de demonstrar delicadeza por parte de quem os envia.
Devo concluir, assim, que eu sou uma indelicada assumida e desde já as minhas desculpas a quem me beija e abraça sem receber retribuição.