quarta-feira, 1 de fevereiro de 2006

Direito de opinar... porque está na moda

O que uma pessoa não faz para ter 5 minutos de fama...
Ora as duas senhoras em questão têm tido mais do que 5 minutos diários de mediatismo, se não estou errada. Estas duas senhoras, que se amam e vivem juntas há cerca de 3 anos, partilham igualmente a educação de uma criança, fruto de uma relação heterossexual prévia de uma delas. E agora querem casar-se e usufruir dos direitos e deveres duma família convencional...tudo muito bonito, não estivéssemos nós em Portugal.
Cada qual tem direito a gostar de quem quiser, mas porquê avisar com grande antecedência que se vai desafiar a lei portuguesa que não prevê casamentos entre pessoas do mesmo sexo?
Se as duas senhoras se querem unir perante a lei, porque não o fazem em Espanha? Até ficava mais barato, com certeza.
Poupa-se imenso partilhando despesas de uma casa, de viaturas, nas compras ...na proporção inversa de não se conseguir evitar situações sociais discriminatórias, tanto para as próprias, como eventuais momentos desagradáveis para a criança que com elas vive.
Ser homossexual não é doença, mas é contra natura, quanto a mim...chamem-me antiquada, pré-moderna, velha, o que quiserem, mas faz-me confusão. Há lá coisa melhor do que (e agora até me apetecia ser mesmo muito ordinária, mas deixo essas palavras para a intimidade do meu lar) "fazer O Amor" com o sexo oposto? Há lá coisa melhor do que cheirar o sovaco de um GAJO logo pela manhã?
É uma questão de mentalidades? E eu ainda estou na Idade da Pedra? Pode ser que sim, mas não sou de modo algum favorável a casamento entre homossexuais, sejam homens ou mulheres. Vivam juntos, amem-se, enrabem-se, lambuzem-se, dividam espaço e despesas...mas casar é para pessoas de sexo oposto.
E pronto...opinei.

Eloquência saloia

Um destes dias, uma professora da 1ª classe, decidiu contar a historia dos três porquinhos. Foi contando até que chegou a parte em que os Porquinhos tentavam angariar materiais para construir as suas casas.
Diz ela: "E então, o primeiro porquinho chegou-se ao pé do carroceiro que transportava fardos de palha e perguntou:
- O Sr. não se importa de me ceder um pouco da sua palha para que possa construir a minha nova casa?" - contou ela.
Depois, virando-se para os alunos, perguntou:
"E o que acham vocês que o homem disse?"
Respondeu logo uma das criancinhas:
- O homem deve ter dito: "Fooooooooooda-se! Um porco que fala!!!"

Bodas de Prata

Para comemorar os meus 50 posts, ofereço-vos uma bela fotografia erótica. Sim, porque eu não gosto só de comer bem, mas também gosto de fotografia...sendo assim, e porque "O Nú" pode ser visto com olhos de artista, espero que apreciem este presente que aqui vos deixo: reparem na pose do artista, na textura da sua pele, na cor de pele que o bronzeado lhe deixou no traseiro...com certeza o vosso olhar observará algo mais que o meu não vê.

.

.

.

.