terça-feira, 29 de dezembro de 2015

De bola e de pilas: nada a ver, mas ...

... foi o que me ocorreu quando soube da última: neste momento, a pila do Sporting é maior do que a pila do Porto e a do Benfica. Resta saber o que é que a NOS e a MEO vão fazer com elas.

Coisas para as quais, a certa altura da vida, ainda não estamos preparadas

Por exemplo, ler livros.
Durante o meu processo de vida como leitora adulta comecei a ler vários livros várias vezes e várias vezes os abandonava, desejando retomá-los mais tarde. Achava-os enfadonhos a ponto de me darem sono ou difíceis de ler e perceber. Não insistia e acabava por pegar noutro que substituísse o anterior e nem sempre a sensação de satisfação plena chegava.
Ontem peguei novamente no Ulisses. Já tinha pegado no Ulisses em ocasiões passadas e nunca adiantava muito, pois não conseguia manter-me focada no fio da meada. Aquilo não é nada fácil. Ontem devo ter lido 5 ou 6 páginas duma edição brasileira, lançada por um certo jornal português há cerca de 5 ou 6 anos. Não sei se um Buch brasileiro ou um Stephen brasileiro vão conseguir captar a minha atenção o suficiente para levar a cabo esta tarefa herculeana, mas hei-de insistir mais do que das outras vezes.
Ou estarei a cometer um sacrilégio literário ao não o ler na língua original? Dúvidas, só dúvidas!