segunda-feira, 20 de agosto de 2007

Ódios de estimação

Num destes dias fiz 35 anos. Já não sou trintinha, mas ainda não sou trintona. Vou passar os próximos trezentos e tal dias num limbo etário. Nesse dia, recebi os habituais telefonemas de parabéns e de um bom dia e coiso e tal e ouvi aquelas piadinhas sem graça nenhuma que toda a gente conta nestes dias supostamente especiais...aquelas coisas que ficam sempre bem e sabem sempre bem receber. Tudo dentro da normalidade.
Mas o que me deixa mesmo fula são as SMSs, seja no meu dia de anos, seja noutro dia qualquer do ano. Não gosto, raramente mando, acho impessoal. Mesmo as que recebo, faço um frete para ler aquelas abreviaturas todas. Até colegas de trabalho já me enviaram mensagens abreviadas, o que acho um absurdo e uma grande falta de brio. Se eu quero parabenizar alguém, saber o que se passa com a pessoa, ligo-lhe para ouvir a sua voz, saber de coscuvilhices e afins e passar minutos longos na treta.

E pronto, era isto; regressei de férias e já estou a refilar, como é característica minha...tenho ou não tenho razão?