domingo, 29 de março de 2015

Da passagem do tempo

Observar alguém com 83 anos a assistir ao despojar e à partilha dos seus pertences reunidos ao longo duma vida, armazenados numa casa construída com esforço e com gosto, onde já não vive há cerca de 5 anos, faz-me lembrar que ser desapegada dos objectos que nos dão prazer diariamente e trazem memórias é o mais sensato e menos doloroso quando a vida se aproxima irremediavelmente do final.