terça-feira, 17 de junho de 2014

É impressão minha...tardia

...ou o blogger, visto no firefox, não permite mais ver as actualizações da nossa blogosfera, pois só mostra um texto de cada vez?

Há algo estranho nesta imagem

...e eu não consigo decidir o que referir em primeiro.bowling.jpg

Confirmo

As tascas e tabernas portuguesas servem muita bem, pelo menos as do Minho! E quando a paisagem permite vislumbrar montanhas e o verde minhoto a toda a volta, há mais um motivo para voltar à tasca, originalmente construída em pedra e cujo interior mantém as suas características rurais e agrícolas. P'rá próxima afiambro no verde! Haja tempo livre à tarde!

1001 maneiras de "caracolar"

Cito:

"Cá vai, conforme prometido e com título sujeito pel’ A Chata. Não serão 1001 maneiras, mas sim 5, que já chegam bem para uma bela tarde de ranhosos e jolas. Lá vai:


Os caracóis cozidos, os pequenos:

Lavar bem os bichos (duas águas, três se tiverem muito sujos);

Colocá-los numa panela e acrescentar água fria, de modo a que fique um cm (um dedo) abaixo dos caracóis. Levar a lume muito brando de modo a que os bichos saiam da casca e faleçam de fora, para não ser necessário usar o belo do palitinho.

Logo que o óbito esteja confirmado, juntar aos bichos 3 ou 4 dentes de alho esmagados, uma mão cheia de cebola picada, um caldo de galinha (knorr ou outro), louro, sal e picante, q.b. e orégãos e aumentar o fogo. Deixar levantar fervura e deixar cozer durante 2, 3 minutos e retirar do fogo. Servir de imediato.

Nota: para que o sabor a orégão não seja muito intenso e o molho não fique muito escuro, usar uma rede de chá para os cozinhar e retirá-los logo que desligue o fogo.


As caracoletas grelhadas, os grandes:

Nada que saber. Lavar bem as caracoletas. Numa chapa de inox (ou numa paelheira com fundo grosso) coloca-las com a casca para baixo e cobri-las generosamente de sal. Quando estiverem mortas, virá-las para que assem e sequem o resto de líquido que restou na casca. Servir com um molho confecionado com margarina vegetal, azeite, sumo de limão, mostarda, sal, louro, alho e piri-piri.


As caracoletas ao alho:

Lavar muito bem as caracoletas e cozê-las da mesma forma que aos caracóis, temperando-as apenas com um pouco de sal e orégãos. Depois de cozidas, descascá-las e reservar.

Numa frigideira anti-aderente, colocar alhos laminados em quantidade generosa, azeite, sal, piri-piri, e as caracoletas descascadas. Levar ao lume bastante forte e deixar fritar bem, sem deixar queimar os alhos. Logo depois de retirar do lume, acrescentar um pouco de vinho branco e deixar evaporar. Servir num recipiente de barro, decorado com coentros frescos picados e duas rodelas de limão.


As caracoletas com ovos mexidos:

Procede-se do mesmo modo que anteriormente com as caracoletas;

Depois colocam-se numa frigideira anti-aderente com alho picado (de preferência no 1,2,3), orégãos, sal, azeite e piri-piri; deixa-se fritar o alho e as caracoletas e acrescenta-se o(s) ovo(s); procede-se como para ovos mexidos, usando um “salazar” ou uma colher de pau. Serve polvilhado com orégãos.


As caracoletas ao alho com camarão:

Procede-se da mesma forma que para as “ao alho”, acrescentando-se camarão que se descascou previamente deixando-lhe a cabeça e o rabo e um pouco de vinho branco, que se irá acrescentando durante a fritura se necessário. Serve decorado com  coentros frescos picados e limão em quartos."

Aviso.

Dúvida que me atormenta, quanto à sociedade feminina

Quem por aqui passa, diga-me: acham que a Pseudo (eu) e a Sócia Chata algum dia vão andar numa pussy fight verbal, cujo desfecho passe pelo término da sociedade literária? Por acaso este pensamento ocorre-me amiúde. Porquê? Somos ambas leoas, temos ambas um feitiozinho peculiar, damos respostas à maneira e raramente deixamos escapar uma.
Ajuizem, sim? Todos os prognósticos e fundamentos são bem-vindos, mas...já sabem...