quarta-feira, 17 de junho de 2015

Do S. João bracarense

As lembranças que tenho dos festejos da noite do S. João de Braga remontam aos meus vinte e poucos anos,  e recordo-me de ruas cheias de gente a cheirar a suor, a martelarem-se uns aos outros e a pedirem licença para andar para cima e para baixo, de cheiro a fritos e das iluminações de rua.
Passados estes anos todos, voltei lá hoje. O ambiente não mudou muito e continuei a não comer as farturas nem a gostar do cheiro a fritos. A diferença é que hoje encontrei muita gente conhecida, a passear, a caminhar a passo acelerado, em família, em grupos de amigos. É para lá voltar, e quiçá petiscar mais do que as cerejas compradas numa das dezenas de barraquinhas, mas não na próxima terça-feira. Continua a ser demasiada gente para o meu gosto. E de preferência com mais luz natural, para poder fotografar melhor os santos plantados no rio Este.

 
(imagem retirada daqui)