segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Das diferenças geracionais

Já se contam pelos dedos de uma mão os dias que faltam para o próximo sábado. Mas quem conta não sou eu. Eu só contei os muitos euros que estas 27 horas vão custar ao núcleo familiar. Vez única na vida do rapaz e se quiser mais, que gaste o dele quando começar a ganhá-lo. E que agradeça pelos pais que tem que eu nunca fui a lado nenhum e ele já viajou mais com 12 anos do que eu com mais 30 no pêlo!

(Espero mesmo que leias isto, um dia, quando já fores adulto responsável, ouviste, petiz careca com a maça de Adão a querer mostrar-se?)

Há segundas e segundas

E ainda segundas, em que devia ser proibido que certas e determinadas pessoas falassem comigo sob pena de eu, exaurida da cabeça que já estou, lhes fazer o meu suspiro número 1, a minha cara número 2 e dizer calmamente Por favor, cala-te, hoje não estou para ninguém.