segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Humildes desculpas

A Madalena, a tal que há uns séculos tinha um fetiche por pés, reencarnou na autora deste tasco há uns bons anos, quando um gajo com a mania que sabia escrever decidiu reescrever um livrito qualquer e fê-lo online para que o pudéssemos adular (ao gajo, não ao livro). Na altura, a primeira vez,  o gajo esqueceu-se  que a Madalena existia e não lhe deu a devida atenção. Redimiu-se mais tarde, quando meteu no enredo, às três pancadas,  um capítulo hiper-secreto que andava perdido na sua memória intermitente.
Posto isto, o tal gajo regressou aqui após anos e anos de ausência, ofendido com a Madalena dos cabelos longos, e só não lhos puxou porque estava demasiado ocupado a treinar o acordórtográfico (não o actual, mas o que ainda há-de vir). E é por isso que estou a pedir desculpas: não o avisei que tinha voltado. Acho que vou ter que lavar os pés a alguém um destes dias...