segunda-feira, 10 de abril de 2006


Não gosto da Páscoa. Não gosto da obrigatoriedade sem sentido com que algumas pessoas cumprem estes rituais religiosos. Não gostava de quando, até há bem pouco tempo, a família inteira ficava em casa a apanhar seca e a esperar pelo senhor prior que nos vinha dar a cruz a beijar. Fartei-me de vermes!
Tal como não gosto do Carnaval.
E do Natal também já gostei mais...
Isto a propósito da época que atravessamos que felizmente acabará brevemente...
E também porque a imagem que se segue trouxe-me recordações do infantário. Já explico:


Das poucas memórias que tenho desses longínquos tempos, ficaram-me as caçadas aos ovos da Páscoa. Preparadas com a devida antecedência...ovos caseirinhos, alguns ainda com merda de galinha agarrada, que eram artisticamente pintados por todos nós, meias-lecas. Depois as educadoras encarregavam-se de os esconder no jardim, debaixo de colchões, nos vasos, na areia do recreio...e depois a esperada algazarra. Que maravilha quando descobríamos um ovinho...que felicidade quando os nossos tesouros eram todos alinhados e admirados pelos adultos. Belos tempos!
Hoje também gosto dos ovinhos e coelhinhos de chocolate da Kinder. Mas lá está, fazem mal aos dentes e a outras coisas...A idade não perdoa mesmo.