quinta-feira, 28 de abril de 2016

Só falta a última gota de água

Isto de se mudar de operadora de serviço móvel, tendo um telemóvel pré-smartphones, tem muito que se lhe diga, tem! Perdem-se horas a ir dumas lojas para as outras. Só desde ontem já fui a 3 e nenhuma delas conseguiu desbloquear o coiso. Tou vai não vai para inserir o SIM V-D-F-N- num equipamento novo, ainda a comprar, sem ter que passar por estas merdices de procurar a factura ou comprovativo de compra ou o raio que o parta do "velhote"! Basta dar-me um baipe por estes dias e pimba!
Há uma vantagem neste processo moroso: estou incontactável por telemóvel, o que, pensando bem, não é mau de todo.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Momento de poesia

O escolhido (menos mal, pois mal não lhes há-de fazer...):

Camões, Grande Camões, quão Semelhante

Camões, grande Camões, quão semelhante
Acho teu fado ao meu, quando os cotejo!
Igual causa nos fez, perdendo o Tejo,
Arrostar co'o sacrílego gigante;

Como tu, junto ao Ganges sussurrante,
Da penúria cruel no horror me vejo;
Como tu, gostos vãos, que em vão desejo,
Também carpindo estou, saudoso amante.

Ludíbrio, como tu, da Sorte dura
Meu fim demando ao Céu, pela certeza
De que só terei paz na sepultura.

Modelo meu tu és, mas... oh, tristeza!...
Se te imito nos transes da Ventura,
Não te imito nos dons da Natureza.

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Vai sair asneira

Que conselho dariam a uma mãe cujo filho pretende fazer a declamação e respectiva interpretação, numa aula de Português de oitavo ano, dum poema de Bocage?

segunda-feira, 18 de abril de 2016

A beleza da vida...

...está no chilrear matinal dos pássaros da aldeia, mais conhecida por "santa terrinha";
...encontra-se nas flores daquela rua por onde tu passas amiúde e às tantas dás por ti a pensar "aquelas flores ficavam bem no hall de entrada";
...é lida num texto de Somerset Maughan, cujas palavras te recordam alguém que não conheces pessoalmente: "The artista, painter, poet or musician, by his decoration, sublime or beautiful, satisfies the aesthetic sense (...) he lays before you also the greater gift of himself";
...é sentir o conforto, o aconchego e o calor domésticos quando lá fora cai chuva torrencial;
...é sentida quando a felicidade de terceiros invade o nosso bem-estar, aumentando o nosso próprio estado de felicidade;
...é ter horas durante as quais podemos não cumprir um dever;
...está no apreciar do tom alaranjado vespertino que invade a tela azul que daqui, deste escritório, se vislumbra amiúde;
...reside num João Pires que te deixa não só inebriada mas também argumentativa;
...encontra-se nuns ovos moles frescos, embrulhados em folha de hóstia com a forma de concha ou búzio;
...cruza-se contigo logo de manhã quando os teus acordam sempre bem dispostos;
...vê-se num quadro de cores coloridas, com girassóis, que te recorda o verão e o tempo quente;

...continue quem me lê...

sábado, 16 de abril de 2016

Do almoço de hoje, sábado

"Vou apoderar-me de ti! Vou apoderar-me de ti!" - Sussurrava-me o João Pires hoje ao almoço. E não é que foi verdade?! Palerma!

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Já sei o que vou ser...

Na minha próxima vida profissional serei telefonista.
Descobri hoje que tenho apetência e competência e anuência dos superiores para papaguear discursos semelhantes perante interlocutores diferentes.
O que me chateia nesta ocupação é que o braço esquerdo tem que se manter durante horas na mesma posição enquanto o direito escrevinha tudo e mais alguma coisa. Quem me dera ser ambidestra!

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Anedota descontextualizada

Hoje de manhã falei ao telefone com uma mãe que, até o meu telefonema a ter interrompido, tinha estado a estudar Ciências ao lado do filho que "vai ter teste desta disciplina amanhã".

Pormenor sem qualquer importância: o teste de Ciências foi feito pelo aluno / filho na segunda passada.

E é isto...

domingo, 10 de abril de 2016

Qual é o aroma da aspirina?

Para mim, que sou de letras e pouco tendente a coisas científicas, foi uma pergunta que me fez sorrir, pois mesmo já tendo tomado algumas, nunca me apercebi que soubesse a laranja. Sou mesmo insensível!
A quem teve que a responder - e fê-lo acertadamente - deu que supor, pensar, adivinhar, partilhar, puxar pela memória e acertar ao calhas.
Tenho esperança de que o rapaz tome o gosto a ver reconhecidos publicamente e inter-pares os pequenos sucessos que vai obtendo em determinadas áreas e que nunca a sua curiosidade esmoreça.
Neste momento oiço-o ali ao lado, no seu quarto, a murmurar os nomes dos elementos da tabela periódica, colada na parede em frente à cama.
Será que não há maneiras mais agradáveis de adormecer do que pensar em tungsténio e fleróvio e companhia? Há cada tara!

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Férias agostinas

Este ano, parece que vão a sorteio. Interessante será ver se o trio familiar respeitará o resultado e quem vai ficar a torcer o nariz

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Um par de estalos

É o que uma amiga minha oferece amiúde a quem ela acha que se porta menos condignamente ou se sai com algum disparate. Este ministro da cultura nem nisso é original. E continua ridículo.

terça-feira, 5 de abril de 2016

"Panama Papers Revisited"

Vai ser o próximo título dum imbróglio mundial inventado pelo Senhor John Le Carré. Que se mantenha vivo por muitos e longos anos para eu poder ler o que ele escrever sobre esta "ficção" tão ao seu estilo.