terça-feira, 13 de outubro de 2015

E eu caladinha que nem um rato

Cinco "foda-se",  dois "merda" e incontáveis "não percebo o que se passa" são a marca que um certo alguém deixou na minha mente hoje à tarde quando veio à casa nova com o propósito de reparar um certo electrodoméstico.
É, estamos no Minho e este senhor não me enganou!

Baixa-te! - digo-lhe eu

E mesmo pondo-me em bicos de pés, já não é fácil alcançar-lhe as bochechas e repenicá-lo de beijos. Não passa, contudo, sem o aconchego nocturno maternal e sem a tagarelice pré-sono diária.