domingo, 22 de setembro de 2013

Apetece-me lá voltar só para contrariar o Senhor José R. de C.

Depois de andar a turistar pela Holanda durante 4 dias e meio, viagens de carro para entrar e sair do país incluídas, saí de lá ainda mais hipnotizada do que antes de lá chegar. Eu encantei-me com a segurança das auto-estradas, o respeito pela sinaléctica, a hospitalidade hoteleira, a paisagem plana a variar entre mar, lagos e campos, as casas pequenas, a comida farta e saborosa (apesar de caríssima) do hotel, o mobiliário minimalista, as pequenas vilas turísticas floridas, o colorido das zonas rurais, a simpatia e a prestabilidade das gentes de Amsterdão, o ambiente relaxado dum bar de hotel em Roterdão, com as bicicletas e com uma frota automóvel invejável, as ruas estreitas e obscuras a convidarem a passeios nocturnos, a altura deles e delas, os queijos e os mexilhões...e sei lá que mais.
E hoje comecei a ler o tal livro - que terminarei ainda hoje ou amanhã - que vem desmistificar completamente esta minha imagem ingénua dum povo que eu sabia de antemão ser bastante diferente de nós.
"Com os Holandeses", escrito por quem lá reside e publicado em 2009, apresenta-os como pouco calorosos (mesmo com a família), distantes, arrogantes, fanáticos pela organização, muito pouco transparentes, racistas e intolerantes perante o inesperado, calculistas e interesseiros, amáveis e generosos só quando sabem que irão conseguir obter contrapartidas.
Por outro lado, e muito resumidamente, também os mostra como pessoas trabalhadoras, cumpridoras dos seus deveres profissionais e fiscais, zelosas do bem comum, cientes dos seus direitos, reivindicativas, solenes, formais e tristonhas. Segundo o autor, falta-lhes uma certa "alegria de viver".
 
Tenho mesmo que lá voltar e olhá-los com outros olhos!
 

Dúvida literária

Gostaríamos mais ou menos de um determinado livro se este não nos tivesse sido aconselhado por alguém que até ouvimos de vez em quando? Os livros têm valor per si. Mas se forem aconselhados por fulano ou sicrano valem mais. 
Ou não?