segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Primeiro estranha-se, depois entranha-se

As refeições foram quase todas feitas à mesa ou ao balcão, em estabelecimento próprio. Apenas uma teve a mala do carro alugado a servir de mesa, tendo a paisagem circundante - campo, montanha e praia, sob um céu azul limpo - compensado largamente a falta de mesa.
O que estranhei mesmo foi não haver toalhas, nem de pano nem de papel, em nenhum dos sítios onde comemos sentados. Talheres e pratos colocados directamente sobre a madeira ou plástico era o prato do dia e nem os tabuleiros de certos locais de restauração tiveram direito a tal, e alguns estavam bem nojentinhos, para os nossos parâmetros. Se a ASAE andasse por lá, tinha muito por que autuar e quiçá encerrar.