sábado, 3 de setembro de 2016

Pensamentos avulsos depois de ler o último do Harry Potter

Duma penada e a horas impróprias, mais uma vez:

  • Harry Potter é um pai cego, prepotente e medricas, que não sabe que o fruto proibido é o mais apetecido;
  • O Albus e o Scorpius são bissexuais;
  • O Scorpius é um rapaz simpático e totalmente mal visto pelos demais;
  • Mais uma vez, demoniza-se uma figura feminina, a Delphi;
  • Tantas analepses e prolepses dão cabo do raciocínio duma leitora;
  • Nunca vi tantas cadeiras a voar nem feitiços a decorrerem em simultâneo e só quando vir esta gente toda em palco é que acredito no que verei;
  • A Moaning Myrtle está na mesma, os anos não passam por ela;
  • Os outros dois herdeiros Potter só aparecem quando o comboio está para partir;
  • Esta estação de comboios está a precisar de uma renovação das máquinas a vapor;
  • As camisolas de lã, tricotadas à mão, deixaram de aparecer no enredo;
  • Viajar no tempo continua a ser uma péssima e assustadora ideia;
  • A Hermione e o Ron fazer um par cómico;
  • Já a Ginny e o Harry são uma seca, mais ele do que ela, como casal. Não há chama. Malditos empregos!
  • A Gap Generation continua a existir. Seremos sempre uns incompreendidos pelas gerações anteriores;

E para já é isto. E o vosso feedback?