domingo, 28 de junho de 2015

A Rapariga Que Roubava Livros

Ainda não acabei de o ler, nem a meio vou, mas sinto que vai ser um daqueles livros que não esquecerei tão cedo. E esta capa está magnífica, pois é isto que a inevitabilidade da vida faz connosco: brinca a seu bel prazer e presenteia-nos com a presença da morte quando muito bem lhe apetece. Afinal de contas, esta sempre é imortal.