quarta-feira, 27 de julho de 2016

Alma aberta

Queria ter coragem para voar
Ver outros mundos e espantar-me
Ouvir histórias inacreditáveis
Contar histórias vividas

Queria viver como imaginara,
Não viver como posso
Rir-me a toda a hora
Não pensar no que não foi

Queria sentir o que não sinto
E não sentir o que sinto,
Sentindo-me estranha por não sentir

Queria olhar e agir
Pensar e fazer
Planear e rir