quinta-feira, 28 de março de 2013

Nunca um ditado se aplicou tão bem como cá

O que me faz comichão e ter vontade de dar uma estalada em alguém

Ontem apontei o dedo a alguém que se expressa bem, tem sentido de humor, tem espírito crítico, simplesmente porque escreveu - errou propositadamente, como mais tarde esclareceu - um verbo flexionado duma forma que não é a correcta. Senti logo comichão! E cocei! E passou! Mas o erro lá se mantém, que a pessoa é mais teimosa que um asno!
Hoje, ao passar os olhos pelos jornais online, ao ler os comentários que essas notícias suscitam, voltou-me a comichão. E por muito que coce, não passa. E questiono-me, sempre que faço estas leituras, se não haverá ninguém nas redacções dos jornais que passe um lápis azul por esta poluição visual, estes comentários insultuosos, destituídos de conteúdo e que são prova de atentados diários à língua portuguesa.