quarta-feira, 6 de junho de 2012

Oh pah! Esta é boa!

Tenho um anónimo que quer muito rever-me e não faço a mínima de quem seja. Esta agora!

Desfiles diários ou devaneios meus?

É sabido que nós, mulheres, temos olho para as outras mulheres e eu não sou excepção. E com isto quero eu dizer que, discretamente a maior parte das vezes, ao contrário dos homens, miramos as nossas congéneres de alto a baixo e de baixo a alto. Possivelmente a mirada até pressente que está a ser mirada, mas não reage...exteriormente. 
Isto tudo porque na minha escola actual, há desfiles diários de vestimentas super giras, supéééééé fashion e eu faço parte das que miram, não das miradas. E quando as miro, ou melhor, quando aprecio a mesma mulher de alto a baixo e de baixo a alto, dias a fio, penso para mim mesma "onde raio é que ela arranja tempo e dinheiro para vestir peças diferentes todos os dias? quando é que ela vai às compras? será que vai todos os fins-de-semana? será que conhece lojistas que lhe pagam para ela andar a passarinhar os modelitos?" E quem fala duma mulher, fala à vontadinha de mais de uma dúzia que desfilam pelos corredores nos seus saltos e chanatas da moda.
É que eu acho que não é só uma questão de bom gosto e de saber condizer uma peça com este ou aquele acessório. A verdade é que por lá há espécimes femininos que não repetem as peças e eu invejo-as, o que é uma coisa muito feia, como sabemos, porque parecem ter tempo para tudo e mais alguma coisa e nada fica por comprar, pelos vistos!
No outro dia abordei uma destas modelos escolares, com quem já tenho alguma confiança e, ousadamente, elogiei-lhe a albarda do dia: um vestidinho preto, curto e rodado que lhe assentava que nem uma luva, que ela fez acompanhar duns sapatos pretos todos catitas. Enquanto ela me perguntava em sussurro se não parecia estar ridícula - ela parecia-se com uma bonequinha linda - e agradecia os elogios, dei por mim a pensar "será que ela pensa que lhe estou a bater um coiro ou que sou lésbica?" Felizmente fui salva pelo toque e ala que se fazia tarde. Mas caramba, aquela cidade é mesmo uma cidade de aparências!