segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Eu, noviça

Acabei agora mesmo uma conversa animada e interessante, no facebook (imaginem só!!)  sobre personagens dos filmes infantis. Quando o meu interlocutor me recordou que estávamos a dialogar em público, eu recordei-me duma das razões que me levam a arredar pé daquela obra do demo! Felizmente, o nível não baixou como noutros tempos!

O Lobo Bom

Longe de imaginar que estava a ser observado, o Lobo deliciava-se com o banquete que as suas três companheiras, a Ratinha, a Rata e a Ratona, lhe serviam. É que além dos frutos silvestres, da água da nascente ainda a 6% de Iva, o mais importante era a sua boa companhia, sempre prontas a atenderem servilmente o bom Lobo.

Bom? - perguntam vocês.

Bom. - digo eu

Mas ele não era o Lobo Mau? - continuam vocês a questionar.

Era, mas já não é. - respondo eu novamente. - Agora ele é o que eu quiser que ele seja. E desde que foi afectado - digamos -  pelo caçador, na última história, começou a dar mais valor a certos buracos. Daí só desejar a companhia agradável, bem-cheirosa e jovial daquelas três. Que tratava sempre bem, acrescente-se, com a devida atenção e gestos dum verdadeiro cavalheiro.

(Mais pormenores acerca destes banquetes, só amanhã, se eu continuar deprimida com a realidade!)