quinta-feira, 13 de setembro de 2007

E a saga continua...

Fui para lá de espírito aberto, plenamente consciente do que tinha que ser feito, e descontraída. As minhas desconfianças confirmaram-se: ele tinha que sair fora! E saiu mesmo - após 15 a 20 minutos de pura tortura. Fui anestesiada em três sítios diferentes, levei com a broca, ele serrou o que restava em dois, a seguir puxou, puxou e puxou, eu gemi alto e bom som, eu estrebuchei, eu levantei as pernas e as mãos, e ele continuou a puxar, com força, porque o maldito dente não queria abandonar os seus companheiros. Pediu-me desculpa diversas vezes, mas qual quê? A dor foi intensa. E isso notava-se bem na minha cara! Não tenho memória de, enquanto adulta, ter sujeitado a minha boca a um martírio destes. Agora tenho aqui uma cratera gigantesca, inflamada, sinto a língua gorda e dormente, o sabor a sangue ainda perdura, parece-me que falo de uma maneira esquisita, com a boca "à banda", como se diz para os meus lados...e tenho medo. Rais' partam!

Desculpem o desabafo.

3 comentários:

  1. Ler este post desperta em mim os mais profundos recalcamentos!

    ResponderEliminar
  2. Ai mulher...

    dia 20 tenho dentista!

    que medoooo

    ResponderEliminar
  3. Boltei,

    Arranquei um dente do siso!

    Lá se vai a perfeição!

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.