quinta-feira, 5 de março de 2015

E se “O Xilre” fosse, afinal, uma mulher?



Ah pois é! Aposto que ninguém alguma vez pensou sequer nesta hipótese. Mas vamos lá pensar em conjunto e ver se não há fifty-fifty de hipóteses de, afinal, a pessoa ser do género “fêmea”.

Mais daqui a pouco, contudo...

Agora vou retomar o que fiz anteriormente com a Sahaisis, o GM, a Julie, o Tio do Algarve, o Patife e a Pusinko. E se me esqueci de alguém, na lista de perfis traçados, adianto as desculpas e aceito que me corrijam.

Passo então a dissecar “o Xilre”...

A pessoa caiu aqui no tasco qual passarinho novo e inocentinho, de asinhas leves e azuis, a chilrear timidamente sobre as alarvidades que eu ia escrevendo. Por algum motivo, foi ficando, até que, tal como aconteceu em muitos outros blogs, tornou-se “da casa”. De repente...puff! Desapareceu e, qual fénix renascida das cinzas, surgiu a chilrear nos diversos jardins, com uma elegância nunca vista, mas a fazer lembrar alguém do antigamente; alguém com conhecimentos infinitos sobre as mais variadas artes que terá pesquisado em algum momento da linha temporal da sua vida; alguém que terá engolido um dicionário tal é a quantidade e diversidade lexicais; alguém com fina ironia a discorrer postumamente sobre autores e artistas desconhecidos para muitos de nós; alguém cujos gostos se coadunam mais depressa com uma natureza efeminada do que masculina. Digo eu...

“O Xilre” é uma enciclopédia ambulante inesgotável, com uma sensibilidade extraordinária e incomum e enorme modéstia. Conhecem mais algum ser masculino que pulule pelos nossos cantinhos virtuais onde deixa sempre uma frase simpática  (mais em uns do que em outros, é um facto), reveladora dos seus vastos conhecimentos? E nunca se questionaram sobre como é que a pessoa sabe estas coisas todas? Onde é que arranja o tempo para se cultivar e ainda por cima partilhar?

Pois eu cá acho que só uma mulher, com a sua capacidade inata de realizar diversas tarefas em simultâneo, seria capaz de, em tão pouco tempo – cerca de um ano, ano e meio? – nos presentear com o rol de oferendas ao qual acrescenta sempre uma palavra mais pessoal, uma frase mais sua, um ponto.

Atentem neste texto:


"As pedras iluminam as estradas da fuga

Ao fundo ouço as vozes ásperas rolando como seixos em areia grossa, mas não adivinho ainda quão premonitórias são. Sem pausa nem misericórdia mãos agarram-me, amordaçam-me, arrastam-me, deixo um rasto de pele e sangue pelo chão. Cospem ritmicamente sobre os meus despojos como num imundo ritual de exorcismo. Nos uivos da multidão reconheço julgamentos sumários, culpas imaginárias, ofícios sem santidade. O meu corpo transporta a dor imaculada pelas ruas, o sofrimento tão puro como a carne que se revela quando a pele se despe. Ouço, já perto, o homem da pá com a lâmina a guilhotinar a terra, o jorro dos estilhaços que me ferem a carne. Tiram-me a mordaça e liberto toda a violência do grito contido. Não reconheço a cascata que brota da minha garganta, moldada em horror cintilante. Deixam-me cair no poço negro, os ossos cedem, apenas a cabeça encontra ar.  As vozes tornam-se feras e sincopadas. A um urro de comando, os seixos voam na minha direcção. De olhos fechados, assisto de dentro ao desintegrar da minha face, à pulverização dos ossos do crânio. Recordo os meus mortos que ainda sofrem a vida em mim. A escuridão assenta, as vozes afastam-se, distantes já, e nas pedras que embatem encontro o meu caminho de evasão."



Não vos parece que terá sido redigido por uma alma feminina desesperada, deprimida e depressiva? Não será este um exemplo de texto escrito por mão feminina e delicada? Não sei, não...

Assumindo que a minha suposição até é verdadeira, imagino “O Xilre” como uma senhora na casa dos 50 e muitos, quiçá 60 anos. De feições doces e sempre sorridente por fora, nem sempre condizente com o seu estado de espírito. De trato fácil  e de palavra terna para com os demais. Cuidada e cuidadosa e sempre atenta a tudo e mais alguma coisa, pois tudo e mais alguma coisa são a sua fonte de inspiração. Uma “Avózinha”, portanto...

Ajuizem vossas excelências.

13 comentários:

  1. Confesso que é uma hipótese que nunca me tinha ocorrido. Mas julgo que a argumentação é convincente.

    (Acho que está na altura de fazer aquele post que ando há uns tempos a adiar sobre porque é que a Mach 3 é a melhor lâmina de barbear que a Gilette já fez, e sobre a dificuldade que é encontrar em Portugal um pincel decente de pêlo de texugo.)

    Boa noite, Pseudo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Xilre. E já agora, um post sobre a bola ou outro desporto, sei lá...xadrez, golfe, gamão? :)

      Eliminar
    2. Aí, confesso a minha fraqueza: o meu "handicap" podia andar bem melhor. Assim, até é embaraçoso apresentar-me no "Old Course".

      :)

      Eliminar
    3. Ora! The Allgarve está ao mesmo nível de St Andrews, não?

      Eliminar
    4. Pois tanto melhor que as equações da mui prezada Pseudo sejam resolúveis num X femíneo.

      (Meu caro, está já a Match3 compreendida da lâmina traseira que permite aparar com eficácia os difíceis pêlos por baixo do nariz. Em estando, pondero a possibilidade de as ela voltar. Se não...)

      Eliminar
    5. Caro JM, esse é precisamente o ponto (embora, para esse fim, até uma das históricas lâminas Bic, também conhecidas como armas de suicídio em massa, serviria -- deixando à Mach 3 a restante, e nobre, tarefa de escanhoamento em larga superfície). :)



      :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Olá Cuca!
      Pois eu comecei a desconfiar ...nunca falou da bola, nunca disse um palavrão, nunca falou de carros....que é estranho é!

      Eliminar
  3. Opá opá, sou do tempo desses todos que nomeaste!

    Quanto a mim, é homem. De certezinha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu estou tentado a concordar :)

      Eliminar
  4. É homem, estou com a chata!!!

    ResponderEliminar
  5. AInda me lembro do perfil que me traçaste. És muito perspicaz, mas já viste como ele fala de lâminas e, sobretudo, de escanhoar? Haverá alguma miúda que use essa palavra?
    NUnca li nada dele, excepto o texto que publicaste. Olha, vou ler e que se lixe a bola.

    Esta foi só para falar em bola.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tio, mas "O Xilre" só usa esses termos aqui nos comentários, depois de eu ter levantado a hipótese, porque lá no sítio dele é só rabiscos e musiquitas e às vezes umas coisas de barro. :P

      Vale a pena ler, que não seja apenas para sair do deserto em que a blogo se tornou (o meu tasco inclusivé. É tão original quanto o teu cantinho astronómico. :)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.