segunda-feira, 23 de junho de 2014

Puseram a mordaça ao sócio, não foi?

Melhor que perder é empatar nos últimos segundos do jogo.


Ainda que tenha dúvidas que sirva de muito...

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Pois eu tb acho que puseram, mas não foi a ti, Sócio, foi ao outro :)

      E ontem mais valia termos perdido: não estariamos a fazer contas cujos resultados nunca nos favorecerão. Assim, já sabiamos da nossa vida. Agora isto...

      Eliminar
    2. Não ganhámos mas também não perdemos...

      Eliminar
    3. Pseudo, mas tens dúvidas do que vai acontecer? Mais valia virem já...

      Eliminar
    4. Sócia, eu não duvido. DAí ter dito que mais valia termos perdido. Agora o empate não serviu para nada.

      Eliminar
  2. Desculpem a intromissão, mas está apenas a suceder aquilo que eu previa...
    Falta de empenho não justifica tudo; o problema é que o seleccionador tem que comer e como o 8.º mais bem pago do Mundo, até se percebe que faça favores a clubes e empresários e deixe em casa quem realmente merecia ir e tenha levado coxos e marrecos e paralíticos e gajos para quem a bola é um elemento totalmente estranho, como o rapaz que jogou a ponta de lança(?)
    Mas o que me preocupa, é que naquela federação continuem gajos que apenas se pavoneiam em fatos Armani e que quanto ao desenvolvimento do futebol, assobiam pró lado. Uma cambada de chulos, é o que é!
    Mas também, esperávamos o quê, duma selecção abençoada pelo Cavaco???
    (e aposto que contra o Gana, enchemos!)

    AA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, foste temporariamente desamordaçado? :P

      Eu não esperava muito desta selacção: a vaidade e o show off que demonstraram dentro de casa, com a cobertura de individualidades públicas e da comunicação social em geral, dá nisto: muita parra e pouca uva.

      Eliminar
    2. Gostei tanto daquela parte do rapaz que jogou a ponta de lança...

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.