quinta-feira, 6 de março de 2014

Ao acaso



Pediram-me para discorrer sobre marionetas. Contudo, pouco sei sobre o assunto, a não ser que sou uma delas num país que tem sido porta de saída para viagens além-mar, para destinos quiçá lúgubres e traiçoeiros, quiçá acolhedores e prazenteiros. Sem que se possam culpar a si próprios, estes jovens viajantes desejam encontrar um destino solarengo, não necessariamente soalheiro como o ponto de partida, onde possam pôr um fim a procuras infindáveis por dias risonhos e começar a divagar pelos sonhos que pululam as mentes.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.