segunda-feira, 22 de abril de 2013

Vale sempre a pena

Assistir a uma prova de Trial 4x4 é:
  • esperar uma eternidade que os jipes cheguem ao local 
  • enfardar uma bifana enquanto se desespera e se ouve música brasileira pimba
  • observar a multidão, este ano bastante bem apessoada, por sinal
  • calcar caca de cão e sei lá que mais por entre as ervas e ver os sapatos a mudarem de cor num ápice
  • ouvir um rugir acompanhados pela poeiraça castanha-amarelada que já se entranhava em tudo quanto era lado
  • olhar para as viaturas que, de tão porquinhas que estavam, metiam dó só de pensar na despesa de limpeza e manutenção
  • ver viaturas de diversas dimensões a abanarem dum lado para o outro, nos trilhos abertos para o efeito, como se estivessem a ser manobradas por joystick num jogo de PC
  • ver jipes a atolarem no "lago", depois de 3 ou 4 tentativas para saírem
  • ver esses mesmos jipes a serem rebocados por uma escavadora que fazia pi-pi-pi-pi quando metia a marcha-à-ré
  • ver outros jipes enfiarem-se num buraco escavado na vertical, mais alto e mais comprido que qualquer um deles, e sairem deles sem ajuda da "máquina", quase sem mossas
  • ver o Padre a ir à lama, depois de tentar sair dum jipe atolado e bastante recheado dela, a ponto da viatura escorrer lama quando as portas finalmente se abriram
  • conhecer o Cigano e ouvir o Pregão " Segundas Espinho, Quartas Carvalhos e Domingos Canidelo"
  • ouvir linguagem de homem de barba rija: "ó caralho, tira-me essa merda do buraco", "vai-te foder, seu filho da puta", exemplos do que foi dito acompanhados por sorrisos e gargalhadas sonoras
  • concluir que ainda bem que não é o nosso jipe que anda ali, no meio de gente tola

13 comentários:

  1. Gosto particularmente da multidão que "se apessoa" para ir para uma prova destas. Há que manter a pinta, sempre. Um estiloso/uma estilosa coberta de lama ainda assim é estiloso/a. E uma boa dose de vernáculo do bom ajuda sempre a máquina a andar. E dá mais pinta :)

    Boa noite Pseudo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inocentinho, por qualquer motivo que não consigo explicar, não me parece que tu te coadunes com aquele ambiente. Posso, contudo, estar a ser preconceituosa. Se for o caso, as minhas desculpas. :)

      Eliminar
    2. Sou um moço do campo! Sei o que é ter lama até aos joelhos (não necessariamente vestido a rigor, é certo) :)

      Eliminar
    3. Ora, estes não estavam vestidos a rigor nem nada que se pareça. Mas desconfio que até nus, seriam bem apessoados :P

      Eliminar
  2. Mas afinal para que serve ter um jipe se é para ficar do lado de fora a ver? Assim como assim, mais vale ficar enlameado em cima da bicicleta. É mais barato e muito mais ecológico. E o vernáculo é o mesmo. Ah, e dito pela menina que anda lá no meio, também há gente bem apessoada. E de pernas à mostra :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ness, mas eu disse que o jipe tinha ficado do lado de fora? Disse apenas que ele não tinha estado no meio dos malucos, mas que ficou bem enlameado, empoeirado e mudou de cor, mudou! :P

      Olha lá, isto aqui é sobre jipes, não sobre biclas :P

      Eliminar
  3. Concordo com o Ness :) Com as biclas temos lama, vernáculo do bom, arranhões qb., louras bem apessoadas ;) um mundo. E no final pode vir o cozido que as caloriazitas até sabem que nem ginjas.
    Bom dia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inocentinho, não preciso de andar de bicla nem de jipe para comer cozido :P

      Boa noite. :)

      Eliminar
  4. Só consegui ver uma coisa positiva: enfardar bifanas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Julie...e os gaijos bem apessoados, rapariga?? A começar pelo Padre...oh oh!

      Eliminar
  5. Estás a ficar cercada :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ness, sabes bem que me "des-cerco" rapidamente :P

      Eliminar
  6. sim , há que manter o espirito aventureiro.e todo o terreno...... e andar no lamaçal não quer dizer que não se nade bem cheirosa...lol
    kiss,

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.