quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

E agora uma história da minha infância

É curta.
Quando regressava a pé da escola secundária, a caminho de casa na aldeia, vi algumas pilas a abanarem no meio dos campos de milho. Anexas, havia sempre uma mãozinha e uns assobios matreiros.

11 comentários:

  1. Eu apenas via casais a fornicar nas margens do rio. Fiquei extremamente traumatizado como podes calcular...

    ResponderEliminar
  2. Isso é que é uma paisagem bucólica! ahahahah

    ResponderEliminar
  3. Via-se cinema de Fellini, nessa altura. Havia cultura :P

    ResponderEliminar
  4. Mano, isso explica muita coisa, efectivamente.

    Julie, é o que dá viver no campo. A minha casa não era na pradaria, mas quase...

    Ness, e hoje não há? Tu vais à cidade dela quase todos os dias e desdenhas? Se eles sabem disto, arruaceiros como são, estás frito. :)

    ResponderEliminar
  5. Eu vivo na aldeia. E nem por isso vejo essas poucas-vergonhas! Os teus pais sabem como tu és, sabem? Devem estar muito orgulhosos...

    ResponderEliminar
  6. Ó Querida, isto acontecia há 25 anos. Hoje já não há campos de milho. Além disso, já não posso perguntar à minha mãe se ela sabe como eu sou. O meu pai deve saber :)

    ResponderEliminar
  7. Pilas? Campos de milho?
    Eu no caminho para a escola só via mesmo filas de transito e carros e mais carros, e uma hora de seca nisto tudo, ver pilas e campos de milho, ó ó, parece-me muito mais interessante.

    ResponderEliminar
  8. AC, com 14 anos, eu achava assustador e corria a 7 pés, a sério.

    ResponderEliminar
  9. Tu chamas-lhes arruaceiros mas ainda aí andas, vês?

    ResponderEliminar
  10. Ness, e tu também. :) Pagam-nos as contas da EDP, mas não é por isso que deixam de ser o que são :)

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.