domingo, 4 de dezembro de 2011

Infoexcluída é a vovozinha, mas não a minha!

Porque a minha sabe mandar e-mails. Ora toma!

16 comentários:

  1. As minhas não fazem isso, confesso.
    3 vivas à Vó da Pseudo, que é pró internet! E mais, emaila fotos da época!

    ResponderEliminar
  2. Sim, senhor, catita :-)
    As minhas avós nao sao infoexcluidas, antes desprovidas de vitalidade existencial ...

    ResponderEliminar
  3. Pusinko, calma! Não foi a minha avó que "emailou" esta foto. Esta foi tirada para provar a alguém pseudo-superior, com a mania que é geek, que tb eu sei usar um magalhães para tirar fotos da época. "...é a vovozinha" é uma expressaõ frequentemente usada por mim, daí o título. De qq modo, a única avó que me resta frequentou um curso básico de informática há uns anitos, no centro de dia que a acolheu. Duvido que hoje ela se lembrasse de como é que estas coisas se fazem. Já são 79 anos. :)

    Ricman, ainda bem que elas existem para ti de outro modo :)

    ResponderEliminar
  4. A minha avó Natalina adora threesome, tal como o neto, e gere um site porno chamado Natalina-mos. In your face!

    ResponderEliminar
  5. As minhas avós já não são vivas... mas tenho para mim que a minha avó materna se hoje fosse viva, era bem capaz de gostar de informática!
    Em nova era uma mulher toda "p'ra frentex"... foi sozinha para os Estados Unidos, de barco, tinha 20 aninhos. O mundo vivia o dealbar dos "loucos anos 20"... viveu toda essa década em Nova Jersey e regressou meses antes do crash da bolsa. Ainda hoje há na casa dos meus pais a grafonola e os discos que ela trouxe para Portugal. Um dos temas que eu costumava ouvir, naqueles discos super pesados, era este:

    http://www.youtube.com/watch?v=TIxgBZbHSkg&feature=related

    :)

    Bom Domingo.

    ResponderEliminar
  6. ahahah E eu que percebi tudo ao contrário. :)
    E claro, conheço a expressão mas passou-me ao lado.
    deve ser por andar a dormir demais. Passei os últimos meses com média de 5h por noite e a semana que agora finda com 14-16h por noite/dia, o que deve mexer com o equilíbrio mental, já de si sensível.

    ResponderEliminar
  7. Não, linda, já não existem. Quinaram, residem agora na Quinta das Tabuletas... e não, não é um condomínio fechado :-P

    ResponderEliminar
  8. Bloga-mos, se eu já não soubesse que não bates bem da bola, agora teria-me sentido algo escandalizada :P

    Orquídea, e uma foto dessa grafonola é que era, não) :)

    Pusinko, nunca é demais dormir demais. Nisso, eu sei que sou perita, teria nota máxima :P

    Riquinho lindo, elas existem sim...na tua mente, no teu cérebro, no teu coração...o que lhe queiras chamra, pah! Porra, que não és nada espiritual! :P

    ResponderEliminar
  9. Uma foto da grafonola?
    Lembras bem!

    Ando desde miúda a dizer que a quero de herança... LOL
    Mas está muito danificada e a precisar de um bom restauro!
    :(

    ResponderEliminar
  10. Sempre é melhor ter um Magalhães do que nada. É bem maior do que uma máquina fotográfica de bolso, mas tu gostas de complicar :P

    Sim, estou a espreitar fora de horas, porquê, não posso? :P

    Ah, já me esquecia: dançaste o bailinho? :P

    ResponderEliminar
  11. Ness, mas alguém se queixou de alguma coisa? Mau, mau...em que é que eu compliquei aqui?

    Que andas a espreitar muito, a horas estranhas, sei eu; não preciso que mo digas :P

    Eu dancei um tango a dois. E tu? Bricolage a 3, foi? :P

    ResponderEliminar
  12. Não, só dançarei amanhã. Se o fizer três vezes já fico satisfeito :P

    ResponderEliminar
  13. Ness, deixas para amanhã os TPCs que podes fazer hoje? Nem parece teu :P Depois queixa-te :P

    3? Dream on :P

    ResponderEliminar
  14. Palminhas para a avó da Pseudo!

    ResponderEliminar
  15. Diuska, ele merece, sim senhora. :)

    Tio, as luzinhas estão lá, mas o temporizador faz com que acendam às17:00 e permaneçam ligadas durante 8 horas. A foto foi tirada antes. :)

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.