terça-feira, 3 de janeiro de 2006

É PRÓ MENINO & PRÁ MENINA!

"Magro, de olhos azuis, carão moreno", como o poeta se auto-retratou e como o pintor (Elói) o viu (Câmara Municipal de Setúbal)






Não lamentes, oh Nise, o teu estado;

Não lamentes, oh Nise, o teu estado;
Puta tem sido muita gente boa;
Putíssimas fidalgas tem Lisboa,
Milhões de vezes putas têm reinado:

Dido foi puta, e puta dum soldado;
Cleópatra por puta alcança a c'roa;
Tu, Lucrécia, com toda a tua proa,
O teu cono não passa por honrado:

Essa da Rússia imperatriz famosa,
Que inda há pouco morreu (diz a Gazeta)
Entre mil porras expirou vaidosa:

Todas no mundo dão a sua greta:
Não fiques, pois, oh Nise, duvidosa
Que isto de virgo e honra é tudo peta.

AGORA A OUTRA VERSÃO

Não lamentes, Alcino, o teu estado,

Não lamentes, Alcino, o teu estado,
Corno tem sido muita gente boa;
Corníssimos fidalgos tem Lisboa,
Milhões de vezes cornos têm reinado.

Siqueu foi corno, e corno de um soldado:
Marco Antonio por corno perdeu a c'roa;
Anfitrião com toda a sua proa
Na Fábula não passa por honrado;

Um rei Fernando foi cabrão famoso
(Segundo a antiga letra da gazeta)
E entre mil cornos expirou vaidoso;

Tudo no mundo é sujeito à greta:
Não fiques mais, Alcino, duvidoso
Que isto de ser corno é tudo peta.


Ora digam lá que O Desbocado não sabia do que falava!
Querem mais acerca da obra de Bocage? Vão aqui

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  2. bem ...

    "A ÁGUA"

    Meus senhores eu sou a água
    que lava a cara, que lava os olhos
    que lava a rata e os entrefolhos
    que lava a nabiça e os agriões
    que lava a piça e os colhões
    que lava as damas e o que está vago
    pois lava as mamas e por onde cago.


    Meus senhores aqui está a água
    que rega a salsa e o rabanete
    que lava a língua a quem faz minete
    que lava o chibo mesmo da raspa
    tira o cheiro a bacalhau rasca
    que bebe o homem, que bebe o cão
    que lava a cona e o berbigão.


    Meus senhores aqui está a água
    que lava os olhos e os grelinhos
    que lava a cona e os paninhos
    que lava o sangue das grandes lutas
    que lava sérias e lava putas
    apaga o lume e o borralho
    e que lava as guelras ao caralho


    Meus senhores aqui está a água
    que rega rosas e manjericos
    que lava o bidé, que lava penicos
    tira mau cheiro das algibeiras
    dá de beber ás fressureiras
    lava a tromba a qualquer fantoche e
    lava a boca depois de um broche.



    "A Água", de Manuel Maria Barbosa du Bocage.

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.