domingo, 17 de setembro de 2017

Sabem o que mais gosto na Lisbeth?

A sua frontalidade verbal e o seu sentido de justiça. Não me canso de a ler e de lhe apreciar a resistência mental perante as pedras no seu caminho. Por muito invulgar e violenta que seja, é impossível não ficar do lado dela.

2 comentários:

  1. É a versão adulta da Pipi das Meias Altas, como tão bem a definiu Larsson :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o que eu gosto de miúdas irreverentes, Eros. :)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.