domingo, 9 de outubro de 2016

Queijo, presunto e outros petiscos e a relação com um jogo de andebol

  • Guimarães, hoje, num dia de calor incomodativo.
    Jogo de andebol, que perdemos novamente, por uma diferença de 9 golos. Menos mal.
  • Claques e adept@s em número equilibrado, sendo que as adeptas foram mais barulhentas que os adeptos.
  • Dois árbitros em campo, um melhor do que o outro, que apitavam por tudo e por nada.
  • Adeptos acirrados e em consonância, em relação aos árbitros, à medida que o jogo se aproximava do final.

Um destes árbitros, algo atarracado e bem entroncado, com um volume abdominal considerável, ouviu muito do público adepto de ambas as equipas. Ouviu o que quis e o que não quis e possivelmente não gostou. As adeptas da outra equipa perguntaram várias vezes, estando a equipa delas a ganhar, quantos presuntos é que a nossa equipa lhe deu (O que diriam se estivessem a perder...). Mas a melhor de todas foi um dos nossos adeptos tê-lo apelidado de "queijo limiano". É que era tal e qual: redondinho, volumoso e de cor alaranjada / avermelhada.

6 comentários:

  1. Ou seja, em 5 anos o andebol dos mais pequenos não mudou nadinha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei, Ness. Não sei o que se passou há 5 anos. Mas imagino que assistir a desportos colectivos seja muito semelhante em todo o lado, independentemente da modalidade ou camadas. :)

      Eliminar
  2. Isto não era um blog a 4 mãos? Cadê a "Sócia"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, era e é. Não sei nada dela, mas a Sócia sabe que este tasco está sempre aberto para quando ela quiser escrever aqui.:)

      Eliminar
  3. Para um(a) bracarense será talvez uma dor, mas como tenho imensos amigos em Guimarães torço sempre pelas equipas do berço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernando, como não sou bracarense, torci pela equipa onde o meu filhote joga, que é de Braga. :P

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.