terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Não me pareceu que, em termos monetários, o rapaz soubesse o que estava a sugerir

"Olha, a stôra ainda tem um telemóvel dos antigos!" - dizia hoje o G., espantado e com ar de gozo, quando me viu a pô-lo em silêncio. E ainda perguntou, todo pimpão: "Porque é que não compra um daqueles modernos, que custam €750?"
Ao que respondo: "Tenho e terei. Não preciso de um mais moderno do que este. Além disso, o que recebo não me permite tal compra." acrescentei, sabendo eu que ele pensa que eu recebo mais do que aquilo que de facto recebo.
Dar mais de 100 euros por um brinquedo deste género é um absurdo, digo eu, que não possuo smartphone nem quero.

9 comentários:

  1. Era como tu, recusava pagar mais que 100€. Depois a MEO fez uma campanha de troca de pontos, eu tinha triliões deles, paguei pouco mais que 100 e fiquei com um Fonas. Quando ele pifar, ai...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prefiro gastar os pontos TMN noutras merdices. Um destes anos, veio à troca um daqueles colchões que incham e desincham facilmente em qualquer lado. Dá muito jeito em certas ocasiões. :)

      Eliminar
    2. Actualmente, e visto estar farta deles, troco por vales para a AMI e afins.

      Eliminar
  2. Um dei menos de 100€ por um smarphone. Aliás dei menos de 80€ por um smartphone e não dou mais destes valores por quase nada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marisa, como te percebo. É mesmo muito dinheiro por um objecto mais pequeno do que a minha mão. :)

      Eliminar
    2. bem há uns que são maiores que as mãos ;)

      Eliminar
  3. O meu é super antigo e só serve para telefonar, mas tenho rede no parque no -2 :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. redonda, és cá das minhas! E de certezinha que o teu nunca pifou. :)

      Eliminar
  4. Não pifou apesar de já o ter deixado cair algumas vezes e espero que continue a não pifar :)

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.