sábado, 16 de janeiro de 2016

Hoje fui ao barbeiro

Desta vez fui eu que acompanhei o petiz e ainda antes de entrar, observei a carapinha negra de um rapaz preto sentado na cadeira do barbeiro. A nuca estava a ser trabalhada pelo profissional e muito do cabelo já estava no chão, mas ainda muito do que pertencia ao jovem estava no sítio devido. 
A questão que coloquei ao barbeiro, depois deste jovem cliente sair e de eu própria colocar a mão naquela grande bola cabeluda encarapinhada, foi sobre o destino de tanto pêlo. Respondeu-me o barbeiro: "Lixo, o lixo normal". 
E a questão que coloco é: como é que ainda ninguém se lembrou de dar um destino útil aos milhões capilares - cerca de 4 000 000 000 de euros facturados em Portugal diariamente - resultantes dos cortes de cabelo?

5 comentários:

Vítor Fernandes disse...

Para fazer capachinhos, extensões, tranças, rasta...

Pseudo disse...

VF, não esquecer as perucas. Ainda tenho a que a minha mãe usou durante uns meses...
Mas e outras utilidades? É que continua a sobrar mesmo muito cabelo que acaba por ser desperdiçado...

Maria do Mundo disse...

Seriam muito úteis para os pacientes de cancro quando lhes cai o cabelo.

Pseudo disse...

Maria, essa situação foi presenciada por mim, diariamente, com a minha mãe.
E além dessa utilidade? Como disse antes, sobra ainda muito cabelo.

Ava Pain disse...

Boa pergunta, Pseudo!