domingo, 6 de dezembro de 2015

A doença do beijinho

...foi apanhada pela filha dum primo distante da minha avó, que lhe telefonou  - o primo à minha avó - e, entre outras coisas, relatou-lhe que a filha "doente" só se curou da doença do beijinho à base de chás e comprimidos. Diz-me ela: "Já viste a porcaria que é beijar alguém na boca? Fazer como fazem os da televisão, na casa do putedo, que até a língua enfiam na boca do outro? Uma pouca vergonha! Não sabem que podem apanhar doenças?"
Como é costume, eu coloco-lhe perguntas que a incomodam. Pergunto-lhe se ela nunca tinha beijado o meu avô, de quem engravidou 4 vezes e teve 3 filhos. Ao que me responde: "Eu dei beijos ao teu avô, mas nunca o beijei na boca." Pergunto-lhe se ela acha que eu e os filhos dela não beijam os seus parceiros na boca e até misturam língua com língua. Ao que me responde: "ò filha (de vez em quando esquece-se que eu sou a neta e não a filha), tu já viste se ele te passa alguma doença através da boca?".
Depois de esgrimirmos os nossos argumentos, remata ela: "Pronto, eu vendo-te o peixe como mo venderam, o primo disse-me que tinha sido o médico a chamar-lhe assim, é porque existe."
Tá visto que a mononucleose é de evitar! Nem pensar em beijar, quanto mais beijar mesmo!

2 comentários:

  1. Parece que anda na moda. Na semana passada estive com duas amigas que tinham...mas não as beijei na boca, para descanso da tua avó!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria, "anda na moda" ou anda nas bocas do mundo? :P

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.