quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Prato do dia por ali...

11 anos, fará 12 em Janeiro de 2016. Tem tablet, PC, PSP.  E teve um telemóvel que custou 100 euros, que deitou à sanita porque não era aquele que desejava e sim um I-Phone.
Também tem faltas diárias de material, trabalhos de casa, uma Caderneta do Aluno (a 2ª do ano) com páginas rasgadas e imensas mensagens por assinar pel@ Encarregad@ de Educação. Até tem a 1ª Caderneta deste ano, que apareceu ontem milagrosamente na mochila, apenas com uma mensagem de uma professora.

Espero que em Junho de 2016 ninguém - o próprio ou outro elemento da família - se admire se os resultados não forem os que desejam.

16 comentários:

  1. Tem tudo. No entanto, falta-lhe tudo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. agri, é mesmo isso, usaste todas as palavras que devem ser usadas neste caso concreto. :)

      Eliminar
  2. Querida Homónima, essa história parece a que eu contei ontem, mas vista de um outro lado. Deve ser muito frustrante para vocês, professores, não poderem fazer nada e terem de assistir a tamanha negligência parental.
    Desejo boa sorte, apesar de me apetecer mais desejar um milagre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Homónima, o meu texto aparece na sequência do teu de hoje, precisamente. :) Pensei em deixá-lo como comentário, e iniciei-o, mas tornou-se demasiado longo e decidi transferi-lo para aqui.
      Eu sou ingénua e tenho alguma esperança que alguma coisa mude na vida deste miúdo. Caso não aconteça, teremos um adulto chico-esperto cheio de manha e negociatas obscuras. :)

      Eliminar
    2. Eu não chamaria a isso ser ingénua, talvez antes seja "ser pessoa de boa fé". E a esperança é bom que fique, talvez a transmitas a ele e consigas o tal milagre.
      (que bom saber que o teu post está na sequência do meu, obrigada por mo dizeres)

      Eliminar
    3. Susana: hoje já notei uma diferença: apareceu de cabelo rapado, pente 1 ou 2; assim, evita que passe o tempo a fazer festinhas à popa da franja enorme que tinha. :) Agora falta a parte mais difícil.

      Eliminar
  3. Não percas a esperança:) Depois tens o outro lado da medalha, lá em casa, 13 anos (tem tlm que me ofereceram a mim e que eu passei para ela, que o meu basta que faça chamadas) tem tablet, tem computador em casa que partilha com a irmã, de resto não anda com a polícia às costas que não sei o que é a PSP senão a polícia, mas tá visto que não deve ser...
    Recebeu agora a avaliação intercalar, os muito bons preocupam-na no sentido de os manter, a caderneta é vista diáriamente por nós eu e ela em conjunto, tpc's e testes sempre que chegam são escrutinados de fio a pavio antes de assinados, agora a parte em que lhe achei graça, foi quando ela ontem pôs em causa preocupada 2 ou 3 suficientes com os quais não concorda e me perguntou se haveria problema de questionar os professores " se for no sentido de te explicarem porquê não tem mal nenhum, além disso não fiques assim aflita, alguns ainda te estão a conhecer, vais ver que sobes isso tudo!" "Ó mãe, mas atenção há aqui uma falta de TPC que não é verdade, o problema é que neste dia eu não os consegui acabar, estavam incompletos o que é muito diferente de não ter feito!" ...percebes?! Nem todos os casos estão perdidos:) E o vosso trabalho é tão gigantesco, que no meio de tanta criança, tenho a certeza que muitas das sementes boas lançadas, um dia hão-de brotar e ser bons adultos!

    jinhoooooooosssssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suri, eu tenho o reverso da medalha nesta mesma turma, nas outras 5 turmas e em casa. Aliás, sou mãe babadíssima e orgulhosa e só tenho motivos para sorrir quando aqui chego. :)

      Eliminar
  4. Pseudo, hoje, não conta o saber, só conta o ter. A escola tornou-se num espaço onde se vai durante algum tempo conviver com os amigos. Esta é uma prespetiva. A mais negativa. Entretanto, tenho de concordar com a Suricate, pois há também quem nos encha de orgulho em casa e na escola, e, é por causa desse balanço, que se aguenta a vida de docente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. desabafos, este ano ando a fazer um esforço - inglório, diga-se - para desligar de certas coisas quando chego a casa. Ainda tenho que melhorar umas coisicas :)

      Eliminar
    2. ohhhhh...coisicas...agora fizeste-me lembrar a minha avó e a minha mãe!!!
      Ao tempo que não ouvia o termo:))))

      jinhooooossssssss

      Eliminar
    3. Suri, os "meus miúdos" deste ano já me disseram que eu uso "palavras caras" e "termos esquisitos", como por exemplo "sorumbático" e "semblante".
      Aqui no tasco faço questão de escrever um ou outro mais antiquado. Acho-os tão giros! Devia haver um compêndio destas expressões consideradas antigas! :)

      Eliminar
  5. Concordo:) isso e os regionalismos:)...olha um dia destes atira-lhes com o "escagneficobético"!....ahahahahah quando era miúda disse isto milhares de vezes, mas acho que foi a primeira vez que escrevi o termo, nem sei se será assim:)))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Escaganifobético" (acho que é assim...) faz parte duma geração, da nossa. :)
      Quer-se dizer, acho que tu e eu pertencemos à mesma, não sei. Colheita de 72 ou por aí? :)

      Eliminar
  6. 1969 my friend... sempre que refiro o meu ano de nascimento...levo com uns sorrisinhos "esquisitos"...fiz 46 no passado dia 6 :)))) sim:))) estamos próximas:))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, és filha "flower power" :)
      Tens mais memórias do que eu, mas um destes dias apanho-te. :)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.