quinta-feira, 23 de abril de 2015

Então cá vai, tal como ma leram, em Mirandês - é longa, aviso já.

Esta é a história que menciono neste post, oferecida ao petiz no fim-de-semana passado, pela pessoa que no-la leu há quase 2 anos, à mesa de jantar, à mesma hora e no mesmo local, sobre a qual apareceu a tal poll, cujos resultados, publicados ali em baixo, foram bastante claros quanto à escolha das leitoras e dos leitores.


Los dous cangareijos scunfiados

 Cierto die de fim de primabera, lhebanta-se cedo el tio Purrichas i dizç a la mulhier:
- A Marie, mete-me ende nel cêrrom um chouriço, ûa cebolha um cacho buono de pãm enquanto you bou a acumodar la cria anchir la bota de bino que hoije bou-me a ir todo el die a la pesca.

- Onde bás tu sôlo p'al riu que inda caies alhá i naide te salba, home?! ...Si sos biem tontainas!...

-Hoije bou-me pa la ribeira de Brandilanes a las xardas. Loutro die, passei naqueilhes poços del Molino principalmente nel poço del lhobo bi uns escalhos palmeiros, más guapos! ... a ber se apanho algua cousa que yá tengo ganas dua peixada.

Pega na canha, (que ye ua bara d'ulmo que habie arranjado n'ambierno) nel  ciesto de brime que Zé Pequeininho le fizo, cerrôm i bota de bino à las custas i bota-se a camino.

Chegou a la ribeira, arma los trastes i ampeça a pescar.

Hoije la pesca estaba a dar biem. A las diez yá iba am más de dous arrates - esto se pesados na remana de Jaquim de los Tabacos que la tenie sempre tareada para roubar algo n'l peso, - quando la fame lo chama a cuontas.

Cumo la cousa estaba a correr biem, ambezç de arrumar la canha i puner-se descansado a cumer I muordo nó, deixa la canha armada cumo se num tubira el die todo por sûo cunta. Saca de la fuaça, corta un cacho de pâm, saca el chourioço para fazer lo mesmo mas, senó quando la boia de cortiça feita por el de la rolha dum garrafôm, ampeça a dar sinal de peixe preso. Cû la atrapalhaçom, cai-se-le de la mano el pâm i el chouriço i alha bai todo p'al poço. El poço era el mas fòndo de la ribeira. El pâm ficou a nadar a la flôr de l'auga i apanhou-lo mas el chouriço fui lhougo al fundo. Dando raios a la bida, inda tentou anganchá-lo cu l'anzul mas nada... num fui capaz. Pâm i cebolha foi el que le restou.

Antretanto, p'ul fundo del pôço, passeabam-se dous cangareijos que ibam faziendo cuontas a la bida al sabor de dous passos para lantre i outros dous para trás para num salirem del miesmo sitio cumo ye sina de qualquier cangareijo que se preze de cumprir na bida el qu'el destino le traçou. Mas mal que beiem el chouriço, angancham-se nel i toca de cada um puxar para sou lhado. Antôm um deilhes mas pensante para i dizç al outro: - Tú, oube alhá... Pensando biem, nós pudemos tener eichi para duos ou três refiçones se am bezç de comer-mos el chouriço sôlo lo cumisse-mos cum pâm!...

- Tenes rezóm, diz lhougo l'outro. I quiem bai a buscar el pâm? 
- Bás tu, que you fui quiem biu purmeiro el chouriço.
- Nó, bás tu...

Cumo num se antendiem, num hai outro remédio que nó butar a suortes.

Manos a trás de las cuostas, china na mano i... esculhe!... L'outro batiu, i tocu-te a ti.

- Pronto, bai i num te antretengas. Se fures a Paradela, bai a la tabierna d'l Tio Bispo que la tea Carolina fai acá um pam!... que ye de chorar por más.
- Nó, hoije bou-me a ir a la tea Lolita de Brandilanes. You gusto más de torta cuntesta loutro.
- Fai cumo quejires... mas num te demores.
- Si, you bou mas num te zampes nel chouriço tu sôlo se nó, quando bulbir cul pâm tamien num lo porbas.
- Cumbinado! ...

Alha arranca èl a buscar la torta a Brandilanes que era más acerca do que Paradela enquanto loutro guardaba el chouriço.

L que fichou, inda le gritou abisando:
- Têm cuidado cu la lhontra que custuma andar nesse poço de riba!... 
- Tá biem, - responde el cumpanheiro i fai que se bai.

Passorum seis horas, meio die, um die, dous dies i nada de aparecer loutro cul pâm.

Antôm el que fichou a guardar el chouriço botou-se de cuontas:
- Biem, cumo loutro nunca más aparece, bou-me a comê-lo you solo senó inda se estraga!...

Mal se angancha nel chouriço, oube ûa bôç amenaçadora que benie debaixo de la piedra al lhado
- Num tatentes a butar los dientes al chouriço i a comé-lo tu sôlo se nó, garanto-te, que num sou you quiem bai a buscar al pâm...



(E o que me custou copiar isto p'ráqui? Nem vos conto nem vos digo...)

9 comentários:

  1. Faz lá uma poll para saberes se nos dizes ou se nos contas :P

    Isto lido ainda vai, contado de certeza que não se percebia nadinha :)

    ResponderEliminar
  2. Faço nada, ora. Não me apetece...

    Percebia-se pois! A mim, contaram-ma, na forma de história lida :P

    Mas olha lá, isto é a tua língua, hombre...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achas? Estava bem prejudicado se não soubesse o que se fala do lado de lá do Douro :)

      Eliminar
    2. E que minteressa o que se fala do lado de lá do Douro se isto me foi contado do lado de cá do Douro e é considerada a 2º língua oficial de Portugal, logo, também é a tua língua? Que eu saiba, isto não é espanhol e ensina-se em 1 ou 2 escolas portuguesas, daquelas que ainda estão dentro do território português, sabes...

      Eliminar
  3. Tu desculpa mas não consegui ler um terço...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, Sócia, num te preocupes; eu precisei de 4 dias para copiar isto para aqui...

      Eliminar
  4. Bem, mas havia pão para comer com o chouriço?

    Agora votava em "até gostava que traduzisses de mirandês para português".

    ResponderEliminar
  5. Tia Gri Gri, a sério que leste tudo, tudinho até ao fim??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não, não habia porque um dos cangareijos não fez o que disse, o estúpido scunfiado!

      (Isso já dava muito trabalho, bou masé dormir! :))

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.