segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

A garagem

Não se lembram deste post, pois não? Nem eu me lembrava. Mas dele destaco hoje os seguintes pontos:
"(...)
  • Perdemos as chaves de acesso ao piso "-1" e à nossa garagem.
  • Há 5 anos, quando lá estivemos da última vez, a garagem tinha lenha, uma botija de gás, muito pó e teias de aranha. (...)"
Isto tudo só para dizer que este fim-de-semana lá fomos, por razões que nem ao menino jesus interessam, e estava tudo na mesma: muito pó e muitas teias de aranha. E o que procurávamos já tinha ido com os porcos.

10 comentários:

  1. o gás evaporou-se? e a lenha consumiu-se sozinha? bem dizem que o oxigénio é danado para dar cabo de tudo o que está fechado! as teias e aranha é que têm uma mania de resistir e "procriar"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao, desabafos. Essas niquices estavam lá todas + as teias de aranha. Só o frigo é que não. Depois de muito cogitarmos, lá nos lembrámos do que lhe aconteceu :)

      Eliminar
  2. Parabéns pelo fundo remodelado do Blogue. Está Bonito !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahhhh, Ricado, és mais uma pessoa de bom gosto! Obrigada :)

      Eliminar
  3. "E o que procurávamos já tinha ido com os porcos"...
    Não me parece... A avaliar pelo estado da garagem, os "Porcos" permanecem...
    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, engana-se. Os "Porcos" foram mesmo, quem ficou foi as aranhas :) A sério, é para ler literalmente :P

      Eliminar
    2. Azar...
      Não me parece que "Aranha no espeto" possa substituir o "Porco no espeto"...
      Ficaram ao menos os espetos?

      Eliminar
    3. Quais espetos? Nunca guardámos disso lá em baixo, logo como é que poderiam ficar?

      Eliminar
  4. Garagem??? Disseste garagem, Bizinha???

    https://www.youtube.com/watch?v=RNE73LA2ynY

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Anónimo, não disse garagem.

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.