quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Não saberia o que cruzar

Vivesse eu na Escócia e teria passado o dia sufocada, em pulgas, sem ponta de sono, sem saber para onde pender os pratos da minha balança. 
Se em relação à Irlanda do Norte não tenho muitas dúvidas e sem qualquer dúvida ou problemas de consciência eu votaria num "Sim", pois só esse faz sentido para mim, já no caso da Escócia os argumentos de ambos os lados parecem-se ser igualmente convincentes. O medo perante o desconhecido que me caracteriza levar-me-ia a votar no "Não". A curiosidade e o desejo de ter nas próprias mãos o destino, com todas as responsabilidades que tal acarreta, levar-me-ia a votar no "Sim". 
Não deve ser fácil ser Escocês hoje.

9 comentários:

  1. Pseudo, um kilt não se usa com cuecas por baixo. O whiskey e muito menos o whisky nunca se misturam com água. Mas, acredito perfeitamente que hoje qualquer escocês tenha tomado um café solo.

    Boas noites :=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá JM :) Achas que um é suficiente até chegar as 6 da manhã? E não interrompem a semana laboral! É como aqui :)

      Eliminar
  2. Eu teria sempre votado "Não", nos tempos que correm a dimensão do mercado interno ao país, neste caso agrupamento de territórios autónomos, é fundamental para o desenvolvimento económico. Algo que nós bem sabemos. Já sei que me responderás que a economia não é tudo :)

    Agora que já sabemos o resultado também se pode dizer que foi mais uma vez arrefecido o terramoto iminente em Espanha :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a economia não é tudo. Mas desta vez concordo contigo. E possivelmente eu chegaria à mesa de voto e colocaria o X no "não". Gostaria contudo - e isto porque tenho um fraquinho por minorias em geral - de ir observando como um país pequenininho iria enfrentar dois gigantes: o resto do ex-UK e a fragmentada UE. :)

      Eliminar
  3. Sabes o que eu penso, sabes' Não sabes porque nunca to disse, mas vou dizer agora. As elites dos grandes centros não fazem a mínima ideia do que pensam as pessoas que vivem fora deles. Saberão o que se passa no mundo, mas não sonham o que se passa na aldeia vizinha. Em Edimborough ou Aberdeen podem achar que a ideia de independência é fantástica, e as camadas insatisfeitras com a situação económica pensam que a independência lhes vai resolver os problemas. Mas as pessoas que vivem na Escócia profunda sabem bem que precisam do Reino Unido. Sabem que não querem penar mais 10 anos para poderem voltar à UE, têm pesadelos com os efeitos de uma nova moeda e que um restito de petróleo não lhes assegura saúde e educação.

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Bem, agora já sei o que pensas sobre Edinburgh, essa cidade lindíssima e o que se está a passar por lá e arredores. Como disse antes, a minha indecisão seria resolvida mesmo em cima das urnas e se bem me conheço, por receio, tenderia para o "não". E depois ficaria sempre a pensar duas vezes que deveria ter cruzado o "sim". :)

      Eliminar
    2. A pessoa põe-se a pensar, escrevo em estrangeiro, escrevo em português, e depois sai o que sai. Edinburgh, pois sim (só lá estive uma vez e adorei).

      Eliminar
    3. Como eu, uma vez e adorei.
      E gostaria imenso de lá voltar e até de proporcionar ao meu filho uma experiência de estudos :)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.