quinta-feira, 10 de outubro de 2013

"Ai que nojo"

"Eu não quero mexer na terra", "Isto é nojento", "Eu tenho medo dos bichos", "Aiii, uiiii, afasta as mãos de mim", "Vou sujar as sapatilhas todas", "Stôra, eu não gosto de nabos" e comentários semelhantes...imaginem isto proferido por duas catraias que foram obrigadas a semear nabos, que durante cerca de 15 minutos estiveram de pé, a centímetros da área de terreno onde as sementes foram atiradas, por todos, elas inclusivé. 
Só à estalada: dois pares de estalos em cada cara, dados pelos pais todos os dias, a ver se a mariquice não lhes passava logo!

37 comentários:

  1. Havia de ser no nosso tempo... lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catsone, até eu, que sou menina de cidade niquenta, tive vontade de lhe mandar duas bufardas e de as abanar. Fossem minhas filhas a ver o que lhes faziam....que vergonha! Olha, não vão ter nojo de pegar em certos nabos no futuro, de certezinha absoluta, ou de os meter à boca!

      Eliminar
    2. Quando andava no infantário adorava brincar na terra e meia em tudo o que era bicho. Formigas, escaravelhos, bichinhos de conta. A minha mãe chamava-me Coca-bichinhos. Mais tarde cheguei a apanhar abelhas com as mãos ( e elas não me picaram). Um par de estalos não digo, mas uns valentes berros "deixa-te de mariquices!" parece-me muito bem. Já diz o skip, sujar-se é bom.

      Eliminar
    3. Mirone, pois foi essa a expressão que usei dirigida às duas, perante o resto da turma "DEIXEM-SE DE MARIQUICES!!". O estado de uma delas piorou a olhos vistos, a outra perguntou 3 ou 4 vezes se podia sair da Horta para ir lavar as mãos.

      Eliminar
  2. É meter-lhes as mãos em húmus (que, já dizia o outro, é uma espécie de cocó), e depois lavar e ver como não ficam com peçonha. Que totós!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pusinkito, bota totó nisso! Será que quando vão com às compras, de legumes, pegam nestes de luvas? Amanhã pergunto-lhes, a sério!

      Eliminar
  3. Meu Deus!!!
    "...não vão ter nojo de pegar em certos nabos no futuro, de certezinha absoluta, ou de os meter à boca!"...
    Tu fazes disso rapariga???
    E onde mais os enfias???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, sim faço disso. Pego neles e enfio-os na panela da sopa.

      Eliminar
  4. Como é Stôra vou-lhe falar de uma princesa linda, de nove anos, tão esperta mas tão esperta que desde que entrou para a escola, até hoje ao entrar para o quarto ano, nunca tirou um bom. Sempre muito bom a tudo. Pois olhe que ela só está bem dentro de uma horta. Digam-lhe que tem de ir plantar ou semear, revolver a terra com as mão ou ir a uma festa qualquer, ela escolhe sem hesitar ir para a horta.
    Mora num apartamento e a vida da mãe é um martírio com a prendada horteloa. Não há vaso ou recipiente por mais minúsculo que seja que ela não encha de terra e queira plantar tudo. Até abacates que é uma árvore monstruosa, embora ela não saiba.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OCorvo, há miúdos assim. O meu adora andar no quintal da avó e brincar com o cão e andar a regar tudo e mais alguma coisa, até ele próprio. E tb é miúdo a crescer em apartamento de cidade. :)

      Eliminar

  5. Tadinhas das "pitas"...
    Tiveram um ataque de "quequice" aguda!!

    Precisas de um par de mãos disponíveis?
    hehehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bizinha, eu não sou a mentora do projecto, sou apenas a adulta que acompanha os pequenos semeadores, que são orientados por quem sabe o que está a fazer.

      Mas se calhar, um destes dias, aceito :P

      Eliminar
    2. "Pitas", Storas ???
      Esse tipo de linguagem não será pouco recomendavem para senhoras professoaras que têm o dever de influenciar PELO EXEMPLO as referidas "Pitas"... Cresçam lá um cocadinho se não for muito incomodo...

      Beijinhos do aluno dificil

      Eliminar
    3. Anónimo, leu aqui algures que esses termos tinham sido usados por mim ou por algum /alguma professor /a a lidar com os catraios? Não leu, pois não?

      Até à próxima, senhor (a) aluno(a) difícil.

      Eliminar
    4. Tadinhas das "pitas"...

      Eliminar
  6. :)) ... pois, pode ser uma solução que resulte sim !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo, a do húmus? Bolas, este gente parece que nunca foi à praia pisar cocó de cão.

      Eliminar
    2. Se precisarem de mais um par de mãos digam qu eu vou aí acima ... como é para dar estalos estou sempre pronto ! Não será em quem eu queria mesmo, mas sabe bem !

      Eliminar
    3. Oie? Em quem querias dar estalos, Ricardo?

      Eliminar
    4. Bom Bom, era na Assembleia da República. Corria as bancadas todas !

      Eliminar
    5. Nesses nabos, seriam muito bem dados! E serias aplaudido. :)

      Eliminar
    6. Mas deixa-me contar uma história de um conjunto de curtas-metragens que vi aqui há uns anos, feitas por alguns realizadores franceses. Lembro-me de uma história (curta-metragem que era assim. Um grupo de amigos, entre eles os actors Marcelo Mastroiann e mais três que agora não me lembro do nome, iam os quarto para a gare de Austerlitz.
      Quando um combóio começava a sair em andamento lento, começavam a corre da parte da frente da locomotive para a traseira do combóio e desatavam ao estalo a todos os que na janela do combóio em andamento diziam adeus aos seus familiars... era de chorar a rir !

      Eliminar
  7. Imagino o ar de perplexidade dos familiares fora do combóio. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes crer. Agora não resisto e tenho de te contar a outra história (curta-metragem). Eram as duas que mais impacto tinham nos espectadores. Imagina a Ursula Andrews que era a actriz dessa outra história, loura de casaco de peles preto, completamente núa por baixo do casaco. Ela dirigia-se para um cruzamento das ruas de Paris. Os carros estavam todos parados no sinal e quando o sinal passava a verde, ela, bem junto ao meio do cruzamento, abria o casaco de peles :))) Resultado: Óbvio, chocavam n carros e quando tudo estava engalfunhado em cima uns dos outros... calmamente ela dirigia-se ao primeiro carro batido, já com o casaco fechado e do bolso tirava um cartão de visita de um mecânico amigo dela que tinha uma garagem de bate-chapas !!!

      Eliminar
    2. Ora, um belo sentido de oportunidade e já agora da sua faceta generosa para com o amigo mecânico :)

      Eliminar
    3. Eu sou cinéfilo de há muitos anos. Se gostas de cinema e de comédia, se não viste, tenta arranjar este filem francês e vê. Muito bom mesmo !
      Realizador Olivier Nakache Les Intouchables

      Eliminar
    4. http://pseudoblogdapseudo.blogspot.pt/2013/03/eu-sou-preconceituosa-mas-adorei-o-filme.html

      Vi-o há uns meses e hei-de vê-lo novamente este ano, com os catraios. :)

      Eliminar
    5. Os Bons filmes, livros, canções, vêem-se sempre mais que uma vez !

      Eliminar
  8. Lá estás tu a tentar conspurcar as unhas de gel da pequenada... ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eros, olha que se não eram de gel, não lhes faltava cor. Mas o que mais me impressionou é que estamos a falar duma escola numa zona ruralíssima, com miúdas de 12, 13 anos; aqui é só campos, casas com jardins, hortas, muita vegetação e verde...

      Eliminar
  9. Desculpa, mas acho que os pares de estalos eram aplicáveis era ao pais. Acredito no que diziam os Delfins: "quando alguém nasce, nasce selvagem"... :) Agora os papás e as mamãs é que acham que a pequenada é toda de cristal e ouro...

    Boa noite, stôra!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Xilre, pelos vistos não podes tratar-me por stôra. Tens que crescer um cocadinho e dar o exemplo, oubistes? :)

      E olha que não, olha que não. Estes pais não são pais de cidade. Os que conheci parecem-me bastante conhecedores destas actividades agrícolas. Há unhas que não mentem. :)

      Eliminar
  10. Nem a propósito, os meus marretas têm jardinagem e horta este ano. Diz que franziram o nariz, resmungaram baixinho e, inclusive, houve pais que não acharam piada à coisa porque, hoje em dia, ninguém quer saber da terra (está explicada a alimentação da treta que levam!). Pois deram-se mal (pais e filhos!). Bastou uma marreta (a única que gosta de terra) começar a abrir regos perfeitos na terra, que ficaram todos despeitados. Queria que os vissem agora (quatro aulas depois), a cavar, a limpar, a carregar o carro de cantoneiro, com ervas, para a compostagem! Rai's parta a miudagem que só quer Casa dos Degredos e playstations. Trabalho que é bom, nada!

    E sim, eu também meto as mãos ao trabalho e fico toda consolada!

    ResponderEliminar
  11. Corisca, esta escola onde estou este ano tem uma Horta Biológica, e cada turma é responsável por um talhão de terra, precisamente pelos processos que apontas. À minha DT calhou o dos nabos. Eu nunca fiz nada na vida, no que a plantar e semear diz respeito, a não ser um dia fingir que vindimava, há muitos anos. E estou a achar um piadão a toda a situação. Desta vez só espelhei as sementes; vamos ver que mais me / nos reserva aquela Horta, até ao final do ano. :)

    ResponderEliminar
  12. A minha experiência remonta ao meu 7º ano, em que plantei precisamente nabos. Tirando isso, colocar água nas plantas, mudá-las para o sol e matar um bonsai (foi mais a gata, mas pronto!), conta como experiência?

    Estou a gostar tanto, que quero fazer uma mini estufa cá em casa! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corisca, já me ocorreu fazer o mesmo na varanda; mas fiquei-me mesmo pelos pensamentos. :)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.