terça-feira, 24 de setembro de 2013

Das retretes e das sanitas

O JRC usou a palavra "retrete" a dada altura da minha leitura de fim-de-semana e logo uma luzinha se acendeu no meu cérebro e alguém vociferou logo "Retrete?? Mas já ninguém usa a retrete, quanto mais "retrete"!" E pus-me a pensar no assunto, aqueles meus típicos pensamentos de merda de quem não tem mais nada que fazer a um domingo à tarde.
Hoje já ninguém usa a palavra "retrete". É um vocábulo feio, tão feio quanto a substância que acolhe. Não é uma palavra chique, não é termo que pais modernos treinem os herdeiros a usarem. Até eu, neste preciso momento, penso duas vezes se devo usar a palavra "defecar" ou a outra em que estão a pensar. "Retrete" remete (-me) para um local sujo, velho, de aspecto antiquado, usado por gente com mau aspecto, que a minha avó nunca me recomendaria.  Temos vergonha quando nos vimos obrigados a usar uma retrete pública, onde assenta tudo e mais alguma coisa.
Já "sanita"...ahh, "sanita" é fino. É um local limpo, branco, onde se lê confortavelmente enquanto tratamos das necessidades fisiológicas. Não há problema em deixar a porta da casa-de-banho aberta e as pessoas espreitarem e verem uma sanita admiravelmente limpa, brilhante e até bem cheirosa! Uma sanita é um local agradável, localizado noutro local que até pode - e muitas vezes é - ser decorado com quadros. Por cima das sanitas cá de casa, há quadros pendurados. Não soa mal usar "sanita" numa qualquer conversa, pois não? Já "retrete"...

O que opinam vossas excelências sobre a temática?

40 comentários:

  1. ...ma sanita admiravelmente limpa, brilhante e até bem cheirosa!..."
    Bem cheirosa??? Só se for "antes" e "depois", porque "durante"...a menos que sejas aparentada da Rainha Santa Isabel e soltes dejetos como quem lança rosas...

    Estive bem ou foi um comentário de m...?

    ResponderEliminar
  2. Anónimo, foi um comentário de m... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradecido pela sinceridade...

      Eliminar
    2. Sempre às ordens.

      (Já há muito tempo que não tinha um anónimo como 1ºcomentador! )

      Eliminar
  3. um anónimo??? "O" anónimo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe, sim? Pensei que fosse o cromo de outros tempos. :P

      Eliminar
  4. Retrete, defecar. Palavras que prefiro ignorar existem.

    R.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. R., se lesses o dicionário diariamente descobririas muitas outras :P

      Eliminar
  5. è uma questão de contexto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é ou não é? Não me refiro ao anónimo mais recente, que até é simpático. Refiro-me ao outro mal educado.

      Eliminar
  6. Anónimos mal educados há muitos? A qual se refere? lembre lá uma situação ,,,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, já nem me lembro. Sei que os comentários dessa pessoa deixaram de ser publicados, mas já não sei precisar as palavras dele/dela.

      Eliminar
  7. Então não sou eu.
    Esse é um anónimo de m... e tu sabes bem que eu sou um anónimo de caca...completamente diferente,,,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei bem? Sei lá eu quem vocês são, vocês não deixam o nr de cc, ora.

      Eliminar
  8. "nr de cc"? - Traduz por favor...
    "sei lá eu quem vocês são" - Então e a menina "fala" com estranhos a esta hora da noite???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, queria que fizesse o quê com estranhos a esta hora?

      (cartão de cidadão, o número...aquela coisa com algarismos)

      Eliminar
  9. Peço desculpa por não ter reconhecido o "CC", é que eu ainda sou do tempo do "CU"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, tá desculpado. E é melhor actualizá-lo, não vá um simpático agente da autoridade interpelá-lo à conta dele ou doutro qualquer.

      Eliminar
  10. Assim farei.
    Agora é melhor recolhermo-nos a casa, è que está na hora em que regresso à minha condição de sapo e "Psedo" se trnasforma em "Abóbora Menina"...

    Boa noite.

    PS: A Pseudo tem tanto de reguila como eu de parvo,,,
    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confirmo e acrescento que vice-versa também é válido.

      Boa noite. :)

      Eliminar
  11. Bem se calhar não é assim tão reguila...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe, decida-se, decidam-se que eu vou-me e entrego o tasco aos presentes. :)

      Eliminar
  12. Ora aqui está um tema à altura dos meus pensamentos elaborados. A minha avó, senhora delicada e frágil usava a palavra retrete ( e quarto de banho). A sua estava sempre impecavelmente limpa de maneira que não concordo com a tu perspectiva. Já as pessoas mais novas usam o termo sanita, aquela que nas casas de banho públicas deixam num estado lastimável. Portanto, se tiver eleger uma como chique e outra como choque, retrete é chique e sanita é choque ( ainda que utilize a palavra sanita e a minha casa de banho esteja limpa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mirone, que palavra usas nas tuas conversas diárias?
      Eu já não ouvia / lia / usava retrete há canos!

      Eliminar
    2. Uso a palavra sanita, como disse.

      Eliminar
    3. Caras e muito estimadas senhoras Pseudo e Mirone.
      Nem retrete nem sanita, tão-pouco lavabos, porque uma senhora não faz xixi nem cocó.
      Uma senhora, e numa situação ligeiramente aflitiva, desloca com graça e requinte, a sua perfumada beleza até à aromatizada e harmoniosa casa de banho.

      Eliminar
    4. OCorvo, uma senhora come rosas, é? :)

      Eliminar
  13. Eu acrescentaria uma palavra "linda" a essa: "cumua"! :))
    Eu cresci a ouvir retrete; é que eu sou do campo, sabes?
    De qualquer forma, o meu entendimento da palavra é que se refere ao espaço em si e não apenas ao objecto, ao "trono" e como o banho não era um hábito quotidiano, em regra o local para as necessidades era apenas constituido pela sanita; com a vulgarização do banho, passou a ser corriqueiro chamar-se ao local "casa de banho". De tal forma que agora dizemos "vou à casa de banho" (ou "quarto", mais a norte), para satisfazer qualquer das necessidades fisiológicas.
    Realmente, atento o que expelimos, não poderia ser agradável a palavra que o define, por isso, muitos usamos termos alternativos às palavras terminadas em "ar". Eu por exemplo costumo ir mandar um "fax", outras vezes vou "meditar"...
    Aliás, na suite lá de casa, esse local é assinalado com um azulejo propositadamente executado para o efeito, com os seguintes dizeres:
    "Templo de meditação e leitura".

    (e consegui abordar este assunto de caca de forma elevada, hein?) :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leão, ainda vou indagar algo sobre essa do "fax", aqui em público :)

      Eliminar
    2. Ah! então também não conheces o termo "ir mudar a água às azeitonas", que o meu avô definia como " vou ali verter águas"...queres mais coisas "estranhas"? :)))

      Eliminar
    3. Conheço sim, essas duas e mais. A do fax é usada cá em casa :) Vou listar as que conheço e depois vocês acrescentam as vossas, ok?

      Eliminar
  14. Eu acho que o autor do livro já deve andar pelos Baixos, os Países, há muito tempo. Só assim se explicará o emprego do termo. Acredito também, pela tua descrição do escrito, que a sua visão do holandês seja influenciada pelo seu contexto social, que não conheço e posso estar a assumir erradamente como o do emigrante típico dos anos 70. Isto porque quando lá estive também fui muito bem tratado e tive uma situação algo delicada com uma avaria no automóvel, resolvida de forma exemplar pelo chefe da oficina.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ness, o senhor em questão - José Rentes de Carvalho - reside na Holanda desde, salvo erro, a década de 50 do século passado. Tem cerca de 80 anos, talvez + 2 ou 3, não me lembro e é oriundo do distrito onde resides. Vivendo lá há mais anos do que eu tenho de vida, é obvio que a sua visão sofreu influências, não só sociais.
      Eu é que tinha - e tenho - uma imagem mais romântica, mais superficial, mais positiva das pessoas, que chocou com o que dele li. Obviamente que estou errada. :) Acredito que sejam competentes. Tu também o és, especialmente quando recebes estranhos em contexto laboral. :)

      Eliminar
    2. O livro que li dele foi publicado em 2009. Nele, o autor faz referência - muitas - ao ano de 1971 (vê lá tu que eu nem tinha nascido). My point is: hoje esta palavra não é usada. :)

      Eliminar
  15. Dirias portanto que o referido escritor usava a retrete para obrar. Ars longa vita brevis, não é? :)

    Boa noite, Pseudo :)

    ResponderEliminar
  16. Ups. A pressa em despachar o assunto...

    Santa é pires. Lamento desapontar-te, mas é um termo que nunca usaria, a não ser que estivesse a referir-me a alguma pessoa, como já disse. Não gostas de retrete, chama-lhe trono...Com ironia, claro

    Apetece-me escrever um post de ...
    :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tio, seu desaparecido!!
      Sejas bem aparecido :)

      Escreve! :)

      Eliminar
    2. Pseudo,
      Só por essas palavras valeu a pena o regresso. Escrevi umas merdas em resposta á tua questão. Se te apetecer profundar o tema, passa por lá.
      ;-)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.