quarta-feira, 10 de julho de 2013

Momentos escolares para esquecer - II

Contexto: teste de avaliação, de recuperação (2ªtentativa) de módulo, marcado para as 14:30 do penúltimo dia de aulas, solicitado pelo próprio.
Facto: Aluno visto por volta das 14 horas, na escola, a jogar no seu portátil, a quem, mais uma vez, é recordado do que tem a fazer.
Facto: Aluno comparece na sala às 14:55.

Decorre o seguinte diálogo, mais coisa menos coisa:
Ele: "Ó professora, empreste-me uma caneta, se faz favor."
Eu, de dedo em riste a apontar para a porta: "Estás atrasado. Vai arranjar uma caneta e aparece quando estiveres preparado."

Facto: O aluno não voltou.
Facto: O aluno é visto às 16:10, no mesmo local das 14:00 horas, a conviver animadamente.

Eu: "Tu não regulas bem, pois não?"
Ele: "Ó professora, aqui ninguém tem canetas."
E eu viro-lhe as costas e vou à minha vidinha.

 E pronto, é isto que temos.

27 comentários:


  1. Posso dizer um palavrão??
    Olha que é o que me apetece!
    Dois "bufardos" naquelas trombas e era pouco!!

    Sabes, nós temos filhos e por isso não podemos "cuspir para o ar"... mas quando olho para certos exemplos tristes que os "nossos" jovens dão só me apetece perguntar que esta cambada será toda órfã!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Orfã e sem canetas. E sim, apetece mandar uns socos :)

      Eliminar
  2. Estão bem "um" para a "outra"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, é como tu & eu. Sentes-te aqui bem, não é? Pois eu sei que sim :)

      Eliminar
    2. É uma pseudo sensação de bem estar...É uma sensação como que...de absorção...

      Eu diria mais:

      http://www.youtube.com/watch?v=rxRCWaKFVpQ

      Eliminar
  3. Nao reprimi o riso ao ler a resposta (foi inesperada!), embora esteja totalmente consciente que nao tenho talento nem paciencia para professora, principalmente nessa faixa etária a que te dedicas. Fónix!

    Sou apologista da solucao da AFRODITE: bufardos dos bons :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pusinkito, eu tb sou apologista disso, mas não me deixam praticar tal. E ele não era o único aluno naquela situação, na sala, senão...não sei, não. :)

      Eliminar
  4. E esse aluno vai ter que ter a oportunidade de fazer outra recuperação. Era ficar com o curso por fazer só por causa disso para aprender.

    ResponderEliminar
  5. M&M, essa oportunidade surgirá para o ano, já não será comigo. Mas ele é, de facto, dos tais que anda a passear o erário público.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eu esforcei-me tanto quando andei na escola, especialmente no secundário, que também tinha módulos e não queria chumbar a nenhum porque recuperações é sempre chato, e depois via pessoas que não se preocupavam com nada e não se preocupavam se terminavam o curso ou não e nunca consegui perceber essas pessoas. É como as minhas profs diziam, naquela fase escolar estávamos lá porque queríamos então se queríamos estar lá que fizéssemos para o merecer.

      Eliminar
    2. M&M, e há quem faça. E há os outros. Assim por alto, diria que são 50-50. E notam-se ambos à distância.

      Eliminar
    3. Pois notam-se. É mau é quando lhes são dadas demasiadas oportunidades em vez de lhes cortarem as asas para aprenderem a ser alguém

      Eliminar
    4. Há regras do jogo que deveriam ser mais rígidas e menos permissivas. Mas, enfim...

      Eliminar
  6. Então, se não havia canetas, querias o quê?
    Que fizesse o exame a lápis? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MG, sabes que és tu que andas a pagar este tipo de alunos, não sabes? :)
      Na escola vendem-se canetas.
      Hoje havia centenas de alunos na escola.
      Nenhum tinha caneta? :)

      Eliminar
    2. Sei, sim. E acho que os meus impostos deveriam significar "canetas grates para todos!"

      Eliminar
    3. Lindo, a questão é mesmo essa: para este aluno, dum curso profissional, que tem material escolar pago pelos teus impostos, as canetas são grátis. E nem assim ele se apresenta com uma "mísera" caneta :P

      Eliminar
    4. Se calhar só lhe deram uma e, de tanto escrever, gastou-se!
      Esmifras!

      Eliminar
    5. Se calhar pagaste menos impostos do que devias. Esmifra!

      Eliminar
    6. Se calhar, e já que sao grates, devias ter-lhe dado uma.
      Assim, o pobre diabo não pode fazer o exame.. :)

      Eliminar
    7. A minha não é grátis. :)
      Tadinho, que tem uma professora que não lhe dá canetas. Ao que isto chegou!

      Eliminar
    8. É verdade. Não há condições...

      Eliminar
    9. Lá nisso concordamos! Aleluia!

      Eliminar
  7. Como ainda são pouco mais que sete da manhã e eu ainda estou fresquinho, apesar de não ter dormido grande coisa, lá vai:
    Eu continuo a achar que a qualidade do ensino se tem vindo a degradar ao longo dos anos; é confrangedor verificar que gente que sai da faculdade não sabe p.e. escrever português de forma entendível, para não exigir correcta!
    A culpa não é minha, obviamente, mas parece-me que há vários culpados neste "cartório". Desde logo o Estado, que tem andado há 30 anos a inventar e parece que ainda não acertou! depois a falta de vocação de muitos professores. Durante anos, milhares de licenciados que não conseguiam empregos nas suas áreas, tinham como solução de emprego o ensino; esta solução de recurso produziu maus professores, que produziu maus alunos e que veio a produzir maus licenciados, assim a modos que pescadinha de rabo na boca, num círculo vicioso que conduziu aos maus resultados que estão à vista. Um mau professor pode ter bons alunos, se eles forem "disso"; um bom professor conseguirá fazer de maus alunos, pelo menos alunos razoáveis, porque se esforça e sente a profissão como missão. Por fim, os pais! que também têm muitas culpas. Eu posso parecer retrógrado, mas sempre fui contra as associações de pais! fui convidado para fazer parte de algumas e recusei sempre. Acho que cada macaco deve estar no seu galho! a ver: o que é que eu percebo de ensino, para botar prego e estopa? eu frequentei o ensino público e privado (no colégio Nun'Alvares, em Tomar) e nesse tempo não havia associações de pais. Ali os professores ensinavam, os alunos aprendiam, os contínuos, "continuavam", os administrativos, administravam e aprendia-se! Ah, nem todos chegavam à universidade, pois não e era discriminatório e condenável, mas e hoje? pra que servem milhares de jovens licenciados, muitos deles em coisas que não lembra ao diabo e sem saída profissional??

    Chiça que já me estiquei! eu estou de fora e esta é a minha visão. Admito estar enganado...

    Bom dia, motoreta! :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leão, tanta coisa por causa duma caneta em falta?? Os ares matinais fazem-te bem :P

      Motoreta?? Porra, a última vez que me sentei numa, no assento de trás, quase que me borrava toda. O gaijo era doido :)

      E boa tarde :)

      Concordo com muito do que dizes, mas confesso que estou mentalmente demasiado cansada para discordar do que quer que seja, desenvolver o que quer que seja. Noutro dia, podemos escamotear argumentos, mas não no blog, ok? :)

      Eliminar
    2. Quando a sô psôra quiser!
      (a exemplo de outros temas) ;)

      Eliminar
    3. Olha outro que traz água no bico lol
      Especifica, se faz favor :)

      Eliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.