segunda-feira, 8 de abril de 2013

No que toca a comer e a beber, eu sou de gostos fixos

Não sou gorda, não sou magra, sou de estatura mediana e compleição física normal. Só não digo o peso que acompanha os meus 164 cms porque sei que estou com peso a mais e não quero ninguém aqui a chatear-me. Eu tenho espelho em casa e não sendo cega, gosto do que lá vejo. Adiante...
Gosto de comer, comer muito, comer bem, comer em boa companhia e comer comida saborosa. Há lugares por esse país fora, uns visitados uma ou duas vezes, outros com mais frequência, outros fazem mesmo parte dos meus hábitos semanais. Tudo isto para dizer que, se quero comer Polvo à Lagareiro, vou ao restaurante A. Se quero comida chinesa acompanhada de Mateus Rosé, vou ao restaurante B. Se quero Posta Mirandesa antecedida duma alheira, não há hipótese: vou ao restaurante C. Se quero embebedar-me de carne vermelha e vinto tinto, vou ao restaurante E. Se quero bacalhau com natas, vou ao restaurante F. You get the picture, right? Nem que para isso tenha que andar 2 horas de carro, 100 Kms ou mais e perguntar pelo caminho. Não farei a legenda, porque não é isso que interessa agora, mas posso dizer que estas 6 iniciais abarcam uma área geográfica que começa no Nordeste Transmontano e termina no Mondego. A verdade é que o mais-que-tudo sempre me acompanhou neste meu gosto; ou eu a ele, vá, já nem sei dizer, pois nesse aspecto somos "lé com cré", um diz mata, o outro diz esfola. Fossemos assim em tudo e já tinhamos morrido de tédio e felicíssimos da vida. Mas não somos. Adiante...
Gosto de conhecer restaurantes novos, gosto da novidade, mas já resisto a degustar coisas novas que não sejam portuguesas. Sou fã quase incondicional da nossa comida tradicional; deve haver pouca coisa de que não goste; assim de repente, lembro-me de carapau cozido, morcela e papas de sarrabulho.
De resto, marcha tudo, desde que nacional.  


28 comentários:

  1. Eu gosto de experimentar. Nacional ou não. E até hoje não descobri nada de que não gostasse.

    Já agora - Carapau cozido???

    R.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. R., na casa pobre dos meus pais, durante a minha infância, comia-se disso. Comia-se escoado. Sabes o que é? Nunca se passou fome, mas não posso dizer que tivessem sido tempos refinados, a nivel de refeições. :)

      Eliminar
    2. Sei, sim. Mas não me recordo de alguma vez ouvir falar em cozer carapau, confesso. E como tu, nunca tive alimentação refinada. Faltava dinheiro. Mas ia sobrando imaginação :-)

      R.

      Eliminar
    3. Sim, a minha mãe fazia autênticos milagres. :) Que idade tem (ou teria) a tua mãe?

      Eliminar
    4. O cozinheiro era o meu pai (foi-o profissionalmente, já tarde) e era muito bom. Tem agora 71 anos. A minha mãe fazia a parte de doçaria :-)

      R.

      Eliminar
    5. Nisso, a minha mãe era exímia. Ninguém bate o pudim molotoff dela, já o referi um destes dias. :)

      Eliminar
    6. Acho que molotoff a minha nunca fez (curioso, porque era na minha infância a sobremesa favorita). A especialidade eram os papos de anjo. Mas tudo o que envolvesse ovos (gemas ou claras) fazia com mestria.

      R.

      Eliminar
    7. Agora tou a babar-me e mais logo, se não comer um doce, vou augar!

      Eliminar
  2. Se eu comesse assim, não levantava vôo :) Mas sou pássaro que se alimenta bem, ah pois (voar gasta muita energia)... Olha lá, não vi aí:
    1) Lampreia
    2) Leitão
    3) Feijoada
    Que se encontram algures nos pontos que disseste e que são coisas leves :) Confesso apenas que "comida chinesa com Mateus Rosé"... não bate certo com o resto da lista. :)

    Boa tarde Pseudo :)

    ResponderEliminar
  3. Tuites, efectivamente podemos juntar lampreia à lista do que eu não gosto. :)
    Gosto de leitão, mais das sandes do que dele no prato, mas não o valorizo, porque - e passo a redundância - é o prato do dia na minha terra de origem.
    E feijoada de leitão? Oh oh!! Cozinhada pelo MQT, é "daqui"! :)

    Achas que não bate certo? Da ultima vez que fui ao chinês B, o mateus rosé bateu e bem :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, é apenas por comida chinesa não contar para o campeonato nacional (por enquanto) :) E das boas comidas portuguesas ainda colocava mais algumas que metem avezinhas (perdizes, galináceos, ...) mas como se sabe não se deve fazer mal aos bichinhos com penas :)


      Eliminar
    2. Passarinho, tens razão. Mas a carne vermelha a que me referia tb não é nacional, pois o que eu tinha em mente quando escrevi isto, era uma parrilhada argentina que como sempre no sítio E. :)
      Se fôssemos verdadeiramente defensores dessa máxima, não comeriamos pato com laranja, por exemplo. :)

      Eliminar
    3. Por falar nisso, e um bom cozido? :)
      (Há muitas coisas que pensamos que são portuguesas e encontram-se por outros lados). Já comi algo a que chamaria um cozido à portuguesa em Espanha e eles a jurarem a pés juntos de que era típico de lá. Mania dos espanhóis copiarem :)

      Eliminar
    4. Esse é outro prato que marcha sempre, seja verão ou inverno, mas melhor no inverno! E se o cozinheiro abusar nas couves, melhor ainda!

      Eliminar
    5. Prato favorito, tuites. Prato favorito. Saudades de comer um.

      R.

      Eliminar
    6. E concordo contigo, Pseudo, marcha (marcharia) em qualquer época do ano.

      R.

      Eliminar
    7. Rendo-me! Tenho que ir à procura de comida! Isto comer só comida de pássaro, dá fome cedo, ainda para mais com conversas destas ;)

      Bom apetite Pseudo :)

      Eliminar
    8. Bon appetit para os 2 também.

      Azulinho, comida de pássaro não enche barriga. :)

      Eliminar
  4. Epá, também gosto de comer. É uma desgraça :/ E beber para acompanhar ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, a parte de beber...esqueci-me de a realçar ou de indicar sítios! Destrava-me a língua, if you know what I mean :P

      Eliminar
  5. Eu não sei se é portuguesa, nem quero saber, mas falta-te a francesinha. Cá para mim foi do que te esqueceste no sítio D. Deve ser do queijo :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oie! Realmente...saltei o sítio D! Mas de certezinha absoluta que não tinha nada a ver com francesinhas, nunca fiz Kms ou horas para comer uma. Nem planeio fazer tão cedo :P

      Eliminar
  6. Eu, que gosto de fazer essas coisas todas à bruta, quando estiver aí para esses lados, peço-te indicações. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comer à bruta? É assim que te referes aos meus hábitos alimentares? Bolas, agora sinto-me uma alarve! :P

      Mas pronto, eu dou-te umas dicas qd aqui vieres :)

      Eliminar
  7. Hmmm, Polvo à Lagareiro... 1 mês para lhe cravar o dente.
    Papas de sarrabulho muitos coraçõezinhos, tantos! Rojões, filetes de congro, arroz de cabidela de antigamente, bacalhau no forno e de todas as formas tb... que orgia alimentar! Salvo o polvo que prefiro comer em Matosinhos, e papas que só consumo em casa, o resto não sou de preferencias. Se for bom eu vou.

    No meu ranking pessoal, só ganhei amor à gastronomia de certos países depois de provar pratos caseiros e outros menos afamados.
    A melhor comida é a nossa. Está-me no sangue.
    Depois vem ex aquo cozinha turca (orgasmos estomacais e a melhor sopa de lentilhas do universo) e italiana.
    Coreana, Chinesa (desde que provei in loco nunca mais fui a 1 restaurante chinês no ocidente), e Japonesa (porque aqui é bom e barato cá) seguem-se sem ordeme specífica.

    Nisso de provar coisas novas, posso comer larvas e gafanhotos fritos (bem bom), cobra, cérebro ou língua, mistelas estranhas de sabores desconhecidos sem o menor problema. Só não me ponham fígado nem paté de ervas finas com fundo de fígado. Bilhec 3x bilhec.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pusinko, esqueci-me de acrescentar as iscas de figado de cebolada! Mas feitas por mim! ADORO! :)

      Eliminar
  8. Tázaver, há por aqui quem saiba ONDE se come bem neste país :P

    ResponderEliminar
  9. Ness, nunca disse o contrário :P

    ResponderEliminar

Olha, apetece-me moderar outra vez! Rais' partam lá isto!

P.S.: Não sou responsável por aquelas letrinhas e números enfadonhos que pedem aos robots que cá vêem ler-nos.